[18+] Pornografia: o conto de fadas masculino

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

É típico do homem típico dizer, até mesmo com certo orgulho ou desdém, que mulheres acreditam em contos de fada. Que Walt Disney perpetuou o sonho encantado nas mentes femininas com a promessa de um homem perfeito que surge do nada. E que elas, tão bobinhas, ainda acreditam nessa baboseira.

Acontece que nós, homens, temos a nossa própria versão do conto de fadas: a pornografia.

Dakoda Brookes

1.

A narrativa dos filmes pornô segue o mesmo script de qualquer conto de fadas, ou mesmo de histórias épicas como Star Wars ou O Senhor dos Anéis:

1. Situação comum: pedreiro trabalhando na obra, entregador de pizza, torneiro consertando o encanamento, aluno estudando.

2. Herói que será chamado (ou tentado): a dona da casa se insinua quebrando o protocolo profissional, a mãe safada do amigo que se oferece.

3. Herói resiste ao chamado: ele por um momento (ainda que imperceptível) recua ou hesita frente ao voraz apelo feminino.

4. Herói aceita a jornada e luta contra os desafios: começa a transa, chuta o balde e se lambuza.

5. Retorno renovado do herói à realidade comum: ele fecha a braguilha e volta a ser o encanador, aluno ou médico em suas atividades prosaicas, mas com um renovado sentimento de glória.

2.

Mas o que há de fantasioso nessa história toda?

No universo da pornografia, a mulher nunca rejeita sexo. Ela pode por breves momentos recuar ou bloquear o homem, mas esse movimento ocorre como um falso jogo de resistência para atiçar sua testosterona.

Essa mulher-fantasia sempre quer ser saciada de maneira vulcânica e se revela uma leoa sexual, até então recolhida. Nesse mundo utópico criado pela pornolândia existe uma sensação de paridade no desejo sexual. O homem nunca se vê rejeitado em seu instinto. A saciedade é garantida sem que se precise fazer grandes malabarismos, jantares caros, pedidos de casamento ou declarações de amor eterno.

Dificilmente se vê um filme pornô simulando uma cena com uma prostituta, afinal, ela cede porque é paga, e na fantasia do homem isso não valida sua vaidade pessoal. Homem que é homem conquista a caça, e aqueles que não querem se dar ao trabalho são inexperientes ou incapazes sociais, então usam o dinheiro como atalho.

A lenda pornográfica revela uma mulher comum que aceita o homem com seus desejos mais primitivos e os estimula sem pudor ou moralismo. Além disso ela urra, trepida como britadeira no seu pau e recebe o gozo no rosto com o mesmo prazer que aplica um creme hidratante.

3.

Isso acontece na prática cotidiana de grande parte dos homens? Não, os homens fazem menos sexo do que supostamente gostariam. Pergunte para solteiros e casados. Aqueles que estão num relacionamento duradouro e alegam uma vida sexual satisfatória no quesito frequência, muitas vezes apelam a recursos externos ao relacionamento, como masturbação e amantes contínuas ou prostitutas. Se questionado, o homem médio reclamará que seu desejo não é saciado como gostaria. Ele nem mesmo sabe qual é sua real medida de desejo, tão acostumado está em projetar virilidade.

Existe uma assimetria entre os gêneros que se mantém praticamente inalterada em diferentes culturas através do tempo: homens buscam sexo com maior frequência do que mulheres. Por conta do nível aumentado da testosterona, a libido masculina se manifesta prioritariamente de forma genital, enquanto na mulher ela é mais distribuída em diversas áreas erógenas e diluída em várias atividades além da cama.

O homem busca relaxamento e realização sexual essencialmente no sexo. A mulher, no sentido mais amplo, busca a mesma coisa de outras e diversas formas: dançando, conversando, trabalhando, passeando, produzindo, acariciando... e também através do sexo, claro. Porém, o ápice do "ato sexual" para a mulher pode acontecer com uma música incrível que ela ouve e a deixe feliz, enquanto no homem isso se circunscreve na ejaculação associada ao estímulo visual.

A pornografia funciona melhor para os homens porque em sua maioria eles estão ansiosos por serem sequestrados por estímulos visuais. Mulheres geralmente se excitam com narrativas complexas que mexam com inúmeros canais. Por esse motivo é frequentemente mais trabalhoso proporcionar e incitar prazer em uma mulher do que em um homem. Isso pode ser confundido com baixa libido feminina, mas não é nada disso. É apenas uma diferenciação de métodos.

4.

Algumas mulheres podem alegar que se sentem tão ávidas sexualmente quanto os homens. Vocês existem, mas são minoria. Isso leva muitos homens a cometer o erro de separar as mulheres em dois grupos:


  • as que são "santas", "para casar", mas com as quais ele vai ter que negociar o sexo e enfrentar TPMs e oscilações de humor,

  • e as "putas", "para transar", que (na sua fantasia) desejam sexo sem pudor, irrestritamente.

No seu conto de fada pornográfico, o grande receio masculino de ser rejeitado sexualmente e se sentir desprezado em seu orgulho é reduzido a zero. Na fantasia com a mulher hiperorgástica ele é reafirmado como o macho provedor de prazer invicto, já que elas dificilmente questionam, nunca cansam, sempre variam posições e gozam loucamente ao estímulo de seu pau mágico.

5.

O conto de fadas pornô tem uma função psicológica pouco comentada: a de reduzir as ansiedades masculinas frente à avaliação da mulher quanto ao seu desempenho e virilidade. Além de ajudar a encarar o temor de rejeição feminina que Freud astutamente detectou no mito de Édipo rei.

Nos receios inconfessáveis dos homens habita um menino que anseia ser aceito imediatamente pela mulher pelo simples fato de que ele existe.

Isso seria um anseio primitivo que se iniciou na relação mais rústica de um homem com uma mulher, sua querida mamãe, que na fantasia edípica deixaria todos os seus afazeres (inclusive o marido) para tê-lo perpetuamente em seus braços. No colo imaginário da mãe registrado no pano de fundo do imaginário masculino ele nunca sentiria desamparo ou menosprezo, pois ali só há plenitude, garantia de segurança e aceitação.

Do mesmo modo que o príncipe encantado faz as vezes do papai superpoderoso no inconsciente feminino, a pornstar representa no subconsciente masculino o colo da mãe incondicional que sempre diz sim.

Mãe

6.

É nesse retrato quase-onírico que o homem navega ao desejar a mulher bonita, excitada e a todo momento pronta para uma transa arrasadora. Estranhamente, a primeira coisa que um homem teme ao se imaginar namorando uma gostosa ninfomaníaca é não conseguir "dar conta do fogo dela". Esse homem aparentemente seguro de si receia ter ao lado o troféu cobiçado pelos demais, e seu ciúme, normalmente exagerado, é a revelação do temor de ver sempre sua potência posta à prova.

Ao lado dela ele teria que ter o falo infalível, incapaz de fraquejar num dia ruim e broxar frente uma mulher tão voluptuosa e com desejos insaciáveis. Para aplacar sua angústia de castração da virilidade ele escolhe a mulher "normal", que se queixa de dor de cabeça. Ali ele surge como o gigante Alpha insatisfeito que não vê saída a não ser apelar, justificadamente, a uma amante.

7.

Se não ficou claro até aqui, realço que o homem anseia por algo que não existe: a paridade de desejos sexuais com sua parceira. Mesmo se existisse, ele próprio renegaria (como faz com as mulheres fogosas pelo caminho) ou agiria de forma doentia e ciumenta.

Isso denuncia, a meu ver, um dos grandes desejos (ainda que obscuros) de grande parte dos homens: o de manter a sexualidade e a expressividade das mulheres adormecida, ou pelo menos sob o seu controle absoluto. Sob o risco de se perceber como o sexo frágil e reconhecer que sua sexualidade essencialmente genital é dependente das mulheres, ele prefere trocar ininterruptamente de parceira sob o pretexto de insatisfação em vez de confrontar que ele, assim como Pollyana, aspira um mundo sem nenhuma dor ou frustração e cheio de transas perfeitas.

Num relacionamento entre pessoas reais sempre caberá uma dose de troca, expectativa e desilusão, afinal, o sincronismo ideal acontece apenas nas máquinas, e olhe lá. Expandir seu desejo para além do pênis poderia fazer sua parceira se abrir a um sexo mais descontraído sem ter que passar por greve de sexo ou jogos de poder.

De qualquer forma, o desfecho mágico da pornografia viria como o encontro de uma mulher dócil e subordinada que o deseje na medida de seus impulsos, nem mais (a ponto dele não dar conta) e nem menos (que denuncie sua subordinação ao consentimento feminino).

Boa sorte ao lembrar disso na sua próxima punheta.


publicado em 16 de Julho de 2012, 14:19
Ffddfcb15097e698b035e15ea3995f05?s=130

Frederico Mattos

Sonhador nato, psicólogo provocador, autor dos livros "Relacionamento para Leigos" e "Como se libertar do ex". Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas cultiva a felicidade, lava pratos, medita, oferece treinamentos de maturidade emocional no Treino Sobre a Vida escreve no blog Sobre a vida. No twitter é

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura