Adriana, esse é pra você.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

No meio do mar de confusões que é a adolescência, tenho certeza que cada de um vocês tinha algum talento especial. Algo que sabia fazer um pouco melhor do que a média.

No meu caso, um desses talentos era escrever.

Era de praxe pra mim fazer redações que eram elogiadas pelos professores, pelos coordenadores, etc. Eu era chamado pra participar daqueles concursos de redação promovidos pela Nestlé, Abril, sempre algo como "fale sobre o patrimônio cultural de Minas Gerais" ou "sobre a importância da ecologia no Brasil".

Nunca tive destaque nesses daí. Escrever sempre foi algo muito pessoal, praticamente um universo paralelo onde eu adentrava e caminhava por lá como se fosse dono do lugar. Meu mundo, minhas regras.

No caso de vocês, talvez esse talento fosse jogar futebol, queimada, spiroball(alguém aí era bom nessa merda de spiroball?). Ou quem sabe algo mais tradicional como ser bom em Química, Física ou Biologia, essa última por sinal era meu nêmesis. Quase me fez ser reprovado no 3º ano.

spiroball
Bola giratória dos infernos

O fato é que quando fazemos algo bem feito, chega a ser esperado receber aplausos. No entanto, vez por outra um certo elogio nos marca. Não dá pra esquecer. Comigo, um desses foi quando escrevi um texto sobre não-sei-o-quê no alto de meus 14 anos.

Era sobre algum tema denso como política ou economia mundial e deve ter ficado bom pra cacete, pois meu pai fez questão de me dar os parabéns. Até passou para algumas pessoas lerem, viralizando o conteúdo, por assim dizer.

Legal, mas e eu com isso?

Retomando o fio da meada antes do flashback tomar vida própria, o ponto é que aqui na PapodeHomem tem chegado quantidade cada vez maior de mensagens falando basicamente que somos do caralho.

A maioria delas vem de homens. E outra parte delas vem de mulheres, para o Dr. Love, com propostas que ficam melhor não publicadas.

talento
O engraçado é que éramos bons em algumas coisas e com o passar do tempo... bem, fica meio tosco insistir no "sonho"...

Os Elogios

E nessa putaria toda, uma se destacou:

"Eu amei esse site!
Olá!
Estava eu sem nada a fazer nesse domingão quando, sem querer, me deparo
com seu site. Achei muito legal, muito claro e o primeiro a mostrar as
coisas como são!
Sei que é para homens, mas são respostas às questões
que nós mulheres também temos interesse. O insight da Jade na questão do
orgasmo feminino foi fundamental... desde quando homem sabe "aonde está o
orgasmo feminino"? risos
Beijos e já indiquei para o namorado e minhas amigas!!
- Adriana"
Texto da Jade sobre Orgasmo Feminino

É e-x-a-t-a-m-e-n-t-e essa a proposta do PapodeHomem. Quando fiquei rabiscando papéis com o layout desse site - e tem gente que já viu esses rabiscos - há pouco mais de um ano atrás, era isso o que enxergava. Esse momento.

E o melhor é que ainda veio outro depois, também de uma mulher:

"Sabe, antes de entrar aqui eu pensei:
Huumm, "Papo de Homem"...
Deve ver mais um blog daqueles escritos de forma chula, tosca, cheio de piadas de mau gosto e com um humor destemperado e exagerado (é bom às vezes...mas só às vezes) regado à futebol e cerveja.
Aaaaaahhhh, que engano!
Um beijo!
- Grazi"

---------------------------

Chega de arquivo confidencial. Vamos contrabalançar esse artigo mela-cueca com o trailer do filme do ano, não vou nem dizer o nome, é desnecessário.

link do vídeo

Quem tiver algum elogio marcante pra compartilhar, coloque nos comentários. Quem era um merda e nunca prestou pra nada, assiste o trailer. Vai te ajudar a superar os traumas de infância.

Agora dá licença que vou ali na cozinha fazer uma refeição movida a testosterona. Dois miojos, quatro hamburguers e tomate com sal. Dr. Gourmand, cadê você?


publicado em 09 de Fevereiro de 2008, 10:46
B014a5f3a0e89f0614d90bf20c9235dc?s=130

Guilherme Nascimento Valadares

Interessado em boas conversas, criar negócios que não se pareçam com negócios e em espaços de transformação. Nessa encruzilhada surgiram o PapodeHomem, o Escribas e o o lugar. No Twitter.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura