As morenas de olhos pretos

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

Dia desses vi na rua uma mulher lindíssima, daquelas que entortam o pescoço dos passantes, fossem eles homens feitos, velhos, crianças ou mesmo mulheres.

A dita cuja não vestia roupas provocantes, tampouco era famosa. A fartura estava toda nos detalhes, da pele branca levemente sardenta, dos olhos verdes radiantes, do rosto delicado e, em especial, das longas e volumosas madeixas ruivas.

Ah, vá, "gostar de ruivas é o clichê mais velho da face da terra", você me diria. Sim, eu sei. Existem mil tumblrs dedicados ao tema e eu mesmo já fiz um tributo às damas do cabelo de fogo por aqui, recebendo a aprovação entusiasmada de vocês.

Prosseguindo em meus devaneios em torno dos clichês, teríamos também as tatuadas. Minha curadoria com as gostosas tatuadas foi meu artigo de maior sucesso. Incentivo às mulheres que se tatuem por inteiro, fechem o braço ou as costas. Certos estúdios chegam a recrutar beldades para serem tatuadas, sem cobrar por isso, em troca de um ensaio fotográfico. Indo mais longe no altar dos estereótipos adorados pelos mancebos, temos as loiras suecas, as mulatas do samba, as norueguesas bicuriosas. Todas, e tantas outras, fetiches masculinos clássicos do típico brasileiro - e também de algumas brasileiras, às vezes.

Mas sejamos francos: quantas deusas tatuadas você já conquistou? Quantas ruivas naturais sequer viu na rua hoje? Ou essa semana? Quantos entre seus falastrões amigos já tocaram numa ninfa nórdica?

São holofotes em exagero, desproporção míope.

A ponto de ignorar um dos mais belos patrimônios do feminino, e agora objeto de minha homenagem: as morenas de olhos pretos.

Aquelas que fazem parte de inesquecíveis histórias nas vidas de todos nós. São as mulheres que vemos todos os dias, nosso deleite cotidiano.

A vizinha, a amiga cobiçada, a menina que trabalha no escritório do seu amigo, a prima distante, a amiga do amigo e aquela que passa por você todo santo dia na rua depois do trabalho. Todas lindas, salivantes.


publicado em 17 de Junho de 2012, 15:56
Fa6216a91d207a00d48a0f1c69f44eb9?s=130

Rodrigo Cambiaghi

Gerente de atendimento e curador do Apimentadas – Resolve problemas e acalma pessoas surtadas. Se acha diferente por não acompanhar futebol e gostar mais de mostarda do que de ketchup, é apaixonado por comida latino-americana e ceviche. Para mais informações consulte seu terapeuta.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura