Carta ao homem “sensível” moderno

Tenho reparado o quanto sua presença está marcante atualmente, por isso resolvi escrever essa cartinha pra você.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

Querido homem “sensível” moderno,

Tenho reparado o quanto sua presença está marcante atualmente, por isso resolvi escrever essa cartinha pra você.

Sabe, eu sei que você se acha super sensível e, bom, a última coisa que eu gostaria era ferir seus sentimentos, mas infelizmente vou ter que começar assim: você não é sensível.

Você provavelmente se auto-proclamou “sensível” depois de ver que tinha qualidades como “respeito ao próximo” (traduzindo: comer e não contar pra todo mundo), ou então, depois de levar N foras das garotas dos seus sonhos. Ou talvez porque você simplesmente não seja o maior fã de baladonas e pegação.

Eu digo que sensibilidade é outra coisa. É entender uma mulher, é saber ouvir, é dar colo E saber comer - até porque o primeiro significado para a palavra “sensibilidade” é: “capacidade de um organismo para receber estimulações”.

E agora eu completo: nada mais chato do que a moça ter de tomar iniciativa em mais de 60% das vezes.

Sim, homem-“sensível”, porque com você isso acontece bastante. Até porque, para não dar uma de “só penso naquilo”, você resolve ficar na sua, ou então desaprendeu (ou nunca aprendeu) a ouvir um não quando não é a melhor hora e isso não significa “dor de cabeça”, significa que às vezes, well, às vezes não é hora e ponto. Por essas e outras, você aí acaba ficando na defensiva:

“Quando ela quiser, ela que me procure, porque pra mim qualquer hora é hora.” e tudo bem.

E não, não está tudo bem! Que tal tirar o olhinho do umbigo e ouvir umas cinco coisinhas? Vamos lá:

bichinha-cat
Meu gatinho novo, Félix Santoro, é como um filho pra mim

1. toda mulher gosta de flores. Sinto lhe dizer, mas o que sua mãe lhe aconselhou sobre ser “dinheiro jogado no lixo” era simplesmente pra você não torrar suas economias (ou as dela, no pior dos casos). Mas que fique bem claro: flores tem sempre de vir acompanhadas por presente. Não troque um presente de data comemorativa por flores, simplesmente, senão, meu amigo, você estará sendo burro. Só dê flores “sozinhas” para fazer um agrado, uma surpresa ou para pedir desculpas, sei lá, o céu é o limite.

2. Não, eu não vou achar bonitinho se você chorar junto comigo naquele filme. Alguém nessa relação tem que ser mais forte que eu.

3. Acho lindo o quanto você é próximo da sua mãe e da sua avó. Mas confesso que preferia que você estivesse vendo futebol com o seu pai e ajudasse sua mãe a lavar a louça do domingo, ao invés de apenas ser o filhinho-exemplo dela.

4. Mulher não gosta de sofrer, como algum amigo machista pode ter dito depois de te ver tomando o enésimo fora. Pelo contrário: mulher gosta de pulso firme e, antes tarde do que nunca, acaba se tocando quando o rapaz não presta. Mas, enfim, se não se tocar, há casos e casos e Freud explica. Eu diria que é um processo análogo ao do corno-manso.

5. A moça não é sua melhor amiga. Ela é sua namorada/mulher/esposa/peguete/noiva, etc. Conte seus problemas, peça conselhos, tudo normal. Mas mantenha uma vida paralela, já que nunca se sabe quando tudo acaba (“que não seja imortal, posto que é chama / mas que seja infinito enquanto dure”) e, provavelmente, se acabar, infelizmente ela não será mais sua melhor amiga. Seu ciúme provavelmente não será capaz de tal proeza. Isso costumava acontecer mais com mulheres, mas parece uma constante na vida dos homens “sensíveis”. E, bom, esse conselho também serve pras moças, não preciso nem dizer.

Acho que é isso. Espero que eu tenha te sensibilizado.

Beijomeliga.

Ou não, não me liga. Me liga só depois de reler bastante.

Até.. mais.

Ass.


publicado em 15 de Julho de 2008, 23:08

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura