Como preparar e tomar chimarrão

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

Vamos apertar um mate, tchê?

Vim para o Sul nos fim dos anos 70, mas o gosto pelo chimarrão se deu aos poucos. Aprendi a apreciar o mate com o sogrão velho de guerra, que era chegado. Lembro que não gostava de rodas grandes de mate, onde um não ronca, o outro mexe na bomba e a outra se esquece da vida com a cuia na mão. Dizia "Mate eu tomo de manhãzinha, solito, com meu pala e boina, e ainda meio emburrado!”.

Particularmente não sou daqueles que toma chimarrão o dia todo. Aprecio com moderação, também não sou de rodas de assuntos cruzados. E nada de chimarrão de uruguaio: curto como coice de porco.

O chimarrão se transformou em um costume comunitário. Apesar de que alguns aficionados o tomarem durante todo o dia, o comum é um mate na manhã e outro no fim do dia, inicio da noite. Embora seja cotidiano o consumo doméstico, é figura destacada quando a família se reúne, e é quase obrigatório quando chegam visitas ou a parceria. Mas é comum se ver gente tomando mate caminhando, passeando, na praia e outros locais diversos.

Numa roda de chimarrão a figura principal é a do mateador. Além de preparar, é o primeiro a beber, em sinal de educação, já que o primeiro chimarrão é o mais amargo. Também é de praxe o que fica com a chaleira ou a térmica, para encher e passar para as mãos de outra pessoa, iniciando a roda. Ele também alerta aos iniciantes que devem tomar o chimarrão totalmente, fazendo a "cuia roncar", pois assim toda a água é sorvida e o próximo vivente pode tomar um mate zerado.

O chimarrão é feito com erva-mate, servido quente com água quase fervida: chiada. Tem gosto que mistura doce e amargo, dependendo da qualidade da erva-mate.

Cuia grande, bomba que não entope

Um aparato fundamental para o chimarrão é a cuia, vasilha feita de porongo, que pode ser simples ou lavrada e ornada em ouro, prata e outros metais, com a largura de uma boa caneca e a altura de um copo fundo e, mais importante, com o formato de um seio moreno de mulher. Chimarrão em cuia de alumínio com escudo do clube, canecas e outros que tais, nem pensar!

Importante a bomba, um canudo de cerca de meio centímetro de diâmetro, normalmente feito em prata lavrada, que dizem ter propriedades esterilizantes, acabamento de ouro, um palmo de comprimento e na extremidade inferior há uma pequena peneira do tamanho de uma moeda. Assim como a cuia, deve ser lavada só com água quente e deixada a secar no sol.

Gosto de cuia grande, bomba que não entope e erva forte, sem jujo e gostos estranhos de chás e ervas outras. Roda pequena e sem muita altercação, pois um bom chimarrão costuma botar os neurônios em seu devido lugar e fazer o relógio do peito bater no ritmo de uma milonga.

Tradição dos nossos pais índios

Interessante saber que o chimarrão ou mate é uma bebida característica da cultura do sul da América do Sul, um hábito legado pelas culturas quíchua, aymará e guarany.

Os índios da tribo guarany, lá pras bandas do Paraguay, tomavam o chá de ervas em copos feito de taquara, assim como a bomba, mais fina e com furos embaixo. Os desbravadores, nômades por natureza, e os soldados espanhóis que andaram por aqui e acolá, nos idos 1500, saudosos do lar e das patroas, tomavam homéricas borracheiras. E observaram que, tomando o estranho chá de ervas utilizado pelos índios, o dia seguinte ficava bem melhor e a ressaca sumia por completo. Deu-se a chamada aculturação.

Tem ainda o causo do primeiro mate. Conta a lenda que os jesuítas, achando que o mate era afrodisíaco, para evitar que os índios passassem a maior parte do dia mateando, criaram o mito entre os silvícolas cristianizados que o diabólico Anhangá Pitã estava dentro do mate. Mas os padres não se deram bem nessa tentativa. O hábito salutar sobrepujou o temor que lhes fora impingido. Por isso, toda vez que o índio ia tomar mate com outros, tomava o primeiro como demonstração que Anhangá Pitã não se encontrava no mate.

Lembrando que o chimarrão tem propriedades desintoxicantes e eficazes numa alimentação rica em carnes, fico com este singelo versinho:

“Ceve o mate da felicidade com uma chinoca recatada e dona de si, e mate é como sabugueiro do campo: bom pra tudo.”

Como preparar o chimarrão

1. Coloque erva mate verde em 2/3 da cuia.

2. Tape com a mão ou boca da cuia, inclinando-a para ajeitar a erva, que deve ficar assentada de um lado só, deixando um espaço vazio.

3. Bata suavemente, com a ponta dos dedos, na superfície externa da cuia, no lado em que a erva mate está assentada, para que o pó mais fino se desloque para o fundo do porongo.

4. Coloque novamente a cuia na posição vertical, com suavidade, para que a erva mate não caia para o lado.

5. Despeje um pouco de água morna ou para umedecer e inchar a erva, e aguarde até água ser absorvida.

6. Coloque a água quente, tendo o cuidado de não deixá-la ferver. O melhor é respeitar o aviso da chaleira, que começa a chiar aos 80º.

7. Introduza a bomba no fundo da cuia, enterrada na erva, mantendo o bocal fechado com o dedo polegar, até assentá-la bem.

8. Quando a infusão acabar, deve-se acrescentar mais água. A operação pode ser repetida até que o chimarrão deixe de espumar, sinal de que a erva já enfraqueceu.

* Ilustrações do próprio Minduim.


publicado em 02 de Agosto de 2010, 08:58
88f43cb5b969d81e2294bbd820172d30?s=130

Luiz Minduim

Luiz Minduim é artista gráfico, professor, cozinheiro, assador bagual e balaqueiro dos bons! Mora em Pelotas, região do grande Pampa há mais de 30 anos, gaúcho por opção e coração.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura