Como prevenir a Gravidez com métodos naturais [PERIGO]

Muitas pessoas não têm sequer a menor idéia da existência de tais métodos, mas devido ao seu alto índice de falhas e ao fato de não prevenirem as doenças sexualmente transmissíveis, não vou entrar em muitos detalhes.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

O objetivo deste artigo é meramente informativo.

Muitas pessoas não têm sequer a menor idéia da existência de tais métodos, mas devido ao seu alto índice de falhas e ao fato de não prevenirem as doenças sexualmente transmissíveis, não vou entrar em muitos detalhes. Não será um tutorial minucioso de “como fazer” e “como não fazer”.

AVISO IMPORTANTE: Não explicarei detalhes nos comentários, portanto, não percam seu tempo me perguntando.

Os métodos naturais partem do princípio que se a mulher conhecer o próprio corpo e o seu período fértil, saberá quando engravidar e quando é seguro ter relação sem risco de gravidez.

São eles: A tabelinha, a temperatura basal, e o muco cervical. Aqui incluirei o coito interrompido, apesar de fugir da descrição inicial.

A Tabelinha

tabelinha
Tabelinha confiável é a da Copa do Mundo

Como gosto de dizer, tabelinha boa para mim é aquela que acaba resultando em um gol do Mengão.

A tabelinha requer abstinência sexual durante o período mais provável de ovulação da mulher. Para saber o dia de ovulação, primeiramente deve-se determinar o ciclo menstrual, e o primeiro e trabalhoso passo, é anotar de oito a doze meses desse ciclo, e tirando a média.

A ovulação ocorre aproximadamente na metade de tal ciclo, e como um espermatozóide pode sobreviver até 3 dias no útero, a abstinência deve ser de 3 a 4 dias antes da ovulação até 3 a 4 dias depois. Praticamente uma semana de abstinência.

Na prática, a ovulação da mulher varia muito, por N fatores. Doença, tensão, viagem, irritabilidade, perda de peso, etc... Além de requerer organização extrema, tanto da mulher ao anotar seu ciclo, quanto do casal, que tem a espontaneidade da sua atividade sexual alterada.

O Método da temperatura basal

Neste método, a mulher anota a sua temperatura vaginal, oral, axilar ou anal, sempre do mesmo lugar, toda manhã, antes de se mexer ou levantar da cama, durante vários meses.

É necessário confeccionar um gráfico com a temperatura diária, e tal gráfico permanece mais ou menos estável até a ovulação, quando ocorre um aumento pequeno, que perdura durante 12-13 dias, até a menstruação, quando retorna ao nível normal.

Mas tem lá seus percalços. Dá trabalho. A mulher não pode levantar antes de tirar a temperatura, pois isso “aquece” o organismo. Qualquer doença ou febre altera a aferição e também a ovulação. É um método que falha bastante.

O Método do muco cervical (Método Billings)

Baseia-se no fato que pouco antes da ovulação, a maioria das mulheres apresenta notáveis mudanças no muco, espécie de um catarro, localizado na abertura do útero (cérvix).

Depois da menstruação, a cérvix uterina quase não produz muco, e a vagina fica seca (salvo quando a mulher se excita). Após alguns dias, a cérvix começa a produzir um muco claro e pegajoso, com consistência semelhante à clara de ovo. Este muco marca o período fértil. É seguido por um muco mais espesso e amarelado.

Normalmente, o primeiro dia que a mulher detecta o muco mais afilado significa que a ovulação ocorrerá dali a 1 ou 2 dias, e deve ocorrer a abstinência.

O coito interrompido

bebe
Olha aí o resultado mais comum dos métodos naturais de anticoncepção

Consiste na retirada do pênis da vagina logo antes de o homem ejacular. Apesar de muito usado, está longe de ser eficiente, porque :

- Muitos homens, antes da ejaculação, apresentam um escape de fluido seminal, com quantidade suficiente de espermatozóides que podem fecundar uma mulher.
- Não é todo cara que tem autocontrole suficiente para realizar tal prática.

Além disso, o receio que a mulher pode ter a respeito do seu parceiro não conseguir se controlar pode diminuir o desempenho sexual destas. Pode também causar uma tensão suficiente no homem que o faça broxar.

Eficácia de métodos e uso combinado

Alguns estudos, infelizmente de baixa confiabilidade, apontaram as eficácias de tais métodos :

Tabelinha – 70%
Temperatura basal (com relação somente em uma parte do ciclo) – 98%
Muco cervical – 70 a 90%

Um parêntese aqui sobre a “eficácia” elevada da temperatura basal : Só ocorreu tal porcentagem associada a uma abstinência de metade do ciclo menstrual, ou seja, 15 dias sem sexo, em média. Impraticável.

Além da falta de confiabilidade de tais estudos, 70% de eficácia é um índice PERIGOSÍSSIMO. De cada dez vezes que se transa, em 3 delas vai ocorrer fecundação.

Uma forma de diminuir o risco é a combinação de métodos. Assim maximiza-se a proteção. E não só dos métodos naturais, pode-se combinar a camisinha com o muco cervical, tornando o evento gravidez (em caso de falha da camisinha) apenas uma possibilidade remota.

Ah, claro, o conceito de combinação de métodos também pode (e deve) ser aplicado aos chamados métodos artificiais.

Combinação de pílula com camisinha, por exemplo, aumenta demais a segurança quando a possibilidade de gravidez. Como gosto de dizer, se depois de uma combinação dessas, ainda assim engravidar, tem que batizar o filho como MacGyver.


publicado em 06 de Novembro de 2007, 11:43
7375567d0f2c379b7588ce618306ff6c?s=130

Mauricio Garcia

Flamenguista ortodoxo, toca bateria e ama cerveja e mulher (nessa ordem). Nas horas vagas, é médico e o nosso grande Dr. Health.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura