Mais um texto sobre clichês

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

Ah, o clichê.

O clichê é a bóia para quem não sabe nadar.

É cantar “adeus ano velho” ao findar a contagem regressiva no reveillon. É gritar “vai pagar a conta” para o amigo que senta na ponta da mesa no bar. É questionar “é pra ver ou pra comer” quando a tia serve a sobremesa. A resposta padrão, o senso comum, a piada óbvia. O cantar “a porra do Brasil” em resposta ao refrão da música.

O clichê é o “papai e mamãe”. É a montanha russa. É ter um cachorro chamado Rex. Chamar um gaúcho de viado, um baiano de preguiçoso e um argentino de arrogante. É dar um porta-retratos de presente no dia das mães, tomar sorvete napolitano, pedir pizza de frango com catupiry e comer pastel com garapa.

Comentar sobre o clima no elevador, reclamar da corrupção, do trânsito e da Seleção Brasileira. Repetir o que outros dizem sem se perguntar o motivo. Torna comum o que poderia ser interessante. O clichê distancia pessoas.

Clichê é buscar clichê no Google Imagens e pegar a primeira foto

O clichê é o piloto automático do cérebro. É recuar a bola paro goleiro e levantar a mão pedindo impedimento quando sofre um gol. É dizer que o ano só começa depois do Carnaval. É reclamar que o final de semana acabou quando sobem os créditos do Fantástico. É ver futebol na Globo, reclamar da narração do Galvão Bueno e repassar um texto do Pedro Bial.

O clichê é o freio de mão da criatividade. Não aquela criatividade de criações mirabolantes, mas a capaz de produzir respostas próprias para velhas questões da rotina. O clichê acostumaa mente aos paradigmas (palavrinha bem clichê) e torna você um personagem de filme de Sessão da Tarde. Não um Ferris Bueller, mas sim um com falas banais e final previsível.

Clichês são as frases dos outros que você usa por preguiça de pensar por conta própria.

O clichê é chato e é chato ser clichê. Ninguém quer ser comum, mas você é. Eu sou também.

Menos clichês, mais talento.


publicado em 16 de Agosto de 2011, 06:14
68e6c263a756db1e7b497524db49d737?s=130

Lisandro Castro

Lisandro de Castro é um reclamador nato e questionador de coisas óbvias. Costuma ser mais sincero do que as pessoas desejam e leva uma vida bem clichê. Cresceu ouvindo piadas nada criativas sobre baixinhos e gaúchos.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura