O carro mais veloz do mundo vale ouro

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

Existem certas coisas que, de modo geral, fazem parte do ideário masculino, dentre essas, sem dúvida alguma, está essa maravilha da engenhosidade humana, a invenção de Karl Benz difundida por Ford: o carro.

Atualmente, o Veyron, da Bugatti, é o carro de rua mais veloz do mundo. A versão 16.4 Super Sport, edição limitada apresentada recentemente, com motor 8.0 de 16 canecos e quatro turbos gera nada menos do que 1.200 cv de potência e um torque máximo de 152,9 kgfm. Isso explica a velocidade máxima de 431 km/h. Nada mal, hein?

Ano passado um milionário do Kwait decidiu deixar seu Veyron, embora não fosse um SS, ainda mais... chamativo, por assim dizer, mandando pintar o carro com ouro. Isso mesmo, ouro.

Agora quem decidiu inovar foi a Mansory, preparadora alemã conhecida por privilegiar a estética ao invés dos detalhes técnico-mecânicos. Apresenta ao mundo o Masonry Bugatti Veyron 16.4 Linea Vincero d'Oro, o carro mais veloz do mundo combinado com o metal mais desejado do mundo.

"Esse post é o mais perto que você chegará de mim."

Introduz partes externas e internas manufaturadas em ouro: detalhes na dianteira e na traseira, frisos, retrovisores, rodas, maçanetas, assentos, câmbio, painel e volante são alguns exemplos da sofisticação realizada.

O preço? A empresa não divulgou, mas preparem os bolsos, pois o SS, que serviu de base para a obra de arte, custa a bagatela de R$ 2,5 milhões.

Fontes: Auto Esporte e Motor Dream.


publicado em 08 de Agosto de 2010, 07:19
7bad5b31f4d700d0a7b1550a64b104e4?s=130

Danilo Freire

Advogado que não lida bem com prazos. Estudante de Filosofia que tem déficit de atenção. Cadeirante, era ruim em matemática, calculou mal um mergulho e desde então é tetraplégico. No Twitter, responde por @danilotetra.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura