O funk de ostentação e a música que queremos esconder

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

Acho bem difícil ver a música separada da sociedade, do artista e daqueles que a ouvem. Em especial me chama atenção sempre que alguma coisa explode ao ponto de se tornar difícil ignorá-la. Basta lembrar do Michel Teló, por exemplo.

Não quero nem mesmo entrar no mérito qualitativo, de qual estilo, música ou compositor é melhor ou pior. O que me deixa bastante intrigado é como existe quase sempre algo latente a que queremos dar voz por trás de todo o burburinho gerado por determinados estilos musicais, especialmente aqueles que vêm das periferias. Tanto por parte dos que defendem estas produções culturais quanto dos que as criticam.

Link Youtube

Há alguns dias, a Gaby Amarantos fez uma participação no BBB que gerou revolta em muitos. Ela estava lá, tocando, fazendo o som dela. E, de repente – eu, que não assisto BBB – me deparo com um monte de comentários pelo Facebook, no mínimo de mau gosto, afirmando que ela era feia, que a música não prestava, que as letras eram ruins, que aquilo não deveria aparecer na televisão, entre outras coisas. Estranho.

O mesmo parece estar acontecendo com um outro movimento, o funk. A mudança de paradigma social acabou levando a uma mudança nas temáticas das letras. E isso trouxe um novo fôlego ao estilo que, outra vez, o fez explodir na frente de todo mundo. E, como com o tecnobrega da Gaby Amarantos, gera reações bastante exaltadas.

Me parece que o que estamos querendo não é nos livrar da música, mas esconder essas pessoas que dão origem a ela.

"Tudo bem eles fazerem essa coisa feia aí, desde que isso não extrapole as fronteiras do bairro deles e nem invada a minha programação de televisão."

O que me impressiona mesmo não é nós não gostarmos da música, nem do visual ou qualquer coisa do tipo. Ok, todo mundo tem o direito de gostar e criticar o que bem entender – sem esquecer do bom senso, claro.

Mas por que a gente insiste em não se conformar apenas em deixar isso pra lá e insiste em querer proibir os outros de fazer aquilo que os deixa felizes?


publicado em 25 de Janeiro de 2013, 10:43
1655867 10152201429564113 945117647 n

Luciano Ribeiro

Editor do PapodeHomem, ex-designer de produtos, ex-vocalista da banda Tranze. Tem um amor não correspondido pela ilustração, fotografia e música. Volta e meia grava músicas pelo Na Casa de Ana. Está no Twitter, Facebook e Google+.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura