O que as mulheres acham de Homens com Barba?

Não sei o quão representativa é minha resposta de exemplar do gênero feminino, mas sempre tive um fetiche por barbas.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

Não sei o quão representativa é minha resposta de exemplar do gênero feminino, mas sempre tive um fetiche por barbas.

A-DO-RO barbas volumosas, densas e compridas.

barba
Eu sou bruto e difícil de engolir, como meu hot dog sem molho

Há algumas semanas, quando conheci o João*, estava pensando o porque da minha preferência.

Ele é fotógrafo e nos encontramos em um show. Tinha uma barba cheia, linda. Duas semanas, alguns telefonemas e emails depois nos encontramos e não o reconheci. Queria ir embora imediatamente quando vi aquele maxilar descerimoniosamente pelado. Um despudor deserotizante.

Mas não havia o que fazer com elegância: estava ali e tentei conter minha decepção. Lá pelas tantas, depois de forçar-me aproveitar a companhia do desbarbado, sugeri que ele ficava melhor na primeira versão e ele confessou que tirou a barba naquele dia, em ocasião de nosso encontro mas que deixaria crescer. Só faltou pedir segunda chance.

O cara era legal mas de volta em casa fiquei surpresa com minha falta de discernimento inicial: como fui enganada por um monte de cabelos faciais?? como não desconfiei do escondido e tomei-o por belo? logo eu, tão sensível aos detalhes.

Fiquei pensando e resgatei imagem forte preta e branca de meu pai que teve juventude nos anos 70. As fotos do meu pai barbudo com minha mãe no auge da felicidade e frescor dos dois, do amor do qual sou fruto, podem explicar da forma mais freudiana o meu encanto: meu pai é lindo. Passei minha adolescência achando-o conservador mas as fotos eram lúdicas, quase psicodélicas.

Tinha barba, ouvia Beatles, queria mudar o mundo e deixou um bigode pra vida como prova. Minha mãe, ruiva, delicada e transgressora, tinha os cachos longos e tão felizes que brilhavam ao caminho da receptiva barba de meu pai. Era mignon e apaixonada. O casal da foto prometia parentesco comigo e hipnotizava meus olhos de criança melancólica com o divorcio prematuro.

A autenticidade dessa realidade estrangeira era quase ingênua e queria um homem como meu pai, queria ser ruiva.

barbudo
Visual Comunista-Guerilheiro-Fashion em alta

Destrinchando o fetiche, pensei também em Mordechai: aos dezenove anos me apaixonei por ele, de 16, estudante de seminário chassídico, judeu religioso. O primeiro amor correspondido e forte. Sua barbinha crescia rala mas determinada. Somente anos depois quando ele abandonou a religião e tudo estava menos platônico que fui beija-lo.

Depois veio NY e estudos místicos. Os judeus religiosos não cortam a barba e não sabia o que acontecia comigo cada vez que encontrava um homem na rua... Todos os tamanhos, texturas e tonalidades. Dava um jeito de falar com cada um deles e corava, desajeitada. Ali também haviam sugestões paradoxais coexistindo harmoniosamente.

Primitivos e sofisticados, das cavernas e evoluídos, estudiosos de suas limitações e poderes, arrogantes, sem desculpas mas esperando redenção, todos com culpa e tesão acumulados, ficavam docemente nervosos correspondendo minha timidez. Estava no paraíso e não entendia porque teria que escolher somente uma barba para casar mas não tinha pressa e escolheria a mais sábia e viva.

sean-connery
- Você tem certeza que tem alguma coisa útil a acrescentar?

Na prática, foram poucas barbas que beijei e é verdade que existem algumas menos agradáveis caso a atração pelo macho seja mais sensorial do que descrevi pois a justificativa táctil é bem menos sofisticada: a sensação de pele com pele é melhor. Mas mesmo nesse nível, antes barba fazendo cócegas à barba por fazer, arranhando meu rostinho.

Uma boa barba é imponente e humilde ao mesmo tempo. Barba é coisa de macho. É porte, é majestade e escolherei o Rei à bundinha de neném.


publicado em 24 de Abril de 2008, 16:40
9b56b47d58064d92390ee89d3a459cb7?s=130

Leitora Anônima

Perfil coringa para textos enviados anonimamente por nossas leitoras.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura