O que o exoesqueleto do Nicolelis diz sobre ele e nós mesmos

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey


“Um paciente paraplégico, movimentando uma veste robótica controlada pela atividade cerebral (exoesqueleto), irá se levantar de uma cadeira de rodas, caminhar por cerca de 25 metros no campo e dar o primeiro chute da Copa”.


Era assim que, ainda na segunda-feira passada (9/6), o Portal da Copa descrevia o que iria acontecer em algum momento da abertura do mundial, que aconteceu dia 13 de junho.

A promessa era do neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis, coordenador do projeto Andar de Novo, que descreveu a cena em diversas entrevistas nos últimos anos. O mundo iria testemunhar o que, para ele, seria comparável à chegada do homem à Lua em termos de proeza científica.

Mas tudo que o mundo viu está neste gif:

chute-exoesqueleto-

Decepção, então, é uma palavra adequada para definir o anti-clímax de uma cerimônia bem morna (como é de costume nas Copas, aliás).

Algo deu errado ou, no mínimo, não saiu como o prometido. Chegaremos lá. Antes, observar como as pessoas escolheram o culpado pelo fiasco foi bem instrutivo sobre como pensamos e como nos expressamos nos intertubos.

O primeiro instinto de uma boa parcela dos brasileiros quando acontece qualquer coisa ruim é dizer “foi a Globo!”, e ir para as redes sociais. A segunda, que normalmente vem acompanhada da primeira, é evocar o tal complexo de vira-lata.

Tivemos tudo isso nos minutos que se seguiram à demonstração. Primeiro veio a acusação que foi a Globo que quis esconder o negócio. Não importava que a geração de imagens era da FIFA, que não era possível saber o que viria na câmera seguinte (todos os apresentadores estavam meio perdidos), que estavam previstos não mais que 30 segundos, e que as outras emissoras mostraram rigorosamente o mesmo. Não importava que a Globo até colocou alguns replays com Galvão exaltando o “feito” ou que, antes, realizou seguidas e elogiosas reportagens em seus principais jornais e que depois teve exclusiva com o rapaz que usou o exoesqueleto.

Na dúvida, para esse pessoal que até hoje canta “o povo não é bobo”, a culpa era, foi e sempre será, da Globo.

Em uma visão ligeiramente mais sofisticada, a culpa seria “do Brasil, que não leva a ciência a sério”. Há várias razões para sustentar a ideia, como o nosso modestíssimo investimento em pesquisa de ponta (especialmente no setor privado, importante salientar). Por essa lógica, se a apresentação fosse nos Estados Unidos, o cientista seria visto como herói, a apresentação teria destaque etc.

A simples existência do Andar de Novo (e os R$ 33 milhões destinados ao projeto) seriam um bom argumento contra essa tese, como veremos mais adiante. Mas, para quem está atrás de um bode expiatório, parece sedutora a ideia de reclamar de um “país que prefere mostrar Claudia Leitte a um avanço científico”.

Um post bem escrito, que mistura bem o globoantagonismo com o complexo de vira-lata, ganhou seus 60 e tantos mil likes no calor do momento. Ele fecha a reclamação com o exemplo da abertura das Olimpíadas de 1984, em Los Angeles, em que um homem usou um jetpack para voar pela plateia. A comparação populista é que lá eles voam e aqui a gente não deixa um cara andar.

"Voa, canarinho, voa"
"Voa, canarinho, voa"

É comparar maçãs com navios, mas enfim.

A gente tem a mania de reclamar e apontar culpados antes de saber todos os fatos -- isso é notório -- e com as redes sociais, que nos obrigam a ter alguma posição sobre as polêmicas do momento, isso é ainda mais evidente. Quando veio a informação (ainda não confirmada) que o problema alegado pela organização da abertura era que o exoesqueleto poderia estragar o gramado, transferimos a culpa para a FIFA. O próprio Nicolelis reclamou publicamente do pouco espaço dado à demonstração, mas que “o que foi prometido” havia sido entregue.

Depois do jogo, quando a discussão sobre o pênalti em Fred já não dominava mais a pauta, começaram finalmente a questionar o exoesqueleto e a pesquisa em si. Por que deu errado? Será que foi um embuste? Será que não foi meio exagero achar que em 17 meses conseguiríamos tal feito?

Antes que pudéssemos analisar melhor os fatos, entrou no jogo o personagem tradicional das redes sociais, aquele que associa aos “PeTtralha$” todas as mazelas do País.

Se o milagre do exoesqueleto não aconteceu, haveria dedo do partido aí. E, como Miguel Nicolelis é cabo eleitoral do PT (logo depois de anunciar o feito, retuitou o ex-ministro da Saúde e candidato ao governo de SP Alexandre Padilha), amigo de Lula e tudo o mais, ficou fácil de atacá-lo.

A partir daí, a discussão degringolou, e o próprio Nicolelis foi ao Twitter para bater boca com antipetistas e xingar os jornais e revistas que lançaram dúvidas sobre seu trabalho de maneira no mínimo deselegante. Por sorte (para ele), como a Copa tem sido sensacional, deixamos o assunto um pouco de lado.

Obviamente a culpa de tudo isso não é do PT, da Globo, da FIFA, ou do Brasil, mas do próprio Nicolelis. E ainda vale discutir isso.

Um gênio

Em abril de 2007, assisti a uma palestra de Miguel Nicolelis em um evento da FAPESP (cobria bastante ciência na época). Ele mostrou -- em primeira-mão a não mais que 100 pessoas -- o vídeo de um estudo que estava para ser publicado, que, se não me falha a memória, mostrava um macaco controlando pernas mecânicas a milhares de quilômetros de distância, no Japão, com a “força do pensamento”.

Foi assim que funcionou a "força do pensamento". Imagem do G1
Foi assim que funcionou a "força do pensamento" (Imagem: G1)

Estava ali como jornalista, mas a demonstração me encantou de modo a abalar minha pretensa objetividade. Virei fã.

A técnica era realmente pioneira e impressionante. A equipe de Nicolelis na Universidade de Duke inseriu, por meio de cirurgia, centenas de eletrodos diretamente na massa encefálica de macacos, e, com muitas horas de testes e computadores, conseguiu elaborar uma forma de interpretar o que os impulsos diziam. Não sabemos exatamente de que parte do cérebro vêm os comandos para os músculos, mas os milhares de pontos de “escuta” implantados davam pistas da “assinatura digital” de alguns movimentos.

Nicolelis tinha em mente uma aplicação bastante prática para suas pesquisas: com a interface cérebro-máquina devidamente azeitada, pessoas paraplégicas ou tetraplégicas poderiam mandar sinais de movimento para seus membros mesmo que o “canal“ habitual — a medula espinhal — estivesse interrompido. Bastava desenvolver uma maneira de captar e interpretar os sinais de movimento enviados pelo cérebro e ativar algo que movesse, como os membros originais. Talvez os próprios, com impulsos elétricos ou próteses.

Um exoesqueleto, uma armadura envolvendo os membros, parecia uma solução interessante para o problema. Para ir um pouco além na ideia, a equipe de Nicolelis inventou uma forma de que o paciente pudesse sentir o feedback, a pisada no chão, através de sensores no exoesqueleto. Era uma via de mão-dupla, genial.

Continuei acompanhando com empolgação as pesquisas de Nicolelis. Em junho de 2011, ele lançou o seu livro “Muito Além do Nosso Eu” no MASP, aqui em São Paulo. Comprei e fui vê-lo mais uma vez.

O auditório estava lotado. Ótimo orador e sempre bem-humorado com suas analogias futebolísticas (é dos sujeitos mais palmeirenses que existem), ele descreveu a sua pesquisa e contou, no fim, o plano de fazer um paraplégico dar o chute inicial da Copa. Emocionado, com voz embargada, ele disse o quanto seria importante que os brasileiros se orgulhassem de um feito científico, evocando a memória de Santos Dumont.

No fim da fala, Nicolelis, eu e todas as pessoas do meu lado choramos. Aplaudimos de pé. Torcíamos para dar tudo certo.

Os feitos de Nicolelis são reconhecidos internacionalmente, e ele publicou diversas vezes nos principais periódicos de prestígio. Suas pesquisas não se restringem à interface cérebro máquina (BMI). Os estudos sobre tratamentos alternativos aos efeitos do Parkinson são também bastante importantes e podem, no futuro, melhorar a vida de milhões de pessoas.

exoesqueleto-nicolelis

Isso para não falar do Instituto Internacional de Neurociência de Natal, que ele fundou com três colegas, em 2003, e trouxe muitas pesquisas, especialistas estrangeiros e doações importantes.

Por todas as suas contribuições espalhadas em 30 anos de estudos do cérebro, enfim, Nicolelis merece a nossa deferência e o voto de confiança.

Mas, no fundo, todo esse parêntese serve apenas para explicar porque estou mais desapontado com o pontapé inicial da Copa do que a maioria das pessoas.

Eu não achei outros bodes expiatórios.

Jeitinho sem ginga

Nicolelis sabia que teria muito pouco tempo quando conseguiu o sinal verde para que seu projeto conseguisse uma demonstração decente a tempo da abertura da Copa.

A começar pelo método usado para fazer o link entre o cérebro e o exoesqueleto. Resumidamente, a pesquisa de Nicolelis era tão diferente das demais porque usava os implantes dentro do crânio, que podiam captar bastante detalhe e interpretar de maneira mais precisa o que, no meio de tantos impulsos elétricos, era comando de movimento.

Em entrevista à Wired no ano passado, ele disse que se desenvolvesse uma forma de “escutar” individualmente 20 ou 30 mil neurônios (com os macacos, chegou a 2 mil), conseguiria reproduzir uma fluidez de movimento nunca antes vista. “Eu poderia fazer [os pacientes] chutarem uma bola de futebol ao estilo brasileiro”.

“Não britânico, brasileiro”, sublinhou, para ficar claro que a sua técnica não resultaria em movimentos robóticos.

Mas além do prazo exíguo, implantar eletrodos no cérebro de um voluntário seria arriscado. De acordo com a reportagem da Superinteressante que está nas bancas e disseca o assunto, os macacos-cobaias de Nicolelis morreram algum tempo depois, em parte, por causa dos implantes.

Com o tempo curto para fazer a demonstração, o cientista mudou a forma de captar os sinais cerebrais. Em vez do invasivo (mas revolucionário) implante de sensores, mudou para uma toquinha de registro eletroencefalográfico (EEG).

EEG
EEG

Durante muito tempo, Nicolelis detonou a tecnologia, dizendo que ela era primitiva e não pegava os detalhes finos, o que parece fazer sentido. Uma coisa é “ouvir” um monte de impulsos elétricos do lado de fora do crânio outra é de dentro, do lado da ação.

Uma boa reportagem na Folha explica as diferenças dos métodos, mas vale essa citação de um artigo que o próprio Nicolelis assinou (link fechado para assinantes) com John Chapin, em 2008:


“Os sinais de EEG, no entanto, não podem ser usados diretamente em próteses de membros, pois mostram a atividade elétrica média de populações amplas de neurônios. É difícil extrair desses sinais as pequeníssimas variações necessárias para codificar movimentos precisos dos braços ou das mãos."


Ou seja: no fim das contas, Nicolelis demonstrou algo profundamente diferente do que prometeu, ficando com um método inferior, só porque “era o que dava”. Em sua defesa, ele diz que o chute da Copa foi só o “início” do projeto, que continuará por alguns anos, com colaborações internacionais, aqui em São Paulo.

Mas então por que a correria e as promessas?

Ciência-espetáculo

A toda hora, Nicolelis lembra o exemplo de Santos Dumont. Ele acha, com razão, que não temos grandes cientistas e grandes feitos científicos para nos inspirar e ele queria provocar algo no público como foi o primeiro vôo do 14 Bis. O exoesqueleto se chamava Santos Dumont. Um lenço que o aviador pioneiro usava foi cedido pela família para a demonstração.

E ele podia lembrar mais o brasileiro-parisiense, de outras formas. Na época que Santos Dumont realizou o primeiro vôo controlado, no início do século passado, havia prêmios para quem conseguisse a façanha de voar um objeto mais pesado que o ar de maneira controlada por alguns metros. Cada um aprendia alguma coisa com a demonstração pública do outro e o processo demorou alguns anos.

O sucesso era inevitável. Tanto que, dias depois, outros repetiram o feito de Santos Dumont.

Pouco depois de ganhar o prêmio com o 14 Bis, o brasileiro criou o Demoiselle, o primeiro avião que podia ser produzido em série. Ele publicou todos os desenhos e especificações do novo modelo e liberou para quem quisesse usar, porque acreditava no potencial da aviação como tecnologia (apesar de ser contra o seu uso em guerras).

o 14 Bis
o 14 Bis

Santos Dumont foi grande e inspirador não pelo “espetáculo” que deu no campo de Bagatelle, na França, em 23 de outubro de 1906. Mas porque usou os avanços dos outros, deu uma enorme contribuição e devolveu para todos prosseguirem o desenvolvimento de uma tecnologia que beneficiaria todo mundo. Ao contrário dos irmãos Wright, dos EUA, ele não parecia querer o título de “pai” da aviação. E isso é ótimo.

Ao fazer questão dos holofotes, Nicolelis poderia ter a melhor das intenções, mas parece ter ignorado não só os ensinamentos de Santos Dumont, mas a maneira que a própria ciência avança.

O desenvolvimento científico é incremental e lento. A maioria das grandes descobertas ou demonstrações de conceitos só são públicas depois do fato, da publicação de um artigo revisado por pares ou com provas inequívocas em vídeo. E muito raramente envolvem o trabalho de um grupo isolado.

E não são chamados observadores externos normalmente para “testemunhar” um experimento porque algo pode dar errado. Sempre dá, faz parte. Para a demonstração da Copa, parece que Nicolelis fez o máximo para “não dar errado”. Ele entregou o mínimo possível que poderia ser feito dentro da proposta. E é difícil dizer que ele contribuiu com a mobilidade humana quando o paciente que testou o exoesqueleto chegou assim ao gramado:

20140615exo-guindaste

Haverá gente dizendo que todo esse estardalhaço foi má-fé, especialmente porque Nicolelis coleciona muitos desafetos na comunidade científica brasileira, que não gostam do seu jeito “autoritário” de comandar laboratórios. Mas pode ter sido um erro de cálculo honesto também.

“Acho que ele promete mais do que pode entregar como uma forma de motivar ele mesmo e a sua equipe”, disse à Wired Krishna Shenoy, que estuda as interfaces cérebro-máquina em Stanford

Mas nos dias que se seguiram à demonstração da Copa, Nicolelis tem sido intolerante. Ele fala como se já tivesse provado tudo a todo mundo e só aceita interagir ou com quem o bajula ou com quem “entende” do seu assunto. Chama a Folha de S. Paulo de “Falha”, o Estadão de “Estadinho”, a Superinteressante de “Super desinteressante” só porque as publicações levantaram dúvidas sobre o seu projeto.

E dúvidas, em ciência, é algo ótimo!

Todos têm dúvidas sobre o negócio e esperar que a gente engula tudo é subestimar a nossa capacidade crítica. Nicolelis não é o único que está fazendo algo para devolver a locomoção “normal” a pessoas com deficiência. Jose Contreras-Vidal, um engenheiro biomédico da Universidade de Houston disse o seguinte à NBC depois da abertura da Copa:


"A demonstração não avançou a tecnologia. Certamente o nosso NeuroRex foi o primeiro e continua sendo o único exoesqueleto controlado pelo cérebro que permite a pacientes com lesões na medula espinhal a andar sobre o chão de maneira não-assistida, e conseguimos fazer isso com cerca de 10% de financiamento que o Dr. Nicolelis recebeu para desenvolver seu Exo.”


No Twitter, alguém apontou um vídeo do NeuroRex para Nicolelis e ele diz que a tecnologia é “diferente”, que o “nosso” exoesqueleto é o primeiro a dar feedback tátil e que vários dos seus modelos são controlados por joysticks. Ele se irrita facilmente com muitas das críticas nas redes sociais.

Há exoesqueletos mais baratos que não se ligam com o cérebro, mas recebem comando de outras formas; há as próteses inteligentes do MIT que se conectam a outras terminações nervosas. Vê-la em ação (fique até o fim do vídeo) me faz crer que esse caminho, sem capacetes ou estruturas gigantes, pode ser tão ou mais promissor para não apenas amputados, mas paraplégicos.

Link TED

E voltar a “andar naturalmente” não é exatamente a prioridade para todas as pessoas com problemas de locomoção. O jornalista Jairo Marques, que escreve um blog para a Folha, perguntou a 10 cadeirantes o que eles achavam do exoesqueleto. Metade acha que é desperdício, talvez porque as imagens que apareceram até agora são meio assustadoras.

Fernando Fernandes, atleta paraolímpico, disse: “sinceramente, para mim, benefício não é ficar de pé, mas, sim, qualidade de vida, ter a certeza que não irei correr risco de ter escaras (úlcera de pressão), não ter a necessidade de tomar remédios, de não sofrer dores”.

Nicolelis queria demonstrar um milagre, como se fosse a solução de todos os problemas. Não conseguiu porque, bem, milagres não existem. Não consigo imaginar quem ele possa ter inspirado com essa história, apesar de ele dizer que, em plena Copa, “200 milhões de pessoas estão debatendo neurociência”.

Não é verdade.

As pessoas estão pegando um assunto que elas não entendem (o exoesqueleto) e o usando para jogar o velho Fla x Flu de nacionalistas x viralatistas, PT x oposição, e por aí vai. A pesquisa parece ter sido o de menos. Quem mandou armar o circo?

Espero, do fundo do coração, que Nicolelis pare de gastar tempo respondendo trolls no Twitter, volte ao laboratório e continue a pesquisa. Mas que tenha a humildade de saber que ela é só um pedaço de algo maior, uma forma de atacar um problema, que talvez ninguém esteja aqui para ver o fruto, a demonstração final.

Talvez o futebol entre paraplégicos com exoesqueleto seja uma modalidade das Paraolimpíadas de 2036. Torço para isso. Mas o jogo inaugural é só um detalhe.


publicado em 16 de Junho de 2014, 12:51
3c3aecbf0727a424150d08e5f63a19fd?s=130

Pedro Burgos

Já escreveu para um monte de revistas, como Superinteressante, Galileu, Exame e VIP, e passou 3 anos como editor-chefe do Gizmodo Brasil. Atualmente, prefere compartilhar artigos conversando ao vivo, mas também seleciona boas leituras para estranhos na Newsletter do Oene. Lançou este ano seu primeiro livro, Conecte-se ao que importa — Um manual para a vida digital saudável.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura