O seu estilo de vida já foi projetado

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

Estou de volta ao mundo do trabalho. Acabei em um trampo de engenharia com salário bem legal, e a vida parece que finalmente está voltando ao normal depois de nove meses viajando.

Por eu viver um estilo de vida bastante diferente enquanto estive fora, esta súbita transição à existência de trabalho “das 9-às-5“ tornou claro algo sobre ela que eu nunca tinha percebido.

Desde o momento em que o emprego foi oferecido a mim, eu fiquei notavelmente mais descuidado com o meu dinheiro. Não burro, só pensando um pouco menos na hora de puxar a carteira. Pequeno exemplo: estava comprando cafés caros de novo, apesar deles não serem minimamente tão bons quanto os excepcionais cafés brancos comuns da Nova Zelândia, e de eu não poder apreciá-los no pátio ensolarado de um café. Quando estava viajando, estas compras eram menos descuidadas, e eu as aproveitava melhor.

Não estou falando de compras grandes e extravagantes. Estou falando de gastos casuais, promíscuos, de pequena escala, em coisas que não acrescentam muito na minha vida. E olha que eu só vou receber daqui a duas semanas.

Em retrospecto, eu acho que sempre fiz nas épocas em que estive bem empregado — gastar alegremente nas épocas de “vacas gordas“. Ter passado nove meses vivendo como um mochileiro sem renda, eu não consigo não ficar mais atento a este fenômeno, agora que vejo ele acontecendo.

Eu acho que faço isso porque sinto ter readquirido uma certa estatura agora que sou novamente um profissional amplamente remunerado, o que parece me dar direito a um certo nível de esbanjamento. Há uma curiosa sensação de poder quando você coloca no balcão duas notas de 50 sem um traço de pensamento crítico. É gostoso poder exercer o poder do dinheiro quando você sabe que ele vai “crescer de novo“ bem rápido na sua horta.

O que eu estou fazendo não é nada diferente. Todo mundo parece fazer isso. De fato, eu acredito que apenas retornei à mentalidade consumidora normal depois de passar algum tempo longe dela.

Uma das descobertas mais surpreendentes que fiz durante a minha viagem foi que eu gasto muito menos por mês viajando por países estrangeiros (incluindo países mais caros do que o Canadá, onde moro) do que eu gastava quando tinha moradia e trabalho fixos. Eu tinha muito mais tempo livre, estava visitando alguns dos lugares mais bonitos do mundo, conhecendo gente nova a torto e a direito, estava calmo, em paz e tendo momentos inesquecíveis, e de alguma forma isso me custava muito menos do que o meu humilde estilo de vida e trabalho 9-às-5 em uma das cidades menos caras do Canadá.

Parece que o meu dinheiro rendia muito mais quando eu estava viajando. Por quê?

Uma cultura de desnecessários

Aqui no ocidente, uma cultura de gastos desnecessários foi propositalmente cultivada e mantida em público pelos grandes negócios. Empresas de todos os tipos de setores apostam alto na tendência do público de ser descuidado com o seu dinheiro. Elas tentam encorajar o hábito público de cometer gastos casuais ou desnecessários da forma que puderem.

No documentário The Corporation, uma psicóloga de marketing discutiu um dos métodos que ela usava para aumentar as vendas. A equipe dela conduziu um estudo sobre o efeito que os pedidos insistentes das crianças tinham sobre a probabilidade dos pais comprarem um brinquedo para elas. Descobriram que 20% a 40% das compras de brinquedos não teriam ocorrido se as crianças não tivessem enchido o saco dos pais. Uma a cada quatro visitas a parques de diversão não teria acontecido. Eles usaram estes estudos para direcionar o marketing dos seus produtos diretamente às crianças, incentivando-as a insistir aos seus pais que comprem.

Esta campanha de marketing sozinha representa milhões de dólares gastos graças a uma demanda que foi completamente fabricada.

“Você pode manipular os seus clientes a querer, e portanto comprar, os seus produtos. É um jogo.“ —Lucy Hughes

Este é somente um pequeno exemplo de algo que vem acontecendo há muito, muito tempo. As grandes empresas não ganharam seus milhões promovendo honestamente as qualidades dos seus produtos, elas ganharam ao criar uma cultura de centenas de milhões de pessoas que compram bem mais do que precisam e tentam afastar insatisfação com dinheiro.

Nós compramos coisas para nos alegrar, para não ter a sensação de ficar para trás em relação aos nossos semelhantes, para concretizar a visão infantil do que a nossa vida adulta seria, para comunicar o nosso status ao mundo, e por diversas outras razões psicológicas que têm muito pouco a ver com o fato do produto ser útil ou não. Quanta tralha você tem em casa e que não usa há mais de um ano?

O real motivo da jornada de trabalho de oito horas

A ferramenta definitiva das empresas para sustentar esse tipo de cultura é desenvolver as 40 horas de trabalho por semana como o estilo de vida normal. Com essas condições de trabalho, as pessoas precisam “viver“ à noite e nos fins de semana. Esta configuração nos deixa naturalmente mais propensos a gastar muito com entretenimento e conveniências, já que o nosso tempo livre é tão escasso.

Faz poucos dias que eu voltei ao trabalho, e já percebi que as atividades mais integrais estão rapidamente sumindo da minha vida: caminhar, me exercitar, ler, meditar e escrever.

A similaridade evidente entre estas atividades é que elas custam muito pouco ou nenhum dinheiro, mas exigem tempo.

Pausa contemplativa durante o dia? Não

Subitamente, eu tenho bem mais dinheiro e bem menos tempo, o que significa que eu tenho muito mais em comum com o trabalhador norte-americano típico do que tinha há poucos meses. Enquanto estava fora, eu não pensaria duas vezes antes de decidir passar o dia explorando um parque nacional ou parar por algumas horas para ler um livro na praia. Agora esse tipo de coisa está fora de questão. Fazer qualquer uma dessas coisas me tomaria um dia inteirinho do meu precioso fim de semana!

A última coisa que eu quero fazer quando chego em casa é me exercitar. Também é a última coisa que eu quero fazer depois do jantar ou antes de dormir ou assim que eu acordo, e esses seriam os únicos momentos possíveis para fazer isso num dia de semana.

Esse parece ser um problema simples com uma solução simples: trabalhar menos para ter mais tempo livre. Eu já provei para mim mesmo que posso ter um estilo de vida que me preenche com menos dinheiro do que eu ganho hoje. Infelizmente, isso é praticamente impossível na minha indústria, e em muitas outras. Ou você trabalha as suas oito horas por dia, ou não trabalha. Meus clientes e colaboradores estão todos firmemente fixados na cultura do horário de trabalho padrão, então não é praticável pedir para que ninguém me peça nada depois do almoço, mesmo que eu conseguisse milagrosamente convencer o meu próprio empregador a me dar esse horário.

O dia de trabalho de oito horas foi desenvolvido durante a revolução industrial na Europa do século 19, como uma trégua para os trabalhadores de fábricas que estavam sendo explorados com jornadas de trabalho de 14 ou até 16 horas por dia.

Com o avanço de tecnologias e métodos, os trabalhadores de todas as indústrias se tornaram capazes de produzir muito mais valor em menos tempo. Seria de se imaginar que isso nos levaria a uma diminuição das horas trabalhadas.

Mas o dia de trabalho com oito horas é muito lucrativo para grandes empresas, não graças à quantidade de trabalho realizada nessas oito horas (o trabalhador médio de escritório trabalha de fato por menos de três dessas oito horas), mas porque faz com as pessoas se tornem mais propensas a comprar. Fazer com que as pessoas tenham pouco tempo livre significa que elas vão pagar bem mais por conveniência, gratificação e qualquer outro alívio que possam comprar. Faz com que elas continuem assistindo televisão, e os seus comerciais. As mantém pouco ambiciosas fora do trabalho.

Fomos conduzidos a uma cultura projetada para nos deixar cansados, famintos por indulgência, dispostos a pagar muito por conveniência e entretenimento e, mais importante, vagamente insatisfeitos com as nossas vidas, a ponto de continuar querendo coisas que não temos. Nós compramos tanto porque sempre parece que tem alguma coisa faltando na nossa vida.

As economias ocidentais, particularmente a dos Estados Unidos, foram meticulosamente construídas com os preceitos da gratificação, vício e gasto desnecessário. Nós gastamos para nos alegrar, para nos recompensar, para comemorar, para resolver problemas, para aumentar nosso status e para afastar o tédio.

Você consegue imaginar o que aconteceria se todos os americanos parassem de comprar tantas paradas desnecessárias que não trazem muito valor duradouro para as suas vidas?

A economia entraria em colapso e nunca se recuperaria

Todos os problemas de conhecimento público da América, incluindo obesidade, depressão, poluição e corrupção, são o preço a se pagar pela criação e sustentação de uma economia de trilhões de dólares. Para a economia estar “saudável“, as pessoas não podem estar. Pessoas saudáveis e felizes não sentem que precisam de muita coisa que já não tenham, e isso significa que elas não compram um monte de porcarias, não precisam de tanto entretenimento e acabam não assistindo a tantos comerciais.

A cultura da jornada de trabalho de oito horas é a ferramenta mais poderosa para manter as pessoas neste mesmo estado de insatisfação na qual a resposta para qualquer problema é comprar alguma coisa.

Talvez você já tenha ouvido falar da Lei de Parkinson. Ela é geralmente usada em referência ao uso do tempo: quanto mais tempo você tem para fazer algo, mais tempo você vai levar para fazer aquilo. É incrível quanta coisa você consegue fazer em 20 minutos se 20 minutos é todo o tempo que você tem. Se você tem toda a tarde, provavelmente vai demorar bem mais para fazer a mesma coisa.

A maioria de nós trata o dinheiro da mesma forma. Quanto mais a gente ganha, mais a gente gasta. Não é que subitamente a gente precise comprar mais só porque estamos ganhando mais, é só que a gente pode, então a gente faz. De fato, é muito difícil para nós não aumentar o nosso padrão de vida (ou ao menos o ritmo de gastos) a cada vez que recebemos um aumento.

Eu não acho que seja necessário afastar-se de todo esse sistema feio e ir viver na floresta fingindo ser um surdo-mudo, como Holden Caulfield fantasiava. Mas com certeza seria bom que a gente percebesse o que o grande comércio realmente deseja que nós sejamos. Eles vêm trabalho por décadas para criar milhões de consumidores ideais, e eles conseguiram. A não ser que você seja uma verdadeira anomalia, o seu estilo de vida foi previamente projetado.

O consumidor perfeito está insatisfeito (mas esperançoso), desinteressado em desenvolvimento pessoal sério, altamente habituado à televisão, trabalhando em período integral, ganhando minimamente bem, abusando em seu tempo livre e, de alguma forma, apenas se virando com o que tem.

Acabei de te descrever?

Duas semanas atrás eu teria dito não, esse cara de jeito nenhum sou eu, mas se todas as minhas semanas passarem a ser como a última… eu posso estar me enganando.

Nota do editor: Este texto foi originalmente publicado no Raptitude.com e traduzido por nós com autorização do autor.


publicado em 07 de Abril de 2013, 10:52
B2552c0f9a5c3203da3cffa74697084d?s=130

David Cain

David Cain escreve no Raptitude, um blog que oferece um olhar sobre a experiência humana.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura