Os fabricantes de cigarro x Governo dos Estados Unidos

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

Até que ponto vale trocar a ambição pela ganância (ou a ganância por mais ganância)?

Um recente processo aberto na justiça norte-americana intensificou as discussões sobre o livre consumo do tabaco. Quatro fabricantes de cigarro decidiram confrontar em juízo a recente lei que os obriga a imprimir em seus maços imagens explícitas sobre as consequências do tabagismo.

As empresas reclamam sua liberdade de expressão, visto que as imagens são maiores que os próprios logotipos das marcas e também, segundo elas, são manipuladas para causarem maior impacto e sugestionarem seus consumidores a não buscarem seus produtos.

Os minimamente esclarecidos sabem que os Estados Unidos não vivem, sob vários aspectos, um cenário favorável. O número de pobres atingiu sua maior marca das últimas 5 décadas e sua tradicional moeda forte vem oscilando como uma montanha-russa.

“Pelo menos nós temos um sistema de saúde” - Torcedora canadense, após uma derrota para os EUA no hockey

Ademais, atualmente mais de 50 milhões de gringos não possuem plano de saúde. Tal fatia seria teoricamente aceitável - visto que os outros 5/6 da população gozam de um serviço de saúde privado – se as companhias de saúde não fossem tão burocráticas e gananciosas. Para ser aceito como segurado, há uma figura chamada de “condição pré-existente de pessoa prudente”, em que é realizada rigorosa investigação dos últimos 5 anos de históricos clínicos do candidato para aferir se há algo que o desaprove ou aumente seus encargos de forma que não suporte pagar pelo benefício.

Não é novidade que os EUA, quando se trata de saúde pública eficaz e gratuita, anseiam por um novo dia. A expectativa de vida por lá é menor que a de Cuba, aquela ilhazinha socialista comandada por um tirano, entretanto dona de um sistema de saúde gratuito e sem redundâncias.

Neste cenário, a postura adotada pelos fabricantes de cigarro se mostra ultrajante, descabida, capitalista e sobretudo desumana, visto que, com a prática dessas novas leis, estima-se uma economia anual por volta de 100 bilhões de dólares anuais com atendimento médico e, consequentemente, direcionamento desse montante a outros setores da saúde.

Ora, em qual período da humanidade os valores de sociedade foram deixados de lado, e o interesse individual sobrepôs o coletivo? Eu que não advogaria pra tais empresas de tabaco (mentira). Apesar dos comentários que sei que virão, não entrarei nesse mérito.

Obviamente que o julgamento é facilitado analisando a situação em terceira pessoa, contudo não podemos deixar a hombridade de lado em benefício puramente do empresariado sob a alegação de que os fins justificam os meios.

Link YouTube | Trailer do filme "Obrigado por fumar"


publicado em 21 de Setembro de 2011, 07:10
1afabd14978bcd5163b01fd698d331d0?s=130

Alexandre Nunes

Advogado e jogador de poker. Apenas um rapaz latino-americano sem dinheiro no banco, sem parentes importantes, vindo do interior. Responde por @LeLawyer no Twitter.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura