"Quero ser maçom para ficar rico"

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

Ouvi essa frase de um colega de cursinho. Engraçado como muita gente realmente acredita nisso. Também acreditam que maçons adoram o diabo, representado pela figura de um bode gigante com três metros de altura. Juro que nunca vi nenhuma bode vermelho na maçonaria.

Naquela época de cursinho, eu não tinha aquela vontade incontrolável de ser maçom do meu colega. Tinha alguns tios que eram, achava legal, gostaria de ser aceito na ordem, mas não a ponto de ser uma prioridade. A vida dá voltas e eis que, no final de 2008, depois de me mudar pra outro estado, fui iniciado. (Este é o termo utilizado quando alguém entra para a maçonaria.)

Este texto poderia ser muito mais longo, mas não tenho intenção de escrever um tratado sobre a maçonaria. Quem quiser se aprofundar no tema pode visitar o site do Grande Oriente do Brasil e obter informações mais detalhadas. O objetivo do meu texto é dar algumas informações aos que têm interesse em ser iniciados em nossa ordem.

O bode e eu devemos ter nos desencontrado, pois nunca o vi em nenhuma reunião!
O bode e eu devemos ter nos desencontrado, pois nunca o vi em nenhuma reunião!

Maçonaria: não secreta mas discreta

Primeiro, e mais importante: se quer se tornar maçom para ficar rico, desista. Em menos de um ano, ficará frustrado por não ter conseguido e, literalmente, pedirá pra sair. Poupe você mesmo e várias outras pessoas do trabalho que terão em seu processo de admissão. Muito trabalho, diga-se de passagem.

Ao contrário do que se fala, a maçonaria não é secreta, mas discreta. No Brasil, suas lojas têm CNPJ, conta em banco, diretoria registrada em cartório. Só não ficamos contando pra todo mundo que somos maçons porque os verdadeiros irmãos não tentam obter qualquer vantagem pessoal espalhando que fazem parte da maçonaria.

Quando há tiranos no poder, a tendência é que a maçonaria seja temida e perseguida. Somente nesse caso a ordem passa a ser secreta. Aconteceu há séculos e há relatos de que hoje, em pleno século XXI, um ditador proibiu o funcionamento de lojas maçônicas em seu país e vem executando maçons que têm se reunido em segredo. Esse temor existe porque a maçonaria combate a ignorância, a superstição, o fanatismo, o orgulho, a intemperança, o vício, a discórdia, a dominação e os privilégios.

Os maçons e o Grande Arquiteto do Universo

Para desespero dos religiosos fanáticos, maçonaria não é religião. O que deixa esse pessoal indignado é que, em uma loja maçônica, é possível ver um judeu ortodoxo e um muçulmano se reconhecendo como irmãos. O mesmo vale para todas as religiões. É nessa hora que surgem as baboseiras: "não se pode servir a dois senhores", "eu sirvo a Deus em minha igreja, a maçonaria serve ao demônio", "onde tem espírita não tem Deus" – substitua o "espírita" por qualquer outra religião, o resultado é o mesmo.

No entanto, a maçonaria é religiosa. Para ser iniciado, é requisito básico acreditar em um princípio criador. Pode professar qualquer religião, ser agnóstico ou deísta. Só não pode ser ateu. O princípio criador recebe o nome de Grande Arquiteto do Universo.

Outro mito é a obrigatoriedade de abandonar sua religião para ser aceito na ordem. Eu conheço um rabino, médiuns espíritas, umbandistas e católicos fervorosos que são maçons. Há relatos de padres e pastores que foram iniciados e continuaram suas atividades. Infelizmente há, por outro lado, irmãos que são convidados a não freqüentar a igreja quando o sacerdote descobre que são maçons. Também há casos de irmãos que deixam a ordem quando o sacerdote diz que não serão mais bem-vindos na igreja enquanto forem maçons.

Cavalgando o bode: muitos tentam, poucos são escolhidos.
Cavalgando o bode: muitos tentam, poucos são escolhidos.

O que se ganha na maçonaria?

Basicamente, autoconhecimento e auto-aperfeiçoamento.

Associei muitos textos do Gustavo Gitti (que não tem ligação alguma com a maçonaria) ao que aprendo na loja; me fazem filosofar. Se você ler textos como os do Gustavo e não tirar nada de útil, sinto muito, companheiro, você não absorverá nada da maçonaria. O Gustavo mete o dedo com sal na ferida; a maçonaria traz seus ensinamentos por meio de símbolos e alegorias. Quem não entende o recado quando é dado diretamente não vai entender o que está nas entrelinhas, sacou?

Claro que é possível melhorar sem ser iniciado e sem precisar se indispor com o padre ou pastor de sua igreja. Mas, para alguns turrões como eu, conseguir isso sozinho é impossível.

O sistema de ensino é bastante eficiente e a maçonaria me ajudou a ser um homem melhor.

E você, sim, se quiser entrar de verdade na ordem, terá que estudar muito.

Cuidado com o "conto do maçom"

Um alerta importante: não caia nas armadilhas da internet.

Vários sites oferecem ingresso na ordem. Pedem pra você preencher um cadastro e dizem que um Mestre Maçom entrará em contato com você. Depois, contam uma historinha e pedem pra você depositar uma quantia, normalmente alta, pra cobrir as "despesas de Iniciação".

Isso é balela, acredite.

Maçons baianos, em seu ambiente natural, em dia de off-carnaval.
Maçons baianos, em seu ambiente natural, em dia de off-carnaval.

Como se tornar maçom

É muito simples: seja você mesmo, arrume sua cama, jogue seu lixo no lixo, dê um bom dia sincero à tia da limpeza, esqueça os cumprimentos automáticos que você nem percebe mais. Seja honesto e faça bem seu trabalho. Como um irmão me disse antes de minha iniciação,

"cuide bem do seu presente para que seu passado seja ilibado".

A chance de você conviver com um maçom e não saber é bem grande. Se um irmão perceber em você as características ideais para ser um bom maçom, você será convidado, não se preocupe.

E, se não for, criando esses pequenos hábitos você já começa a se tornar uma pessoa melhor.


publicado em 19 de Setembro de 2011, 05:57
26298ab9a6e5a85a3152e3d7f2d09b40?s=130

Autor Anônimo

Identificação coletiva e anônima, usada por autores ou leitores PapodeHomem que querem escrever artigos ou contar suas histórias sem abrir mão do sigilo.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura