Quero dar pra dois. Sem meu marido.

Pergunta: "Dr.Love, cê entende do riscado!

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

Pergunta: "Dr.Love, cê entende do riscado!

Sou casada há 17 anos, tenho o maior tesão ainda no meu marido que é um
gato e gostoso de cama MAS não me satisfaz o suficiente. Sempre fui
louca por sexo e com ele era o tempo todo. Mas só até termos o primeiro filho
(claro). Depois ficou na normalidade boçal... só que a química ainda é
boa.

Tenho vontade de transar com dois homens ao mesmo tempo mas não sei como
fazer pra isso acontecer. Claro que sem ele.

Abraço"

- Sol

"Claro que sem ele."

Puta merda, mais um caso de Buceta em Chamas, e logo na variação mais perigosa, a terceira.

Sol, quando feita por um casal de relacionamento fixo, a transa a três é essencialmente uma transgressão, uma fuga das normas onde um dos dois vai assumir uma posição de controle e o outro vai se submeter.

Se dois homens estiverem participando, quem está "por cima" é a mulher, que vai se satisfazer em "dobro". Se duas mulheres estiverem participando, o agraciado é o homem, que vai ser o rei da montanha.

menage
Ah, você é daqueles que considera sua mulher a verdadeira encarnação da Virgem Maria? Não queira saber...

Em qualquer uma das opções, todo mundo vai ter prazer, apenas os níveis de dominância durante vão se alternar. E o tesão mora justamente aí, em abdicar e/ou assumir todo o poder para si. Animalesco.

Você deseja dar pra dois e sem o seu marido. Mas ao mesmo tempo afirma não querer se separar dele. Mais do que satisfazer seu tesão, você quer afirmar o seu poder na relação, realizar o fetiche de mulher submissa e manter o casamento.

Como uma criança de três anos, quer tudo e todos, do seu jeito. Meu, meu e meu.

Toda vez que olhar para seu marido ou transar com ele novamente, você vai se lembrar de que o chifrou da maneira mais humilhante possível e ele ainda continua te comendo, te dando casa, comida e roupa lavada. E isso vai te excitar. Talvez passe a ter inclusive uma vida sexual mais ativa com ele e explore outros cenários de dominação/submissão.

O Lado Prático

- Se o maridão topar, leve ele para um casa de Swing onde a putaria rola solta. Uma vez lá, vocês podem expandir suas fronteiras. Troca de casais, voyeur, gang bangs. O cardápio é extenso. Como tudo é feito em frente ao outro, não há traição.

- Se o que quer mesmo é meter o(s) chifre(s) e dar uma de puta, tenho uma palavra pra você: Internet. Visite os grupos do Google, do Yahoo, do Orkut, as salas de bate-papo, troque Msn. O que não falta são recursos. Só fique esperta para o futuro cornélio não achar seus rastros no computador.
Para facilitar a logística, se matricule em um curso de qualquer merda que não seja do interesse dele. Culinária, bordado, fotografia. Isso vai facilitar sua vida quando quiser sair no meio da tarde. A desculpa do "a turma do curso vai se reunir para um happy-hour", ou "a turma do curso vai passar o fim de semana em Angra", ou até mesmo a clássica "a turma do curso foi passear no sex shop e comprei um vibrador novo" sempre funciona.

Aproveite.

Dr. Love, espalhando amor pelo mundo


publicado em 05 de Novembro de 2007, 12:07
92e8d9697a8dd2faf3d0bc4f9d3a08fc?s=130

Dr. Love

Consultor amoroso e cachorrão nas horas vagas.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura