Ritual de Acasalamento

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo jockey

Machos têm alguns rituais estranhos, principalmente os machos jovens.

Alguém já viu nos canais pagos quando os animais irracionais ficam brigando pra ver quem vai pegar a fêmea? Pois então, nós os racionais (?) não deveríamos fazer dessa forma, muito pelo contrário, deveríamos conquistar as fêmeas na base da conversa ou qualquer coisa parecida.

Pois então, essa foi a introdução para mais um..... “Causo do Solteirão”.

Vitória não era uma cidade de badalação (acho que ainda não é), então quando rolava alguma festa de 15 anos ou formatura, todos davam um jeito de entrar de penetra. Eu evidentemente não era diferente, afinal se a galera da Rua vai, eu também vou!

As festas eram legais, comer e beber bem e de graça e bom de qualquer jeito né?

Nós tínhamos passinhos de dança pra fazermos tipo coreografias, hoje eu poderia chamar isso até de Dança do Acasalamento, afinal dançávamos assim pra impressionar as meninas e pra mostrar para os outros o quanto éramos bons dançando.

Mas o ponto alto da festa era quando fingíamos brigar! Isso mesmo que vocês leram... FINGIR BRIGAS. Pra que? Pra impressionar as meninas. E acreditem, isso dava certo.

briga-na-festa
Antes de bater vê se ela tá olhando pelo menos!

O esquema era armado lá na festa mesmo, combinávamos quem ia brigar e como ia rolar o “fight”. Depois disso combinávamos como íamos parar o quebra-pau e ficar na boa com as meninas. Podia acontecer de alguém de fora entender errado o que tava rolando e entrar no porradeiro, aí fudeu! Esquece, porque a briga ficava séria e o pega pra capar rolava pra valer! Eu me dei mal numa dessas.

Já estava tudo combinado, um amigo meu ia fingir incomodar a menina que eu estaria conversando e o circo iria armar, eu saía como herói e ainda catava a gatinha.

Lá estava eu na maior conversa mole com a gatinha, de repente chega meu amigo e começa a cheirar o cabelo dela e falar pra ela me largar porque eu era um merda. Aí eu empurro ele e mando-o deixa-la em paz, ele me empurra de volta e eu tomo uma voadora nas costas! Hã? Como assim? Voadora nas costas? Isso não estava no script!

Já no chão e meio atordoado olho pra trás e vejo um maluco me chamando pra briga! Fiquei sem entender porra nenhuma. Quem era aquele sujeito?

Well... antes de eu me lavantar o cara já tinha tomado uma rasteira e tinha 3 puxando e segurando ele.

O que fazer com um sujeito desses? Encher ele de soco parecia ser uma excelente opção na hora, mas decidi argumentar os motivos que o animal teve pra me dar um bicão.

O cara era um ex-namorado da gatinha e tinha tomado um fora dela nesta mesma festa, e sabe Deus porque ele enfezou que a causa mortis do namoro dele era eu.

comedor

Olha aqui seu troxa, tô comendo sua ex e ela tá gostando

Não vou entrar nos detalhes do que aconteceu com o sujeito, mas a voadora na covardia não ficou barata e garanto pra vocês que eu não sou de brigar na covardia.

No final das contas eu fiquei no zero a zero, minha noite terminou mais cedo e fui dormir com uma puta dor nas costas, e nunca mais eu me meti nessas de fingir briga pra conseguir mulé. Um bom papo com certeza passou a ser o único caminho a ser seguido.

Bração.


publicado em 27 de Março de 2008, 11:51
0259d84f2075b3df5865736be6a9cb7f?s=130

Armando Brandao

Armando Brandão escreve não somente na PapodeHomem, mas também no famigerado Blog do Solteirão.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura