10 músicas do Bob Dylan que valem um Nobel

Quando Dylan ganha um Nobel de Literatura, ele modifica a própria definição de literatura

Hoje a programação da internet me surpreendeu. Ao invés dos usuais escândalos políticos, vídeos com animais fofinhos tocando instrumentos musicais, fotos dos amigos e reclamações sobre a segunda-feira na quinta pós-feriado, surgiu a notícia do Bob Dylan ganhando um Nobel. De literatura.

A notícia é estranha.

Dylan só escreveu três livros. Um com uma compilação de crônicas autobiográficas sobre o início da sua carreira, a cidade de Nova Iorque e algumas outras ideias soltas sobre outras fases da sua vida, o Crônicas Vol. 1 (que nunca teve um Vol. 2, vale dizer); um livro ficcional, com uma viagem poética sem muito eixo, chamado Tarântula, de 1971; e o Writings and Drawings, como o nome já diz, uma coletânea de desenhos e escritos. Não parece nada tão valioso assim ao ponto de render um Nobel.

Mas tudo depende de como você olha a obra do velhinho ranzinza. E parece que foi exatamente o que foi feito.

Sara Danius, crítica literária que faz parte da Academia Sueca (a instituição que concede o Nobel de Literatura), afirma que a escolha de Dylan, dado o seu currículo curto como escritor de livros e de literatura na concepção tradicional, é sim uma surpresa, mas que "se você buscar mais a fundo, ... descobre Homero e Safo. Eles escreveram textos que eram para serem lidos, performados, frequentemente junto com instrumentos e acontece o mesmo com Bob Dylan. Nós ainda lemos Homero e Safo e gostamos. Mesma coisa com o Bob Dylan - ele pode ser lido e deveria ser lido. E ele é um grande poeta na grandiosa tradição da língua inglesa."

A decisão gera uma certa controvérsia, já que incorpora letras de música e as torna literatura, uma decisão que certamente não foi aceita facilmente. Segundo Bjorn Wiman, editor das páginas de cultura do Dagens Nyheter (jornal sueco), as discussões chegaram até a atrasar o resultado desse ano,
"Se você me perguntar, absolutamente, não é um problema de 'calendário'. Isso é um sinal claro de discordância no processo de selecionar um vencedor". O anúncio era pra ter sido feito semana passada e a nota oficial alegou "problemas com logística". 

O fato é que Dylan levou o Nobel de Literatura por ter adicionado uma nova expressão poética na língua inglesa. E quando Dylan ganha um Nobel de Literatura, ele modifica a própria definição de literatura. Esse é o jeito dele de fazer as coisas.

Isso faz dele o único a ganhar o Pulitzer, o Grammy, o Oscar, o Globo de Ouro e, agora, o Nobel.

Pelo menos, ele ainda não levou uma Medalha Olímpica.

De qualquer forma, separei aqui 5 músicas do Dylan que valem um Nobel.

Hurricane

Link Spotify

Rubin Carter era um boxeador, conhecido como Hurricane, que teve uma participação bem ativa na luta pelos direitos civis nos EUA e que foi preso, acusado de participar em um triplo homicídio. Sua prisão é tida como uma grande injustiça, com várias inconsistências em depoimentos e evidências, motivada por racismo e como uma maneira de freá-lo em sua luta. Dylan fez uma canção extremamente poderosa, narrando a história de forma linear e com um refrão que ganha novo sentido a cada verso. Posteriormente, foi feito um filme, baseado na autobiografia de Rubin Carter e na canção.

All Along The Watchtower

Link Spotify

Essa música é mais conhecida pela versão do Jimi Hendrix do que pela do próprio Dylan e, como o Hendrix é o Hendrix, as pessoas acabam prestando mais atenção às guitarras e aos efeitos do que ao que está sendo dito. Mas, apesar da temática meio obscura e da escrita bem mais sucinta do que o habitual dylanesco, ela é uma das mais carregadas em termos de sentido. O Nerdwriter fez um vídeo absolutamente incrível que analisa cada pormenor da letra. Assistam. Depois, assistam de novo.

Blowing In The Wind

Link Spotify

A canção que embalou a luta pelos direitos civis nos EUA. Quando Martin Luther King disse "I have a dream"... Bob Dylan estava lá, tocando isso. Nem preciso dizer mais nada.

Things Have Changed

Link Spotify

Esse Bob Dylan velho e sentindo-se deslocado do mundo no qual vive já gerou ótimas canções. Essa é uma delas.

Just Like a Woman

Link Spotify

Eu realmente gosto da forma como ele retrata a mulher dessa música e isso é uma característica geral sobre como ele o faz nas suas obras. Suas mulheres sempre são independentes, fortes, mas não desprovidas de outras camadas de sensibilidade. 

Like A Rolling Stone

Link Spotify

Essa não podia ficar de fora. A música que marca toda uma mudança de atitude por parte do Dylan e também faz uma crítica às classes mais abastadas de uma forma tão dura que chega a ser cruel. Vale prestar bem atenção.

Girl From The North Country

Link Spotify

Das dores de estar distante de alguém que você sente saudade, traduzido em uma das canções mais bonitas do Dylan.

I Shall Be Released

Link Spotify

Essa música saiu nas Basement Tapes, uma espécie de bootleg que circulava de forma clandestina por aí durante a sua fase de isolamento, quando ele tocava com a The Band, escondido em um porão. Quando Dylan fala sobre se libertar das amarras que o seguram, ele sempre diz coisas que poderiam ser ditas por qualquer um de nós.

You're a Big Girl Now

Link Soundcloud

Blood on The Tracks é um dos discos mais doloridos do Dylan. Ele transforma o que antes foi uma história de amor em uma troca de farpas registrada por meio das suas letras. Essa música é um retrato das dores do seu divórcio.

Rainy Day Woman #12 e #35

Link Soundcloud

Ainda que muita gente vá argumentar que essa está longe de ser uma das melhores músicas do Dylan, a sacada com a palavra "stoned" que pode mudar completamente o sentido da música, dependendo de como você está lendo é bem genial.

E vocês, quais músicas do Dylan acham que merecia um Nobel? 


publicado em 13 de Outubro de 2016, 15:44
Avatar01

Luciano Ribeiro

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura