Acabamos de lançar um novo livro-ferramenta, o "Como Conversar Com Homens Sobre Violência Contra As Mulheres?" ! O download é gratuito, vem ver como ficou.

13 anos de PdH: uma breve retrospectiva do ano que passou

1 documentário, 1 mini-documentário, 1 livro, 3 pesquisas nacionais, 2 eventos nacionais, palestras em todo o país, curso online pra 20.000 pessoas e mais de 14 milhões de visitas no portal. Como fizemos tudo isso mesmo?

O PdH é um espaço de formação e transformação para homens, no qual todos e todas são bem-vindos.

Levanta a mão quem teve junto conosco em 2019! | Cena do Homens Possíveis 2019, logo mais tem a edição 2020

Oferecemos desafios, reflexões, diálogos, perguntas e ferramentas para que cada um escolha os caminhos que deseja. Fazemos isso pela produção de guias, conteúdo diário, eventos, filmes, pesquisas, documentários, palestras e treinamentos. 

Aspiramos o cultivo de um mundo no qual homens e mulheres tenham os mesmos direitos e oportunidades. Trabalhamos pela construção de pontes entre as diversas expressões do masculino e do feminino. Não pregamos o surgimento de "novos homens" — acreditamos em homens comuns, como eu e você, que assumam responsabilidade na construção de realidades melhores, mais equitativas e justas.

Abaixo um resumo do quanto arregaçamos as mangas ao longo dos últimos doze meses.

É hora de celebrar nossos 13 anos de estrada

Em 2019 lançamos o documentário "O silêncio dos homens" (nosso segundo), com 96% de aprovação, resultado de uma pesquisa nacional com mais de 40.000 homens e mulheres, assistido por mais de 700.000 pessoas em todo o país.

O filme foi exibido em mais de 500 sessões voluntárias pelo Brasil — e também na Argentina, Portugal, França, Alemanha e Moçambique. Só a estreia teve mais de 100 sessões simultâneas organizadas por voluntários.

Link YouTube | Pode assistir na íntegra direto no YouTube

Colocamos no ar um estudo nacional sobre como dialogar com quem pensa muito diferente de nós sobre gênero. O resultado de nossa pesquisa foi publicado em livro, com 7.000 cópias esgotadas em menos de um ano. Também virou um minidocumentário e uma palestra que ofereci no TEDx com os números chave do estudo.

Link YouTube

Realizamos as terceiras edições dos eventos Homens Possíveis e PAI: os desafios da paternidade atual, dando saltos de organização em relação aos anos anteriores. Em 2020 vamos para a quarta edição de ambos, nossa tentativa de ajudar no cultivo de um calendário nacional de eventos conectados à transformação das masculinidades.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by PapodeHomem (@papodehomem) on

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by PapodeHomem (@papodehomem) on

 

Produzimos um curso online de estilo para homens — "Mas você vai de chinelo?", com mais de 20.000 alunos inscritos. O conteúdo foi pensado para todos os homens: negros, brancos, não hétero, héteros, magros, gordos, fortes, altos, baixos. Se quiser fazer, é gratuito: basta se cadastrar aqui.

Link YouTube

Realizamos mais de 40 treinamentos e palestras conectando masculinidades a diversidade e equidade, em empresas, escolas, fábricas e órgãos públicos por todo o país. Conversamos com pessoas de 12 a 70 anos, de estagiários e operários a presidentes.

Todas as pesquisas, documentários e palestras nasceram por meio do nosso Instituto PdH (Instituto de Pesquisa & Desenvolvimento em Florescimento Humano), antigo PdH Insights.

Recebemos um total de 14 milhões de visitas únicas em nosso site. Isso dá pra encher o Maracanã 117 vezes.

Por fim, descobrimos que recebemos um obrigado a cada 11 comentários no PdH (vale muitooo ler essa análise feita por algoritmos em parceria com o Google, numa iniciativa piloto deles). Os obrigados são a métrica dourada da casa, que nos apontam estarmos, ou não, na direção correta.

* * *

Como diria nosso querido mestre-dos-dinheiros e autor da casa Eduardo Amuri, dá pra declarar sucesso em nosso décimo terceiro aniversário, celebrado em dezembro de 2019.

Fico boquiaberto com essa retrospectiva. Considerando o quão enxuta é nossa equipe, me parece impressionante fazer o que fazemos. Mas a resposta pra tal enigma é simples, está na ponta da língua...

A nossa rede deu nascimento a tudo isso

Nosso time é pequenino, mas nossa rede é vasta como o céu. Com ela caminhamos longe e não há texto que dê conta do quanto devemos agradecer a quem anda junto de nós, sendo fonte constante de aprendizado, inspiração e crescimento.

Mais uma cena do Homens Possíveis 2019, que teve os ingressos esgotados em 48h!

Nosso eixo editorial de trabalho é o jornalismo compassivo. E as operações são guiadas da mesma forma, pelo que temos chamado de gestão de projetos compassiva. Uma mistura de profissionalismo e trabalho duro, com base em saúde emocional e coração, tendo como absoluta prioridade botar no mundo projetos que sejam benéficos ao florescimento humano. Pretendo escrever mais sobre isso e sobre jornalismo compassivo no futuro, compartilhando experimentos e aprendizados.

Em 2019 esticamos nossa rede ainda mais longe. Estivemos com Natura, Reserva, Instituto Avon, Alpagartas / Havaianas, dentre várias outras parcerias de peso. Dentro dessas marcas, tivemos o apoio de Mafoane Odara, Carol Sotello, Tom, Daniela Grelin, Rony, Felipe Adan… isso apenas pra citar alguns.

Desenvolvemos nossas pesquisas com o incrível time da Zooma Inc., Gustavo Venturi e equipe, Juliana Fava e equipe, Ismael dos Anjos, Gabrielle Estevans. Nossos filmes saíram pelas mãos talentosas da Monstro Filmes e da El Toro Filmes. Contamos com o apoio tecnológico da Z10X. Todo o design de nossos livros e as entregas de identidade visual vieram do Estúdio Nono. 

Aprendemos com pessoas incríveis como Carol Nalon, Ed Renê Kivitz, Henrique Restier, Ju Wallauer, Gustavo Tanaka, Pedro Figueiredo, Tiago Koch, Ana Canosa, Francisco Bosco, Paulo Miranda, dentre tantas outras que palestraram em nossos eventos e participaram dos filmes que fizemos.

Citaria uns 200 nomes, por baixo, se fosse incluir todas e todos envolvidos nessa rede. Nosso imenso obrigado a cada uma dessas pessoas.

Alguns relatos da equipe interna do PdH sobre 2019:

 

Felipe Ramos (Diretor de negócios e operações)

"2019 foi, sem dúvida, o ano mais difícil da minha vida.

Enquanto tive a oportunidade de mudar para Ilhabela com a família com o objetivo de cultivar uma vida mais ligada à natureza e saudável, tive que lidar com um grave problema de saúde do meu filho Noah, que foi diagnosticado com linfangioma na cabeça e que culminou em muitas idas ao hospital, procedimento cirúrgico, UTI e todo um cenário de dor e sofrimento. 

Passados 6 meses do episódio, encerro 2019 com um sentimento de alegria sem tamanho, de gratidão e confiança. O Noah está se recuperando, feliz e tendo uma vida praticamente normal, como toda a criança de 2 anos. Criamos uma rede de apoio que foi fundamental para participarmos de todo esse momento e, o PapodeHomem foi um dos responsáveis por conseguir equilibrar todos os pratos e ter significado em toda essa trajetória. 

Em muitos momentos do ano me emocionei com os relatos de pessoas que nos acompanham, que assistiram o nosso documentário "O silêncio dos homens" ou outra produção e tive a certeza de estar empenhando um trabalho que vem impactando positivamente na vida de pessoas mundo afora."

 

Luciano Ribeiro (Líder editorial)

"2019 veio marcado por mudanças.

Em janeiro mudei da robustez cinza da urbanidade paulistana para a calma preamar de Vitória-ES. Passei a morar com a minha companheira, Larissa. E, como se não fosse o bastante, decidi incorporar à minha rotina um segundo emprego, o de artista.

Minha jornada artística pediu uma renovação interna que já vinha acontecendo nos meses finais de 2018 e 2019 fez o seu papel prometido como ano de plantio. Como prometido, quase todos os dias acordei às 5:30 e produzi minha música pro disco que pretendo lançar. Aprendi muito!

Foquei em aparar arastas de falhas antigas e em aprimorar o que eu tinha de bom. Mas, principalmente, o Luri que começou o ano vem num processo intenso de descobrir a própria verdade, a própria voz. Foram longos meses até aqui, mas as primeiras folhas das sementes plantadas começam a brotar fora do terreno cultivado com esmero. Janeiro já verá um single de uma nova fase.

No PdH, claro, isso desembocou também. Tenho focado em desacelerar processos para evitar ciclos de adoecimento e, claro, em aumentar minha eficiência no que eu de fato entrar. É fácil se perder e se deixar levar quando precisa lidar diariamente com um monstro do tamanho do PdH. Somos um time pequeno que movimenta um verdadeiro Godzilla.Mas devo dizer que as coisas caminham pro bem e a fé vem crescendo no coração de que o futuro nos reserva positividade e amor.

Pode parecer papo de hippie, mas a verdade é que eu acredito muito que a energia que colocamos em cada palavra, cada vídeo, cada evento, pode ser sentida e acaba retornando pra nós na forma de carinho. Eu sinto isso em cada agradecimento e em cada abraço que recebo quando dou as caras por São Paulo.

Obrigado por mais um ano e que muitos outros venham! É uma felicidade compartilhar desse tempo com vocês."

 

Gabriela Feola (Conteúdo)

"2019 foi um ano de grandes aprendizados para mim principalmente dentro do PdH. Se antes eu era aquela prima distante que às vezes dava as caras, foi nesse ano que eu passei a fazer parte da casa. Foi como se eu tivesse achado um cantinho onde as partes soltas da minha trajetória - o jornalismo, os estudos de sexualidade e mídia e, também, a psicologia - se encaixassem. 

No geral, por causa do PdH eu exercitei muito a coisa de falar com quem pensa diferente, eu aprendi horrores com o "Mais você vai de chinelo?"... Mesmo sendo um curso de moda mais focada no masculino, devo dizer que eu finalmente encontrei um jeito de me vestir que faz com que eu me sinta segura (passando seriedade) e ao mesmo tempo sendo eu mesma. Depois do Silêncio dos Homens, foi lindo demais ver todo o movimento acontecer: a comunidade organizando as exibições, montando grupos de homens, se engajando em outro nível!"

 

Bia Aquino (Finanças)

"2019 foi um ano meio torto, meio esquisito, meio difícil de atravessar. Mas respirando fundo e olhando com mais carinho, vejo que foi um ano onde aprendi, em meio a todo esse caos, a valorizar um pouco mais as pequenas conquistas do dia-a-dia. Eu, que sempre olhei de perto para os números do PdH, vejo que 2019 foi o ano de celebrar cada pagamento feito e recebido em dia, cada pequeno avanço. 

Foi um ano de colocar a casa em ordem, e de ficar feliz com esse novo momento. Foi um caminho árduo, mas que tem nos levado a descobrir e aproveitar novas possibilidades. Foi também um período de olhar um pouco mais pra dentro, de me reconectar comigo mesma através da dança, do yoga, dos amigos. 

A distância das pessoas queridas da equipe do PdH, a ausência das tardes na nossa casinha na Rua Monte Alegre, dos forrós e das trocas mais próximas alimentam uma saudades gostosa. Mas a alegria de fazer parte dessa história continua a mesma!"

* * *

O que temos reservado pra esse ano? Fiquem de olho, vai ser bonito ;)

Em 2020 tem mais. Seguimos!

Um abração.


publicado em 21 de Janeiro de 2020, 15:23
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura