13 personagens LGBTs da ficção para você descobrir ou relembrar

Eles estão nos romances, filmes, séries, quadrinhos e onde mais qualquer um possa estar

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

Confesso que alguma coisa acontece no meu coração quando vejo personagens LGBTs em séries, filmes quadrinhos ou coisas do tipo. Logo que percebo uma chance daquela mocinha que namora o príncipe encantado e está jurada de casamento desvirtuar o clichê, olhar de canto de olho pra amiga e engatar um ar de segundas intenções, meu coração vibra. Não sei se é identificação pessoal pura e simplesmente, ou se é uma tentativa desesperada de enxergar saídas na caixinha de histórias com aquele clássico começo, meio e fim que todo mundo já está esgotado de ouvir. 

O que eu sei é que depois dos 5 minutos de exaltação, eu esqueço totalmente as "peculiaridades" desses nomes. Passo a dedicar um período maior da minha análise ao intuito real do personagens, como salvar o mundo por exemplo, e não acho tempo para as indagações em relação à sexualidade delas.

Talvez isso se deva ao fato de que eles são personagens normais tanto quanto outros, e não precisam ser lembrados unicamente por conta da sexualidade nas tramas. Há coisas mais interessantes e importantes acontecendo.

A power ranger amarela, por exemplo, do filme lançado no mês de março, se chama Trini. Ela é interpretada por Becky G, é lésbica, e isso não abala em nada seu desempenho ao longo da narrativa.

Ao mesmo tempo, compilar aqui alguns desses personagens significa ressaltar ainda mais seus papéis ativos na sociedade, mesmo que ficcional. É mostrar que eles não só podem, como estão em todos os lugares. 

E lembrando: essa não é uma lista fechada dos principais, portanto sintam-se à vontade para compartilhar nos comentários outros nomes que venham à cabeça, fechado? Vamos lá :)

1. Callie - Grey's Anatomy

Callie Torres é médica ortopedista do Seattle Grace Hospital (hospital que ganhou alguns outros nomes ao longo da série, mas permaneceu, basicamente, sob controle das mesmas pessoas). Depois de um casamento relâmpago com Jorge O'Malley, Callie conheceu Arizona e se descobriu bissexual. 

Mas isso não fica só na ficção. Sara Ramirez, atriz que interpreta a ortopedista, assumiu sentir atração pelos dois sexos. Ela levou isso à público em 2016, durante um evento em Los Angeles, e publicou uma mensagem em sua rede social.

2. Mulher Gato - DC Comics

Ela já teve seus momentos com Batman, mas na Catwoman#39 a personagem deixou óbvio o que já estava no imaginário de muitos leitores, e a felizarda a ganhar o beijo foi Eiko Hasigaw

Genevieve Valentin, roteirista da série, escreveu em seu blog e confirmou a bissexualidade da mulher-gato:"Certainly it’s no surprise to Selina that she has an attraction to a woman".

3. Homens Elegantes

Nesse livro o personagem principal é gay, e sua orientação sexual é explorada da forma mais orgânica possível: não sendo o foco da trama.

4. Frank - House of Cards

O presidente Frank Underwood é casado com Claire, mas acaba se envolvendo com alguns homens também. Um deles, por exemplo, era Edward Meechum, seu ex-agente de segurança. Gay ou bissexual? Em entrevista ao Huffington Post, o criador da série disse que prefere não colocar rótulos em Frank. 

5. Midnighter - DC Comics

Midighter é super-herói e vigilante nas horas vagas, nasceu no volume 2 da Stormwatch, costuma ganhar na briga com seus oponentes e está sempre escondido pela máscara e traje pesado.

Ele é apaixonado por morte, violência e pelo seu marido, Apollo.

6. Josh - Please, Like Me 

Josh namorava Claire, até que ela terminou o relacionamento e jogou a real: "você é gay!". Ele passa por um processo de auto-aceitação e começa a experimentar e aproveitar tudo que a vida sem uma falsa máscara heterossexual pode oferecer. 

7. Batwoman - DC Comics

O primeiro pedido de casamento lésbico feito em quadrinhos foi protagonizado por Kate e Maggie Sawyer, e essa história deu o que falar. Em 2013, dois co-criadores de batwoman sairam da DC Comics após serem impedidos de criar uma história cujo casal protagonizava um matrimônio lésbico.

8. Emma - You, Me and Her

Depois de muitos anos de casamento, o marido de Emma descobriu, da maneira mais inusitada possível, que sua esposa já teve relações sexuais com outras mulheres: construindo com ela um relacionamento a três. 

9. Bobby - Orações para Bobby

Esse é um daqueles filmes cafonamente emocionantes. Bobby é gay e passa por momentos complicados, tanto com a família quanto consigo mesmo. A intensidade da situação, apesar de dramática, é bastante verossímil, e nos faz refletir tanto sobre o lado dele quanto sobre o da mãe. 

10/11. Emma e Adele - Azul é a cor mais quente

O casal Emma e Adele protagoniza a narrativa de "Azul é a cor mais quente". O filme, baseado em uma HQ, popularizou a discussão e trouxe à tona a descoberta da sexualidade como uma questão potente.

12. Homem de gelo - Marvel Comics

A  saída (ou expulsão) do armário aconteceu em 2012, com a versão jovem do homem de gelo, na edição 40 da All-New X-Man

Se por um lado a exposição do tema abre um debate importantíssimo, por outro ele talvez não tenha sido abordado da melhor maneira.  Ele é praticamente arrastado para fora do armário, e essa forma de lidar com a homossexualidade não é a mais sensível. Há tempo para tudo, inclusive para aceitar a si próprio em uma situação de fragilidade como a narrada no quadrinho. Você consegue ler mais dessa história aqui.

13. Simon - Simon vs. a Agenda Homo Sapiens

No livro de Becky Albertalli acontece o contrário do que o quadrinho anterior retratou. Para fechar a lista e aproveitar o gancho, essa narrativa aborda de maneira sutil e sensível o processo de "sair do armário", tendo como personagem principal o jovem Simon, de 16 anos.


publicado em 01 de Abril de 2017, 07:45
Foto jpg

Carol Rocha

Leonina não praticante. Produziu a série Nossa História Invisível , é uma das idealizadoras do Papo de Mulher, coleciona memes no Facebook e horas perdidas no Instagram. Faz parte da equipe de conteúdo do Papo de Homem, odeia azeitona e adora lugares com sinuca (mesmo sem saber jogar).


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: