A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

[18+] Bom Dia, André Santos

O André é historiador e foi fotografado pela Marcela Fernandes

Nota editorial: estamos em busca de Bom dias com homens e com mais diversidade de corpos e peles — aqui explicamos em mais detalhes o contexto atual da série, suas origens, obstáculos e nossa visão de futuro para ela. Se você é fotógrafo(a) ou tem um ensaio que deseja publicar, fale conosco pelo jader@papodehomem.com.br.

* * *

Nunca tinha feito trabalho como modelo e a ideia de posar nu jamais tinha passado pela minha cabeça, embora já tivesse trocado nudes. Apesar da surpresa com o convite recebido, aceitei na hora, não sem um friozinho na barriga. O fato de a fotógrafa ser alguém conhecida, uma amiga com interesses, ideias em comum e uma boa proposta de ensaio e conceito, certamente me ajudaram a mergulhar de cabeça.

 

 

 

O nu sempre me despertou curiosidade. Sobretudo, o nu das mulheres. O nu masculino que não fosse minha imagem no espelho, por outro lado, eu sempre tentei evitar. Assim, a curiosidade de ver outros corpos masculinos sempre foi abafada. Não imaginava que a experiência de posar nu e ter meu corpo exposto iria me libertar desta amarra.

Gosto de ficar nu quando sozinho. Acompanhado, isso acontecia depois do ato sexual. Por morar só ao longo dos últimos cinco anos, quase sempre podia estar nessa condição. Mas isso se resumia a esses momentos e nunca pensei em me expor à uma câmera como vim ao mundo.    

Posso dizer que foi fácil posar, prazeroso até. A ideia de realizar atividades cotidianas sem o peso das roupas foi bastante estimulante e me proporcionaram imediatamente novos pontos de vista acerca do espaço e do meu corpo. Usar a minha casa como um lugar a ser explorado e experimentado de outro modo, deu espaço para a diversão. A possibilidade de trocar, propor, mostrar meu corpo de um jeito ou de outro, mas sem poses artificiais, foi muito instigante.  

Acima de tudo, tinha uma vontade ali, implícita, talvez adormecida, de me mostrar, me expor. Quem sabe em razão da minha personalidade extrovertida. Esta vontade ficou ainda mais clara ao ver o resultado das fotos, manifestando a intenção de mostrá-las aos amigos mas também a desconhecidos. Com isso, veio um sentimento de liberdade também. Já anseio pela próxima experiência como essa.

As fotos são da Marcela Fernandes.

 

 

 

 

 

 

Boa semana a todos.


publicado em 24 de Julho de 2017, 00:00
Bio jpg

André Santos

Historiador, músico e produtor. Integra o Conjunto Picafumo, que acompanha o sambista Toinho Melodia e o Conjunto João Rubinato, que pesquisa a vida e a obra de Adoniran Barbosa. Há dez anos pesquisa a batucada dos engraxates paulistanos e música em São Paulo na década de 40, tema do seu doutorado em História Social.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura