Quer dar um tapa no visual mas não sabe por onde começar? Fizemos um curso online de estilo pra isso, o “Mas você vai de chinelo?”. Inscreva-se agora! É gratuito!

[+18] Bom dia, Eveline Macedo

A Eveline estuda arquitetura e foi fotografada pelo Cadu Dias

Nota editorial: acreditamos que nudez, sensualidade, desejo e diversidade são discussões essenciais de nosso tempo. E que há espaço para tratar disso sem objetificar e ofender, mas sim valorizando toda a riqueza do masculino e do feminino. Para entender porque publicamos ensaios de homens e mulheres e saber mais sobre o que aspiramos para a série "Bom dia", leia o que escrevemos aqui. E se tem um ensaio que deseja publicar, fale conosco pelo luciano@papodehomem.com.br .

* * *

Apesar de adorar ser fotografada, nunca me imaginei fazendo nus.

Quando a oportunidade apareceu, fiquei apreensiva. "O que as pessoas vão dizer?", "Continuarei sendo respeitada?", "Ficarei confortável durante as fotos?" eram as perguntas recorrentes na minha cabeça.

Infelizmente, o nu ainda é muito associado à pornografia. Nós, mulheres, somos logo taxadas de inúmeros adjetivos negativos e pejorativos tanto por homens, quanto por mulheres. É surreal como algo natural, belo e normal é visto de forma tão ruim e feia, como se fosse algum tipo de pecado. 

Ao contrário do que achei, as fotos foram muito bem aceitas. Recebi inúmeros elogios de amigos e amigas e logo me tranquilizei. 

A surpresa maior foi perceber a facilidade e intimidade que tenho com o nu. Não tive problema algum em me despir. Me senti livre, à vontade, linda! Poder me ver pelos olhos de outra  pessoa, de forma tão natural e pura, é algo maravilhoso.

E nesse ensaio, poder brincar com as luzes e as cores foi algo delicioso.

Após as fotos passei a aceitar e amar ainda mais cada uma das minhas curvas e quem eu sou.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado em 08 de Outubro de 2018, 10:37
Perfil jpg

Eveline Macedo

Quase arquiteta, geminiana, nerd e adora inventar moda.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura