Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

[18+] Bom Dia, Gabriela Franze

A Gabs, de Brasília, foi fotografada pela Maíra Morais

Nota editorial: estamos em busca de Bom dias com homens e com mais diversidade de corpos e peles — aqui explicamos em mais detalhes o contexto atual da série, suas origens, obstáculos e nossa visão de futuro para ela. Se você é fotógrafo(a) ou tem um ensaio que deseja publicar, fale conosco pelo jader@papodehomem.com.br .

* * *

Fotografar pra mim é libertador. Me ajudou a amar e aceitar meu corpo exatamente como ele é, cada detalhe e imperfeição. Acho que consigo transmitir bem esse amor próprio nas fotos, mas nem sempre foi assim. 

A cada trabalho me sinto mais autoconfiante e no controle da minha expressão corporal. Ficar nua na natureza é definitivamente minha zona de conforto.

Fazer parte desse mundo sempre foi algo que eu quis e evoluir na área foi reflexo de um longo caminho. No primeiro ensaio não conseguia tirar as mãos do rosto de tanta vergonha, todas as fotos foram do pescoço pra baixo. A cada trabalho, a experiência adquirida é inestimável, quero experimentar todas as possibilidades fotográficas possíveis.

O Bourdoir me acompanha desde o início, assim como o preconceito. Coloquei a cara a tapa quando, desde a primeira foto, estive de lingerie e divulgando meu trabalho sem me preocupar com o que os outros iriam pensar. E os mais próximos foram os que me viraram as costas. Ouvir de dentro de casa “o que vão pensar de você?” foi uma das coisas mais dolorosas que enfrentei. Então ver que meu trabalho dá coragem pra muitas meninas romperem com os paradigmas sociais é gratificante.

Escolhi esse ensaio, feito pela Maíra Morais, porque ele representa perfeitamente o meu trabalho e quem eu sou. A nossa sintonia sempre resulta em algo mágico.

Boa semana a todos.


publicado em 24 de Agosto de 2015, 00:00
Mail.google.com

Gabriela Franze

É moradora de Brasília e fotógrafa por amor. Tenta ganhar algum trocado como publicitária.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura