A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

[18+] Bom Dia, Narciso Adamantino

O Narciso é do Rio e foi fotografado pelo Rony Hernandes no Projeto Florescer

Nota editorial: estamos em busca de Bom dias com homens e com mais diversidade de corpos e peles — aqui explicamos em mais detalhes o contexto atual da série, suas origens, obstáculos e nossa visão de futuro para ela. Se você é fotógrafo(a) ou tem um ensaio que deseja publicar, fale conosco pelo jader@papodehomem.com.br .

* * *

Eu sempre tiro a roupa. É quase sempre bem fácil. Antes do banho, por exemplo. Está tão arraigado. É mecânico. Eu não penso, apenas me dispo.

Mas a porta está sempre fechada. Ou não há ninguém em casa.

Decidi começar com essa observação ordinária do cotidiano porque ela faz pensar de forma fácil uma situação já experimentada por praticamente todo mundo. E um dos motivos que me leva a posar nu é o fazer pensar a questão, tão profunda e ampla que eu poderia discuti-la eternamente. É essa a função da arte.

O nu é muito além do corpo despido. São as ideias construídas no corpo. Ideias de Moral, de cultura, de padrões estéticos, padrões anatômicos, de sexualidade, de gênero, de politica, de identidade, de liberdade, de vivencia e religião. Erotismo. Objetificação. De desejo e repulsa. Vergonha. A arte é essa sobreposição das ideias e obra. Como estudante e aspirante a artista eu espero que se pense todas essas ideias na obra. Como modelo eu só estou voltando as origens do nome e me afogando no ego.

As fotos foram feitas pelo Rony Hernandes para o Projeto Florescer.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Boa semana a todos.


publicado em 15 de Agosto de 2016, 00:00
Narciso

Narciso Adamantino

Do Rio que não é rio. Dieta composta de arte e aventuras repletas de dramas latinos e misticismo. Andando pelo mundo conhecendo gente, escrevendo diários e se construindo infindavelmente.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura