A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

[18+] Bom Dia, Raiany Ferrari

A Raiany é modelo e tem 22 anos e conta sobre o apoio que recebe ao ser fotografada

Nota editorial: estamos em busca de Bom dias com homens e com mais diversidade de corpos e peles — aqui explicamos em mais detalhes o contexto atual da série, suas origens, obstáculos e nossa visão de futuro para ela. Se você é fotógrafo(a) ou tem um ensaio que deseja publicar, fale conosco pelo jader@papodehomem.com.br .

* * *

Meu corpo é a capa da minha alma. Foi assim que eu vim ao mundo e é a forma mais natural de se ver alguém. O corpo feminino nu é uma das coisas mais (se não a mais) bonitas de se admirar.

A quantidade de variações maravilhosas, muitas vezes semelhantes mas nunca exatamente iguais. Cada uma em sua singularidade.

Pra mim, posar nua sempre foi muito tranquilo e natural. Sempre tive apoio dos meus pais, que sempre souberam lidar, me apoiar e admirar minha forma de fazer arte. Nunca fui mal compreendida por eles, muito pelo contrário, sempre me defenderam de quem me vê com maus olhos.

Com o apoio deles, me veio muita força e coragem, assumi meu corpo e me orgulho muito de cada ensaio que faço.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não escondo que são os meus favoritos. Amo a repercussão das minhas fotos, amo o carinho, os comentários e as novas possibilidades que surgem com cada foto minha. Poso nua/sensual desde os 18 anos e já posei nua pra dois fotógrafos de uma vez, com a produção da minha mãe.

Foi um dos melhores ensaios, uma atmosfera linda! Tudo mega especial. Gostaria que mais pais, mães, família, colegas de trabalho e afins, fossem como meus pais em relação a isso.

Saber respeitar e apoiar é tudo.

Eu poso nua sim, exponho meu corpo de maneira linda e não me arrependo nem um segundo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"With a little help" dos meus pais

O pai, Luiz Fernando:

Resolvemos apoiá-la neste trabalho pois é isso que ela quer, é isso que ela gosta de fazer, se sente bem sendo assim eu apoio no que ela resolver fazer. Assim estamos mais próximos dela e podendo cuidar e tentar protegê-la. Pais próximos e inimigos longe. 

A mãe, Adinalda: 

Eu apoio e acompanho de perto, colada nela sim. Quem está perto pode saber realmente o que esta acontecendo e não vejo nada de errado, ela não esta fazendo nada de errado. Então, por que não?

A apoiamos em todas as suas decisões, suas escolhas a alertamos todos os prós e contras de cada processo. Sempre digo para ela que toda ação tem uma reação e o que ela resolver fazer sempre terá nosso apoio. Confio nela, a criamos para o mundo e ela tem que seguir sua vida e fazer suas escolhas. Nosso papel de pais é alertar ensinar o certo e errado. Apoiar e,  se até hoje ela só nos encheu de orgulho, não seria agora que ficaríamos contra. Nosso amor é maior que qualquer outra coisa.

Boa semana a todos.


publicado em 15 de Junho de 2015, 09:00
File

Raiany Ferrari

22 anos, Ariana, irmã mais velha, filha. Eu sou aquilo que eu nasci pra ser.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura