[18+] Bom Dia, Thaís Marin

A Thaís é fotógrafa e foi para o outro lado da câmera para ser fotografada pela Mayara Rios

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Nota editorial: estamos em busca de Bom dias com homens e com mais diversidade de corpos e peles — aqui explicamos em mais detalhes o contexto atual da série, suas origens, obstáculos e nossa visão de futuro para ela. Se você é fotógrafo(a) ou tem um ensaio que deseja publicar, fale conosco pelo jader@papodehomem.com.br .

* * *

Fotografar é um ato libertário. É emprestar os olhos dos outros para aprender a se enxergar melhor. Eu demorei um tempo para me colocar desse lado da câmera; não me achava digna disso tudo; costumava fotografar mulheres lindas tão donas de si e me via distante disso.

Imagino que milhares de mulheres devam experienciar esses mesmos sentimentos várias vezes ao longo das suas vidas.

Você se arruma um pouquinho e saca o celular para uma selfie, mas logo se decepciona. Aquela manchinha ali, aquela espinha que surgiu logo de manhã, as suas olheiras que nunca desaparecem... E então, a pontinha de auto estima que surgiu passando batom já se acaba pela selfie frustrada. 'Pra que vou tirar uma foto minha, hein?' Minha cintura não é tão fina, meu dente não é tão branco, meu cabelo não é tão hidratado quanto o da fulana ou ciclana. Somos bombardeadas com imagens de mulheres de peles lisas, barriga secas, silicones, tratamentos e cirurgias e instantaneamente ficamos fora do padrão de beleza; aquele que nos impõem, sim, mas que no fundo a gente aceita e acredita; Até que um dia você se dá o benefício da dúvida e se pergunta: por que não eu?

E no momento que você se coloca diante da câmera e decide desligar todo aquele barulho da sua cabeça, toda auto-crítica, dúvida e medo, e decide se ver por outros olhos, e se descobrir boa suficiente; você aprende a se aceitar e se amar da maneira que você é. Isso, meus amigos, é libertário. É dizer para si mesma em forma de uma foto que você é o bastante; que o infinito de maravilhas da sua cabeça não se define por meia dúzia de estrias ou dobrinhas.

Que você pode, sim, gostar de você, independe do IMC, dos centímetros e dos quilos. Você é o bastante, temos tantas facetas que nem sempre podemos ver pelos nossos próprios olhos. Acredito que a fotografia é uma porta linda para o caminho do amor próprio e gostaria que toda mulher passasse pela experiência de se descobrir em frente à câmera.

As fotos são da Mayara Rios.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Boa semana a todos.

Indicação de livros!

Curte fotografia artística? aqui vai uma sugestão do PdH para você ter na mesa de centro ou na prateleira da sua casa.

Os links do livros são de afiliados. Ao comprar na Amazon usando eles, você ajuda a financiar o PdH, sem nenhum custo adicional para você.


publicado em 22 de Agosto de 2016, 00:10
Bio

Thaís Marin

Thaís Marin, fotógrafa, 25 anos; Adepta do sedentarismo, ama gatos e cervejas de trigo; Voce pode encontrá-la no Facebook e Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: