Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

[18+] Bom Dia, Vitor Ortona

O Vitor é ator e foi fotografado pelo João Hannuch

Nota editorial: estamos em busca de Bom dias com homens e com mais diversidade de corpos e peles — aqui explicamos em mais detalhes o contexto atual da série, suas origens, obstáculos e nossa visão de futuro para ela. Se você é fotógrafo(a) ou tem um ensaio que deseja publicar, fale conosco pelo jader@papodehomem.com.br .

* * *

Desde que me lembro de existir, eu quis ser ator (exceto pelo breve período em que minha nerdice e fascínio por dinossauros me rendeu a vontade de ser paleontólogo, o que passou rápido). Lá por uns 14 anos entrei no curso de teatro da minha escola e vi que era o que eu gostava de fazer mesmo.

Hoje, aos 24, concluí que usar meu corpo como instrumento de criação artística não era nada novo quando combinei com o João de fazer um ensaio nu (coisa que já tinha feito com um outro amigo fotógrafo antes).

 

 

 

 

Não me lembro muito de como eu era antes de ser arrebatado pela depressão e pela melancolia, exceto por um ou outro vagos momentos. Me lembro de como eu sou agora. De como me sinto frágil e exposto sem o menor sinal de que alguém está tentando me atacar ou atingir, apenas por existir da forma como sou. Me lembro como me sinto sozinho o tempo todo, mesmo rodeado de pessoas que me amam e que estão aqui pra mim sempre que eu precisar. Isso não faz diferença dentro da minha cabeça. O nu pra mim é uma forma de expor isso. Três dos quatro ensaios nus que já fiz transmitem isso. Essa solidão, essa fragilidade, o quanto eu me sinto exposto diante das coisas à minha volta. Não consigo ver nenhum deles como ensaios sensuais. Para mim são muito mais que isso, são janelas para a minha alma. Coisa que meu querido amigo e o realizador destes cliques maravilhosos, João Hannuch, soube captar com perfeição.

O conheci num curso de teatro, onde ele era o professor/diretor e eu um dos alunos. Nos tornamos amigos rapidamente, unidos pela nossa paixão por teatro e nossa nerdice (coisa rapidamente notável pelas minhas tatuagens). Quando ele me contou que também era fotógrafo, rapidamente marcamos uma sessão de fotos, ao final da qual, ele me disse algo que eu nunca esqueci: "nossa, eu nem senti que estava trabalhando."

Então vos apresento alguns registros de nossas sessões de "não trabalho".

As fotos são do João Hannuch, que está no Instagram e Facebook.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Boa semana a todos.

 

 


publicado em 27 de Novembro de 2017, 00:00
Bio jpg

Vitor Ortona

Sadboy em tempo integral e ator nas horas vagas. Gosta de poucas coisas na vida mais do que de um pint gelado.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura