A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

3 anos de Cabana PdH e um presente para os interessados

Apesar de participar todo dia, eu quase nunca falo publicamente sobre a Cabana PdH, projeto que completa 3 anos e já reuniu mais de 750 homens de vários cantos do Brasil e do mundo, todos dispostos a avançar juntos, como um time invisível, num treinamento que aproveita qualquer experiência para cultivar estabilidade, brilho no olho, ludicidade e direcionamento na vida.

O único texto aberto em que realmente contei um pouco do que fazemos é o seguinte: "Para além de bebidas, mulheres e dinheiro: o que é um grupo virtuoso de homens?".

Para quem já esteve na Cabana ou sustenta algum interesse em entrar nesse espaço de treinamento, deixo um breve histórico do projeto, um resumo da situação e de nosso direcionamento atual. Tudo em parágrafos curtos, direto ao ponto. Aproveito para me dispor a tirar dúvidas nos comentários (numerei cada ponto para facilitar), já que muitas pessoas me enviam emails ou usam meu Formspring para tanto, o que dispersa as informações.

Ao fim vocês encontrarão um presente.

"Você fica sentado aí o dia todo. Não contribui em nada para a sociedade!" –Cosmo Kramer

Brevíssimo histórico do projeto

1. A Cabana PdH nasceu em janeiro de 2008 com participação do Dr. Love apenas no primeiro semestre. O grupo todo andou muito bem depois, sendo que a coordenação mais direta ficou comigo, sempre com a estrutura do PapodeHomem, grandes ideias e conduções de backstage do Guilherme, gerenciamento de assinaturas do Pablo e suporte técnico do incansável Gus Fune.

2. Acompanhamos diversos percursos de transformação. Não dá para contar os agradecimentos de uns aos outros e de todos (eu incluso) à Cabana PdH, essa coisa que não é um fórum, não é terapia em grupo, não é comunidade de PuA, não é religião, não é nada demais, mas nos estimula a avançar.

3. Fizemos o primeiro encontro nacional com pouco mais de 20 caras de vários Estados.

4. Iniciamos outros projetos, como um livro (de um cabaneiro em parceria comigo), uma tradução e alguns PDFs com materiais gerados na Cabana, como o "18 pilares do treinamento do homem guerreiro", reunindo longos textos sobre cada uma das qualidades que praticamos, como precisão e destemor  – sendo que publicamos apenas um, há muito trabalho pela frente.

5. Com muitas histórias de transformação, surgiu uma vontade de compartilhar o espaço com mais gente. Para não perdemos qualidade, fechamos o espaço para novos membros por quase um ano, até conseguirmos uma estrutura melhor. Reabrimos no fim de 2010.

6. Ficamos impressionados ao ver pessoas voltando à Cabana, renovando a assinatura, simplesmente para compartilhar experiências, ajudar os outros e avançar no próprio treinamento, não para resolver problemas específicos. Na verdade, menos da metade das pessoas entraram apenas uma vez na Cabana.

Situação atual

7. Hoje estamos com 250 participantes ativos, sem que isso gere um amontoado de tópicos sem sentido devido à própria dinâmica da Cabana, focada em prática na vida, não em bla-bla-bla online. Estamos no melhor momento que o grupo como um todo já viveu, em termos de linguagem consensual, práticas na vida, visão ampla e até de tecnologia.

Nova marca, feita pelo Fábio Rodrigues.

8. Antes de entrar, todos recebem um PDF bastante preciso com o funcionamento da Cabana e orientações de como já começar a aproveitar a experiência com práticas e leituras em vez de sair criando tópicos pedindo alguma ajuda específica. Isso mudou completamente os movimentos iniciais das pessoas por lá.

9. Conseguimos mais um coordenador para tocar o projeto comigo, o Fabio Rodrigues. Sem ele tal crescimento com qualidade não teria sido possível.

10. Exceto pelos coordenadores, todos seguem a regra "6 meses dentro (no máximo), 3 meses fora (no mínimo)", que apenas enfatiza um processo saudável que já ocorria com a maioria dos participantes. Ninguém fica mais do que 6 meses dentro da Cabana e todos são estimulados a ficar pelo menos 3 meses fora, antes de renovar a assinatura.

11. Em março teremos o 2º Encontro Nacional: um fim de semana de programação gratuita para mais de 30 caras que vem de vários Estados.

Lançamento da Cabana 2.0

12. Na próxima quarta, 23/2, subiremos a primeira grande atualização do sistema da Cabana. Em paralelo ao fórum, criamos:


  • Um site aberto para quem deseja se inscrever e conhecer um pouco do projeto (algo que hoje está apenas em um post). Nada exagerado e marketeiro, só o mínimo de informação porque hoje muitos caras não sabem como fazer para entrar.

  • Uma home logada com todo o conteúdo de artigos e práticas de modo organizado, acessível a um clique, últimas atualizações do fórum, avisos etc.

  • Os artigos e práticas serão revisados e ganharão uma edição mais profissional, igual existe nos textos do PdH.

13. Vamos manter o esquema de inscrição e impedir assinatura imediata, igual é hoje. A pessoa se inscreve e fazemos convocações mensais. Os novos só podem escolher entre 3 ou 6 meses, já que um mês não faz mais sentido em nosso funcionamento atual.

A todo momento, lembramos que o fórum, a Cabana, as assinaturas, os encontros, nada disso tem sentido em si mesmo, é tudo meio hábil para fazer nosso treinamento funcionar.

Não, ainda não fazemos celebrações vikings de fogo, como a Up Helly Aa.

O treinamento da Cabana

Por muito tempo eu achei que fosse possível avançar sozinho. Bastaria seguir vivendo mil experiências, lendo uma coisa aqui, outra ali, tirando insights da minha própria mente, tendo conversas profundas com alguns amigos e pronto. Infelizmente a mente que cultivei com esse movimento não foi muito diferente da mente dispersa, ansiosa e instável que já me trouxe muita confusão e aflição.

No entanto, encontrar um grupo confiável é bastante complicado. A maioria das práticas vendidas como transformativas acaba envolta em crenças, pseudociência ou discursos new age. Muitas pessoas que se propõe a cultivar corpo e mente mais saudáveis acabam se perdendo em rituais e identidades "espiritualizadas" que não levam muito longe. Mesmo quando encontramos um grupo decente, nem sempre podemos nos reunir com uma boa frequência, nem sempre eles falam a nossa língua, nem sempre podemos realmente nos cutucar e beneficiar uns aos outros.

Ora, reunir homens com tal propósito não é difícil. Oferecer um espaço em que eles possam avançar juntos, cada um em seu caminho, também não é algo complicado.

Se olharmos bem para os últimos dois milênios, todos os grandes homens que quiseram viver melhor chegaram a treinamentos com bases similares. Eles se reuniram para agir de modo mais virtuoso, cultivar qualidades positivas em corpo e mente e encontrar uma visão lúcida da realidade, alguma espécie de sabedoria, entendimento, conhecimento sobre vida e morte.

Pegamos treinamentos testados por vários homens e mulheres durante séculos, experimentamos, sustentamos, treinamos visões amplas e práticas em nossos movimentos na vida. O que sair do bom senso não entra. A motivação é simples: agir no mundo com mais liberdade, generosidade, potência e estabilidade.

Vejo que o mote "Tudo aquilo que seu pai esqueceu de lhe ensinar" (ou "Aprenda tudo aquilo que seu pai até hoje não sabe") é cada vez mais verdadeiro e ganha significados mais precisos com o tempo de convivência e práticas na Cabana.

De fato, é possível ajudar uma pessoa a avançar mais rápido sem que ela precise bater tanto cabeça na vida para aprender o que seu pai nunca teria condições de ensinar. Mais do que ser ajudada, é o próprio espaço que abre possibilidades para a pessoa avançar. A real é que ninguém ajuda ninguém.

Próxima prática da Cabana?

Desse modo, quando um moleque de 19 anos ou um senhor de 52 entra na Cabana (exemplos reais), temos algo a oferecer: um treinamento bem estruturado, visões simples de bom senso, pés no chão, métodos testados de transformação e um espaço para fazer tudo avançar mais rápido, para que ele possa se beneficiar e logo ajudar outros ao redor.

Presente aos interessados em participar da Cabana PdH

Para manter o projeto, será necessário aumentar o preço das assinaturas para os novos membros. Hoje trabalhamos com:

R$ 20,00 (apenas para renovações, não novas assinaturas)
R$ 50,00 por 3 meses
R$ 90,00 por 6 meses

Vamos manter esse valor para quem já passou pela Cabana até hoje (não muda nada, eles sempre poderão renovar pelo preço de sua primeira assinatura, mesmo que fiquem anos fora). Para os novos, porém, a partir de 23/2, ficará:

R$ 30,00 por um mês (apenas para renovações)
R$ 80,00 por 3 meses (desconto de R$ 10,00, dá menos de 1 real por dia)
R$ 150,00 por 6 meses (desconto de R$ 30,00, dá 80 centavos por dia)

Se desejar assinar pelo preço antigo e mantê-lo até mesmo nas renovações (ou seja, preço fixo para a vida), preencha o formulário de inscrição e aguarde a convocação na semana que vem. Temos mais 50 vagas para fechar nesse preço antigo e chegarmos em 300 participantes ativos.

Quem não entrar nesse grupo de 50 terá de esperar a próxima convocação, com o novo preço, em março.

É isso, meus caros. Fico extremamente feliz em compartilhar isso tudo com vocês e deixar um convite. Pretendo fazer isso abertamente aqui uma vez por ano. Seguimos o papo nos comentários. Abraço!


publicado em 18 de Fevereiro de 2011, 18:02
Gustavo gitti julho 2015 200

Gustavo Gitti

Professor de TaKeTiNa, colunista da revista Vida Simples, autor do antigo Não2Não1 e coordenador do lugar. Interessado na transformação pelo ritmo e pelo silêncio. No Twitter, no Instagram e no Facebook. Seu site: www.gustavogitti.com


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura