Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

50 táticas para sua namorada deixar você sair

Estava batendo um papo com uma colega de trabalho e ela me disse o seguinte: "Guilherme, tô com uma idéia boa de post pro PapodeHomem..."

"Qual?" - perguntei.

Ela contou da noite passada. Saiu para jantar com o namorado. Meia noite ele a deixa em casa, despede com um beijinho e vai embora. Ela sempre dorme rápido, é coisa de bater na cama e apagar em 15 minutos.

A primeira tática.

00:20 PM

O celular dela toca, ela na cama, quase em sono profundo, a voz dele do outro lado da linha.

Ele: "Môr, encontrei com o pessoal aqui e eles tão indo pro lugar XPTO..."

Ela: ...

Ele (pescando o álibi): "Você quer ir também? Te busco... "

Ela (na cama quentinha): "hmmm, não, vai você tá, pode ir... "

Ele: "Então tá, bem, descansa viu, lindos sonhos..."

:twisted:

FEITO.

stag-party
Barra limpa, liga o som, MC Papito!

---

Releiam os 50 sinais que um homem dá quando está apaixonado e o Até que ponto as meninas feias e legais conseguem conquistar alguém .

A idéia aqui é a mesma, construção coletiva para formar um banco de dados de utilidade pública.

A história acima foi a primeira tática pra conseguer o álibi da namorada e sair sem escutar depois. Agora quero saber as de vocês, as melhores, mais lendárias e, principalmente, mais eficazes táticas e histórias que já usaram quando querem sair sem a patroa. Coisa de profissional.

Também vale contar os desastres, quando tudo deu errado e te pegaram no flagra. hahahaha

Podem começar.

---

Isso, claro, partindo da premissa que a sua estratégia não seja a completa falta de estratégia:





link vídeo


publicado em 05 de Dezembro de 2008, 10:23
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura