Como se transforma a paternidade no Brasil? Faltam apenas 5 dias para o PAI: Os desafios da paternidade atual.
Compre já o seu ingresso!

A incrível história do homem que entrou na própria cabeça

Ou a incrível metáfora do escritor por ele mesmo

Essa história se passa em uma floresta cheia de mágica. Ou em uma cidade caótica. Ou nos fundos de uma cafeteria. Ou na página em branco do jornal de ontem. É a metáfora dela mesma. A metáfora por si só. A metametáfora. Algo por aí, ou coisa parecida. É qualquer história. Acontece em qualquer ambiente. Pode ser o que (e como) preferir.

Essa é a incrível história do homem que descobriu como entrar na própria cabeça. Não no sentido contemplativo do ser, não durante uma meditação indiana onde abordou a excelência da alma, mas entrar na própria cabeça pelo simples fato de entrar na própria cabeça. Sem imaginar porta ou janela. Só entrando.

Mas vamos tornar as coisas mais claras. Apesar de tudo já ter começado, os fatos se desenrolaram assim:

Não abriu os olhos, mas tinha plena consciência: estava acordado. Outra vez aquele vazio no estomago o atingia às 3h da madrugada. Não era fome. Era como estar perdido em um texto com parágrafos irregulares, com certa falta de pontuação e — aparentemente — desconexo em si. Ainda de olhos fechados, imaginou-se entre uma frase curta e algumas reticências soltas.

Tentou abrir os olhos. E foi isso.

Só isso. Ele não havia buscado estado de inconsciência, sequer pretendia divagar muito sobre qualquer coisa. Estava lá, analisando as paredes ósseas do seu crânio e os tecidos — sejam quais forem — que revestem o cérebro. Piscou com força.

Estava realmente dentro da própria cabeça. Era uma miniatura completa de si, analisando o interior de uma parte. Consciente do paradoxo, passou a mão pelos fios bagunçados de cabelo. Sacudiu-se. Afinal, sempre pode ser um sonho. Podia acordar a qualquer momento. Piscou com força. Depois da segunda piscada, o ambiente neural transformara-se em uma biblioteca.

Pulou. Mas pensando inteiramente no momento da queda. Quando, com seu peso e com o bater estrondoso e firme dos pés voltaria para sua cama.

Mas nada aconteceu. Conseguiu mesmo sentir o formigamento nos pés. Incrível.

Verificou a aliança e passou a mão no rosto. Percebeu que estava sem os óculos e enxergava normalmente. Aliviou-se. Nunca usava óculos nos sonhos. Viu, então, aquele livro grosso que gostava tanto. Não conseguia lembrar o nome ou o autor. Estava ali, bem no alto de uma das milhares de estantes que seu cérebro havia se tornado.

Pulou. Dessa vez visando o topo da estante. Queria alcançar o livro. Que deslizou para a sua mão e escorregou. Acertando o dedo. Bem o dedo mindinho. “Com certeza estou acordado”, refletiu sobre a dor. Só existia dor no mundo real.

A reação dolorida combinada ao estado confuso de irrealidade fez com que surgisse sua velha amiga, a raiva. Chutou, então, o livro pra longe. E notou que era mais leve do que o volume indicava. O objeto deslizou por um longo tapete acinzentado que tomava todo o chão. Pouco antes de parar, havia se transformado em outra coisa. Uma fita VHS! Aqueles sim eram bons tempos. Voltava a se agarrar na ideia de sonho.

Correu atrás da fita. Ela ficou parada esperando.

Pegou-a. Levou até o videocassete que surgiu na altura de seu peito, na estante bem em frente.

Aquele velho barulho da fita se assentando nas engrenagens pré-tecnológicas fez com que abrisse um sorriso como há tempos não fazia.

Apertou o botão de rebobinar. Esperou que o trabalho fosse feito.

Não havia televisão. A história começou em sua cabeça (ou metacabeça) antes de apertar o play. Estava tudo bem. Imaginava a história que acontecia em uma floresta cheia de mágica. Ou em uma cidade caótica. Ou nos fundos de uma cafeteria. Ou em uma praia florida. Ou na página em branco do jornal de ontem.

E todos esses lugares eram seus. Por ora, isso bastava.


publicado em 21 de Junho de 2015, 09:00
File

Sergio Trentini

Cursou psicologia, administração e jornalismo. Não terminou nenhuma das três. A última já passou da metade, e essa, jura que vai acabar. Assim como todas as histórias que começa a escrever. Escreve lá no Medium


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura