A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

A Mulher do PT Cruiser

(Mas eu sou casada, não posso fazer isso)

Era o que ela pensava enquanto dirigia o seu PT Cruiser em direção àquele bar. Nos outros três lugares do carro, suas amigas (todas solteiras), sorriam e bincavam, se regozijando pela tarde de alegria que estava por vir.

PTCruiser
Com um carro desses, ninguém vai querer saber do seu estado civil

(Mas eu sou casada)

Pensava, quando parou seu carro em frente ao bar e entregou ao Valet as chaves. Sentiu-se como um pedaço de picanha bem cortada, em exposição no açougue. E nem tinha atravessado a rua ainda.

(Elas são solteiras, o que faço aqui?)

Pensou isso quando chegou perto do bar e aqueles quatro caras começaram a conversar com ela e as amigas, ofereçendo um apoio para a a cerveja e agilizando o atendimento do garçom, sempre tão moroso.

"- Eu sou casada e estou muito bem com meu marido." Foi o que ela disse para aquele... aquele... aquele cara que chamou ela de linda, como há muito seu marido não chamava. "Mas que coisa, ele nem piscou. Será que ele não ouviu?"

"- Eu sou casada. E muito bem casada!" Falou agora para ele, as amigas e todos em volta ouvirem.

bar
O que ela estava fazendo ali?? Ela?

"-Calma!" - disse uma das amigas. Ela disse que estava calma, mas por dentro ela sabia o que sentia. Estava desesperada e sem saber como se comportar.

Sua amiga a chamou para um canto e falou: "-Você precisa relaxar. Nem todo homem quer te comer. E se quiser, precisa que você aceite."

Aceitou o conselho de sua amiga. Voltaram para o grupo, mas ela ainda estava nervosa.

Aquele... aquele... aquele cara que chamou ela de linda, como há muito seu marido não chamava, começou a conversar com ela, contando de como era gostoso o bar e como ela era linda.

O mundo começou a ficar enfumaçado ao seu redor, parou de ver suas amigas, onde estava aquele garçom? E aquele baixinho que não tirava o olho dela? Só estamos eu e ele aqui! Meu deus, o que ele vai fazer comigo?

"SOU CASADA E FELIZ!!!!!!!!!!!!!!! "- gritou, para espanto de todos em volta.

Passado aquele espanto de todos e a vergonha que ela sentiu, ela se voltou para o cara que chamou ela de linda.

-Desculpe, mas estou nervosa. Sou casada. E se meu marido me vê aqui?!

Ele continuou falando, falando, ela estava envolvida, e só pensava (Sou casada, sou casada). De repente, uma mão pega na mão dela e ela ouve:

- Vamos?
(Sou Casada!)"-Vamos onde? - pergunta ela.
-Relaxa, vamos pegar teu carro e dar uma volta.
-Mas como? Não Posso.
-Você não quer?
-Quero. Mas não posso.

Nisso já estavam do outro lado da rua, o carro sendo trazido pelo Valet. Eles entraram no carro e discutiram, pois ela não queria sair dali. Num ímpeto, deu uma ré e colocou o carro de volta na vaga onde ele estava. Foi a deixa. Aquele... aquele... aquele cara que chamou ela de linda, como há muito seu marido não chamava, começou a beijá-la, abraçá-la, acariciá-la. (mas sou casada...)

Ela sentia suas forças indo embora, sua resistência minando, sua sede de carinho e sexo aumentando (mas sou casa...) Aquelas mãos fortes, puxando seu corpo, forçando sua cabeça. A respiração aumentando. (mas sou cas...). No fim, não tinha mais forças para resistir, deixou-se levar por aquela sensação de prazer ali mesmo, sem se preocupar com nada.

roda-carro
Ela não teve tempo, não pode, não quis...

Pouco depois, saíram do carro (mas sou casada, como vou voltar para lá?), e então se deu conta. O carro estava de frente para o bar, e tudo que acontecia lá dentro era visível para todos que estavam lá.

Desceram, ela amedrontada, apavorada mesmo, confiando simplesmente naquele braço que a sustentava ao atravessar a rua. Mas quando chegaram ao outro lado, um beijo no rosto e um tchau foi tudo que ganhou.

Aos poucos se recuperou, começou a falar com as amigas, e no fim se sentaram em uma mesa.

"Hello Motto!!" exclamou seu telefone.

-Alô! Oi, amor! Sim, já está acabando a festa do meu afilhado, já já estou indo para casa, meu amoreco.

Marcelo Rosa: Ex-Músico (ruim) e atual Engenheiro de Redes (Não tão ruim). Tenta desesperadamente vencer a preguiça e manter o Pistache com Casca atualizado, mas normalmente a Padaria da Esquina e sua Legião de Garrafas de Serra Malte o impedem.


publicado em 01 de Outubro de 2007, 18:42
D03391a930fc4c12b5f059b42ce77ce8?s=130

Marcelo Rosa

Quer ler mais casos do Marcelo Rosa? Vai no Pistache com Casca, o blog dele.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura