A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

A punheta que salva vidas

Poucas coisas foram mais amaldiçoadas pela humanidade quanto a punheta. Sua prática já condenou ao inferno e criou um dos mais antigos mitos da história, a de que nasce pelo nas mãos do punheteiro. E se ela já foi a principal atividade sexual para muitos jovens, senão a única.

Receitada até pelo Dr. Love em seu manual de guerrilha, ela serve também para causas mais nobres: salvar vidas.

Muitos já devem ter passado por esta situação: conhecer uma mulher em uma noite e em seguida levá-la para cama. Até aí, tudo bem. Ato digno de uma rodada de cerveja entre os amigos. O problema é quando essa mulher é uma ladra ou uma assassina. Sim, porque se antes apenas as mulheres tinham motivos para preocupação, hoje podemos dizer que a situação está, no mínimo, equilibrada.

É crescente o número de casos de homens que são sedados, geralmente por rupinol, e depois roubados e até mesmo assassinados por mulheres (ou grupos de bandidos que usam a mulher apenas como isca).

Sem legendinha engraçada nesse alerta | Foto: Lauren Peralta

Vais dizer que nunca ouviu uma história assim? Aconteceu com um amigo, que conheceu duas meninas durante o dia e à noite cometeu o erro fatal de levá-las para casa. Depois de roubado, foi brutalmente assassinado.

Diante de tantos casos escabrosos como esse, penso que muito poderia ser evitado com uma simples punheta. Em uma das cenas mais engraçadas do filme Quem vai ficar com Mary?, um dos personagens aconselha outro a bater uma bronha antes do encontro para não sair com a “arma carregada” e assim estragar tudo. A mais pura verdade.

Porque tesão é foda. Ele faz a arma virar contra você. Muitos leitores já devem ter, pelo menos, lamentado depois de gozar com uma mulher que nem desejavam tanto e num suspiro lembrar que ainda devem levá-la para casa.

Lembram do líquido que deixou o cabelo dela assim, né?

A punheta serve até como um teste prático para saber se você está mesmo a fim de alguém. Na dúvida, sempre que pensar em sair com uma garota pouco conhecida ou sair para caçar, bata uma punheta antes. Se a vontade persistir, vá em frente. Do contrário, ligue a televisão, vá ler um livro, vá dormir. Você vai se livrar de muitos problemas, desde acordar ao lado de uma mulher feia até não acordar por conta de uma mulher bandida.


publicado em 20 de Janeiro de 2011, 05:31
18dce8b5ce014223c4b1cbdf3893d3bc?s=130

Julius François

Professor de português por formação. Redator publicitário por profissão. Leitor voraz de histórias de sacanagem. Pretende doutorar-ser em Literatura da putaria.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura