A revolução não foi televisionada

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

Na última sexta-feira a música mundial perdeu mais uma de suas mais poderosas vozes. Você pode não reconhecer Gil Scott-Heron pelo nome, mas com certeza já leu a frase “a revolução não será televisionada” pixada randomicamente nos muros da cidade onde mora.

Quando "The Revolution Will Not Be Televised" foi lançada, em 1971, ela foi considerada apenas uma das várias músicas representando o extremismo negro americano daquela década:

“You will not be able to stay home, brother.
You will not be able to plug in, turn on and cop out.
You will not be able to lose yourself on skag and skip out during commercials,
Because the revolution will not be televised"

"Você não conseguirá ficar em casa, irmão.
Você não conseguirá se plugar, ligar ou arregar.
Você não será capaz de se perder em drogas ou passar reto durante os comerciais,
Porque a revolução não será televisionada"

"I'm the closest thing I have to a voice of reason"

Hoje, entretanto, a música de Scott-Heron é considerada o início daquilo que anos depois seria chamado de rap. O movimento inaugurado por ele ajudou a levar a cultura negra para o mainstream e, arrisco dizer, contribuiu para construir o caminho que, em 2009, levou o primeiro negro à presidência dos Estados Unidos.

Numa década em que os negros americanos viviam desolados pela perda de Martin Luther King e Malcolm X, Scott-Heron surgiu no cenário musical com letras que descreviam exatamente o que aquela população vivia. Ele era o Bob Dylan negro das minorias. Uma mistura de Bob Marley e John Lennon com uma pegada à la Jimi Hendrix.

Link YouTube

Faixas como "The Bottle" (acima) e "Home Is Where The Hatred Is" narram o alcoolismo e o uso de drogas que Scott-Heron presenciou nas ruas do Harlem. Outra canção, "Winter in America", descreve os sonhos políticos destruídos com a morte dos líderes que haviam criado esperança no coração daquelas pessoas.

“It’s winter in America
And all of the healers have been killed
Or been betrayed”

"É inverno na América
E todos os curandeiros foram mortos
Ou foram traídos"

"There is no better place than Tennessee"

Nascido em Chicago, em 1949, Scott-Heron era filho de uma bibliotecária e de um jogador de futebol – aliás Gil Heron, o “Black Arrow” foi o primeiro negro a jogar pelo clube escocês Celtic. Seus pais se divorciaram e ele acabou sendo criado por sua avó, no Tennessee. Quando voltou a morar com a mãe, dessa vez em Nova York, criou um tipo de conexão com a cidade, principalmente com o bairro do Harlem.

Ao lado de Brian Jackson, Scott-Heron formou sua primeira banda, o Black&Blues. Logo nos primeiros shows, ele se diferenciava da maioria dos músicos da época. O cara era muito mais um trovador do que um cantor propriamente dito. Muitas de suas músicas eram apenas rimas recitadas sobre uma bateria de fundo.

Link YouTube

O ritmo que suas melodias carregavam e a mensagem incorporada por suas letras acabaram formando os alicerces daquilo que se tornou o hiphop. Scott-Heron sabia disso e tinha consciência da sua influência sobre a sociedade negra e sobre os novos grupos de rappers que surgiram inspirados pela sua música.

Mesmo famoso e com grana, ele não deixou de lado seus valores. Na década de 70, foi um dos primeiros músicos a atacar a homofobia e, nos anos 90, escreveu o Message to the Messengers, falando sobre respeito e princípios para uma nova geração de rappers que pregavam o sexismo e a degradação da imagem feminina.

“What I’m speakin’ on now is the raps about the women folks
On one song she’s your African Queen on the next one she’s a joke”

"O que eu estou falando agora são os raps sobre as mulheres, galera
Em uma canção em que ela é sua Rainha Africana e na próxima ela é uma piada"

Infelizmente, as últimas três décadas de sua vida não foram as mais produtivas, com apenas dois álbuns em 28 anos. Ainda que tenha retratado o alcoolismo e o uso de drogas em suas músicas, ele mesmo acabou se viciando. Preso em 2001 por posse de cocaína, o músico passou a maior parte da última década entrando e saindo da cadeia.

Com o tempo, entretanto, Scott-Heron foi redescoberto e teve diversas de suas músicas regravadas e sampleadas. Talvez tenha sido por isso que ele voltou a se apresentar e, no ano passado, lançou o que viria a ser o último disco de sua carreira. Em I’m New Here, álbum elogiado pela crítica americana, Scott-Heron fala sobre sua vida com amor e sabedoria:

“No matter how far wrong you’ve gone
You can always turn around”

"Não importa o quão longe você foi
Você sempre pode voltar"

Link YouTube

Sem dúvida, um cara que fez a diferença junto à comunidade em que vivia. Um cara que usou a música como ferramenta política, em vez de máquina para fazer dinheiro.


publicado em 31 de Maio de 2011, 09:47
E4c14111fbfb81a75b22984e3520ada9?s=130

Thiago Rocha Kiwi

É nosso correspondente em Londres. Jornalista, nascido e criado na selva paulistana, gosta das oportunidades desafiadoras. Apaixonado por informação e conhecimento, enxerga o trabalho como uma forma de evolução e a internet como revolução. No Twitter, @thiagokiwi.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: