Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Abortar é mais seguro que dar à luz. Mas isso justifica?

Uma pesquisa publicada na revista americana Obstetrics & Gynecology afirma que a chance de uma mulher morrer durante ou logo depois de um parto é 14 vezes maior do que ao realizar um aborto legalizado. Os pesquisares analisaram dados de partos e abortos realizados nos Estados Unidos entre 1998 e 2005 para constatar que a cada 11 mil partos uma mulher morre, enquanto há uma morte a cada 167 mil abortos legais.

O objetivo da divulgação da pesquisa, obviamente, não é convencer mulheres a deixarem de dar a luz e optarem pelo abortos, mas acabar com o mito, instaurado muitas vezes pelas precárias condições em que o aborto ilegal é realizado, de que o procedimento seria fisicamente perigoso para a mulher.

Parar ou seguir?

A questão da legalização do aborto no Brasil ainda é prototípica, guiada por religiões e entra na esfera política (onde realmente o debate precisa acontecer) com ares de chantagem. A primeira tendência seria escolher um lado, pró-escolha ou pró-vida, agarrar-se à sua ideologia e afundar com ela, mas lembrei que eu nunca vou fazer um aborto e que as minhas ideologias não são lá tão importantes.

No Brasil não estamos discutindo as milhares de mulheres que morrem em abortos ilegais todos os anos, não estamos discutindo o impacto da medida no Sistema Público de Saúde, não estamos discutindo as questões éticas envolvidas ou os efeitos psicológicos que o aborto pode ter na mulher.

Até quando uma questão tão séria, de saúde pública, será debatida por líderes religiosos e não por cientistas, juristas e pelas mulheres brasileiras, as mais afetadas pelo tema?


publicado em 02 de Março de 2012, 07:00
File

Diego Dubard

Jornalista nascido em Recife, vive em Brasília desde 2007 e quer se mudar em 2012, antes que o mundo acabe. Escreve porque precisa ganhar a vida e joga rugby por paixão. Twitter: @ddubard.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura