A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Álbum de Figurinhas: Alex e o buteco improvisado no meio da praça

Se a ironia estivesse à procura de um endereço, ela teria uma morada certeira na Praça Popular de Cuiabá, capital do Mato Grosso. Reduto badalado da cidade, a região que fica a dois quilômetros da Arena Pantanal cobra sua fama – e seu preço – em época de Copa do Mundo: entre os cerca de dez bares abertos e espalhados pela região na última terça-feira, 30 reais era o preço médio das entradas cobradas de quem quisesse assistir ao jogo entre Brasil e México.

Mas se a ganância floresce durante o Mundial, as oportunidades também.

Sonho de jornalista: banca + buteco
Sonho de todo jornalista: banca + buteco

Aos 33 anos de idade, Alex é dono da banca de jornais e revistas que ocupa um dos lados da praça há pouco mais de três. Acostumado a levantar as portas de seu negócio às 7h30 da manhã e encerrar o expediente às 21h30, ele fez da Copa do Mundo sua rotina antes mesmo que chilenos, russos e colombianos botassem os pés no Centro-Oeste.

Primeiro, arrumou algumas cadeiras e mesas e transformou sua banca em um ponto de encontro para troca de figurinhas do álbum do torneio – são três grupos de WhatsApp dedicados aos clientes apaixonados pelo tema. Mais tarde, com as partidas prestes a começar e a ajuda da esposa, resolveu dar outro destino ao espaço. Encheu um freezer de cervejas, refrigerante e água, instalou um televisor na parede externa da banca e passou a oferecer, sem entrada ou consumação mínima, um buteco improvisado entre os bancos e as árvores de uma das regiões mais valorizadas da cidade.

No primeiro evento-teste da nova fonte de renda, a farra pós-jogo de Chile 3 X 1 Austrália, a tampa da geladeira só foi fechada às 5h30 da manhã. A prorrogação valeu à pena: em um mês regular, a banca arrecada entre 3 e 4 mil reais. Naquela noite, o faturamento foi de R$ 9 mil.

Quando a criatividade e o improviso são padrão Brasil, pouco importa se o butequim não é padrão Fifa.

* * *

cuaba

Uma Copa do Mundo se faz com pessoas.

As que entram em campo, as que viajam para testemunhá-la, as que enchem as ruas, as que se voluntariam, as que torcem e as que veem no evento uma oportunidade para garantir seu sustento ou para extravasar.

A seção “Álbum de Figurinhas” pretende contar, com um microrrelato artesanal e um retrato por dia, a história de algumas dessas pessoas, muitas vezes invisíveis, que povoam os bastidores da Copa do Mundo do Brasil.

Para ler todos os textos, basta entrar no nosso Álbum de Figurinhas.


publicado em 19 de Junho de 2014, 23:32
Ismael veredas corte jpeg

Ismael dos Anjos

Ismael dos Anjos é mineiro, jornalista e fotógrafo. Acredita que uma boa história, não importa o formato escolhido, tem o poder de fomentar diálogos, humanizar, provocar empatia, educar, inspirar e fazer das pessoas protagonistas de suas próprias narrativas. Siga-o no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura