Apollonia Saintclair desenha deliciosas mulheres

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg


 Lamento informar: nem só de papo cabeça vive o homem. Vive, também, de curtir aquela velha obsessão que compartilhamos com nossos antepassados mais remotos, ou seja, admirar e desejar o corpo feminino. E nada melhor do que quando uma obsessão assim tão boa encontra expressão no talento de um grande artista. Essa é a ideia de Mulheres e Nanquim, sessão que pretende apresentar grandes desenhistas que se tornaram célebres por sua habilidade em retratar mulheres deliciosas.
apollonia001

Começaremos com uma artista muito recente. Apollonia Saintclair é o pseudônimo de uma desenhista que preferiu não se identificar até agora, apesar de todo o sucesso recente de seus desenhos na Internet. Possivelmente, ela (ou ele) vive em algum lugar onde se fala francês, a julgar por sua preferência pela língua para intitular suas obras e de seu inglês correto demais.

Apollonia Saintclair conseguiu popularizar seu trabalho em seu perfil no tumblr, criado em 2012. O pouco que sabemos a seu respeito vem da recente entrevista que deu à jornalista parisiense Adeline Wessang. Suas influências declaradas são Milo ManaraMoebiusDa Vinci e Caravaggio, entre outros.

Uma das melhores abordagens de Apollonia Sinclair consiste em "objetivar" o corpo feminino. Em muitos de seus trabalhos, a artista retrata apenas partes do corpo de belíssimas mulheres, ocultando rostos ou tornando as feições de suas "proprietárias" apenas um detalhe secundário da perspectiva. Desse modo, Apollonia flerta com a fantasia masculina (e feminina, claro) de tornar o corpo feminino mero objeto de seu prazer, sem consideração com a personalidade. Em uma era de incansável patrulhamento do politicamente correto, isso chega a ser quase uma leve transgressão, o suficiente para apimentar um pouco mais seus trabalhos.

Mas suas obras não se reduzem a simples representação pictórica do corpo feminino: muitos de seus desenhos sugerem histórias nas quais as imagens retratadas por Apollonia são "capturas" de momentos sensuais.

"A criação é uma tentativa de descrever o indescritível: tentar conferir uma forma tangível a uma intuição abstrata."

Isso foi o que disse Apollonia na entrevista. A imaginação necessária para isso viria da leitura de autores como Jorge Luis Borges, H.P.Lovecraft, Richard Matheson, Gustave Flaubert, Frank Herbert, Henry Miller e Anaïs Nin.

"Tinta é meu sangue, desenho para meu próprio bem e para meu prazer.
[...]
Residente de longa data do velho mundo, divido meu tempo entre a cozinha e meu estúdio."
Informações da Apollonia em seu Tumblr.
apollonia002

O que nos faz imaginar se não estamos, na verdade, diante de um nerd gordinho, esperto o suficiente para saber o apelo que há na ideia de uma mulher que reproduz com precisão o imaginário erótico masculino. Mas isso importa?

A escolha por criar apenas obras em preto-e-branco, como afirmou, origina-se não só da influência dos quadrinhos em sua vida, mas, também, de uma decisão bastante inteligente:

"Para aprender, devemos reduzir o leque de possibilidades."

Além disso, "preto-e-branco é um nível adicional de abstração que me permite concentrar nos fundamentos do desenho, como silhueta, sombras, geometria, etc."

Mas, em termos de transgressão, Apollonia vais mais longe e aproveita-se do anonimato para brincar com a religiosidade ocidental. Talvez não seja por acaso que seu pseudônimo faça alusão a Guillaume Apollinaire, poeta e escritor francês que, em 1907, publicou o romance erótico Les Onze Mille Verges (As Onze Mil Virgens). O título satiriza a lenda das virgens que teriam acompanhado o martírio de Santa Úrsula, e a obra relata aventuras sexuais escabrosas em que rola sadismo, masoquismo, escatofilia, pedofilia, vampirismo, masturbação e sexo grupal.

"Uma das minhas histórias favoritas de Lovecraft chama-se precisamente "O Indizível", afirmou Apollonia na entrevista concedida à Adeline Wessang. Ela refere-se ao conto "The Unnamable", publicado em 1925 pelo autor americano. "Ao longo da história", continua a artista, "o narrador de Lovecraft fala, com certo deleite, sobre um horror inominável, sem jamais conseguir, mesmo quando o horror acaba por realmente se materializar, descrevê-lo em palavras." Apesar dessa sua fonte inspiração, muito dificilmente será horror o que nós sentiremos ao ver as obras de Apollonia Saintclair.

Porém, com certeza também ficaremos sem palavras ao observar as deslumbrantes mulheres que desenha.

apollonia003
apollonia004
apollonia005
apollonia006
apollonia007
apollonia008
apollonia009
apollonia010
apollonia011
apollonia012
apollonia013
apollonia014
apollonia015
apollonia016
apollonia017
apollonia018
apollonia019
apollonia020
apollonia021
apollonia022
apollonia023
apollonia024
apolonia026
apollonia025
Untitled-2

Untitled-3


publicado em 16 de Maio de 2013, 07:00
File

Victor Lisboa

Não escrevo por achar que tenho talento, sequer para dizer algo importante, e sim por autocomplacência e descaramento: de todos os vícios e extravagâncias tolerados socialmente, escrever é o mais inofensivo. Logo, deixe-me abusar, aqui e como editor no site Ano Zero.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: