As histórias do aeroporto

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Aeroporto transpira história, e não é a história de livro, nem de museu. É história de gente.

A Mariazinha, que estava na minha frente na fila de embarque, não sabe que eu estava indo para a Irlanda. Eu também não sei que essa Mariazinha, de olhos marejados, talvez tenha 3 filhos, um cachorro e um gato, torça pro Palmeiras e esteja indo para a Espanha visitar a mãe. Me dá vontade de ir lá dar um abraço, só pra dizer que está tudo bem.

A viagem dela vai passar batida para mim, mas com certeza ela não vai esquecer tão cedo o turbilhão de emoções que sentiu quando adentrou a sala de embarque.

Na história da vida da Mariazinha (e na de milhões de outras pessoas), certamente o aeroporto é cenário de clímax. O executivo esperançoso, que vê na viagem de trabalho a chance de fechar um negócio que vai mudar o rumo da empresa. A mãe que se despediu do filho quando ele ainda tinha uma fisionomia de menino e agora o reencontra, com traços mudados e uns quilos a mais.

Aeroporto é o melhor reality show já inventando em todos os tempos.

aeroporto

Naquela salinha de embarque, minutos antes dela encontrar o portão correto, eu era espectador cativo de uma apoteose. E eu nem a conheço. Assistia a vida dela mudar, como se estivesse lendo um livro, mas era real. Sem roteiro, sem ensaio, sem encenação. Ali ela estava mais que nua. Às vezes a vida não dá chance pra preliminares.

O fantástico é que eu nunca mais vou vê-la. A Mariazinha, aquela que estava lá pertinho de mim, me confidenciando em silêncio e chorando um choro sentido, vai pra nunca mais. Passou no meu palco, me escancarou o peito e saiu correndo pra coxia, pra ser feliz noutro lugar.

É uma intimidade impessoal, que atropelou todo o vai e vem de uma conversa amena de balcão de padaria. Nunca vou descobrir se ela torcia mesmo para o Palmeiras, se estava indo realmente para a Espanha ou se tem três filhos.

É como se pra sentir empatia a gente não precisasse de nome, nem de passado, nem de "oi, tudo bem?".


publicado em 27 de Outubro de 2013, 06:00
Eduardoamuri

Eduardo Amuri

Autor do livro Dinheiro Sem Medo. Se interessa por nossa relação com o dinheiro e busca entender como a inteligência financeira pode ser utilizada para transformar nossas vidas. Além dos projetos relacionados à finanças, cuida também da gestão dO lugar.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: