O Atacama é generoso | Na Estrada #15

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

Vamos buscando a emoção
que não podemos encontrar
neste tédio sempre igual
que nos envolve o coração.

– trecho de "A Emoção Fugitiva", de Pablo Neruda

Valle de La Luna

Reza a lenda que há séculos e séculos, no auge do império Inca em território chileno, a fúria dos deuses caiu impiedosa sobre eles. O temível espírito do vulcão Licancabur rugiu, lambendo povoados inteiros com sua lava escaldante.

Para apaziguar sua ira, os nativos subiram os seis mil metros de sua extensão, carregando incontáveis pedras e presentes em suas costas. Chegando ao topo, rezaram.

Diante disso, o vulcão lhes concedeu tranquilidade.

Até hoje, os descendentes desses nativos prestam reverência a Licancabur, mantendo oferendas em seu pico.

* * *

Colocar os pés no Deserto de Atacama é paz.

A mais árida região do planeta se comunica pelo silêncio.

Suspeita-se que os únicos pedaços de chão sem qualquer traço de vida estejam por lá, nos entornos da mina abandonda de Yungay. O terceiro maior salar do mundo é lá, também. Três mil quilômetros quadrados de horizonte sem fim, com lhamas perdidas e flamingos róseos se alimentando em lagoas de enxofre. Uma gigantesca mão esculpida pelo artista e filósofo chileno Mario Irarrázabal emerge da areia, o deserto está vivo.

A paisagem extrema é estranhamente acolhedora. Sem nada ou ninguém em volta, não há porque posar.

É mais fácil me sentir confortável em minha própria pele, e pequeneza, tendo bilhões de anos em terras sedimentadas à volta. Quase como se estivesse no colo de um tataravô distante, bastante calejado por algumas diferentes eras geológicas, dinossauros e até um ou outro ET.

Dá alguma inveja das tribos atacameñas e suas pucarás, fortificações dos tempos pré-hispânicas nas quais habitavam. Ainda que lutassem para seguir vivos em meio aos inóspitos Valle de La Luna e Vale da Morte – locais nos quais a NASA hoje realiza testes de seus robôs interplanetários –, gosto de pensar que eram felizes em sua solitude.

Tinham o céu mais estrelado que se pode ver só para eles.

Pois esse é um dos locais menos iluminados do mundo, e por tal qualidade escolhido para hospedar o observatório internacional ALMA (Atacama Large Millimeter/Submillimeter Array), composto por 66 antenas móveis localizadas no Llano de Chajnantor.

Aventureiros e aventureiras cruzam oceanos para chegar até aqui e olhar para cima.

Link Vimeo

É fascinante.

Mas em sua aridez escancarada, o deserto facilita mesmo é olhar para baixo, para dentro de nossa própria tristeza. Afinal, ele está lá desde muito antes e vai seguir por muito mais. Difícil se achar grande coisa.

Na última madrugada antes de voltar a São Paulo, me deito na gelada espreguiçadeira do hotel Kunza, debaixo de muito céu, estrelas e silêncio.

Fica fácil entender a reverência dos nativos diante do vulcão Licancabur e todo o resto. Me despeço com vontade de retornar.

* * *

Comecei a redigir esse texto ainda no Chile, semana passada. A rápida viagem de três dias foi feita a convite da Ford, para conhecer sua nova linha de caminhões Cargo Extra-Pesados. Compartilho agora outras fotos:

Cenas da insólita casa de Pablo Neruda
Cenas da insólita casa de Pablo Neruda em Santiago, que visitamos antes do deserto

Um dos muitos bares na casa de Neruda, onde gostava de receber amigos como Vinícius de Moraes e Niemeyer
Um dos muitos bares na casa de Neruda, onde gostava de receber amigos como Vinícius de Moraes e Niemeyer

Bem-vindo ao Atacama
Bem-vindo ao Atacama (foto por Rafael Rosa)

Pás em busca de vento no meio do nada
Energia eólica em ação

A expedição
A expedição

Cortando a paisagem
Cortando a paisagem

Equipamento de telemetria que nos deram para acompanhar o desempenho dos caminhões
Equipamento de telemetria que nos deram para acompanhar o desempenho dos caminhões

"É uma cilada, Bino!" – co-estrelando o Cargo Extra-Pesado Ford
"É uma cilada, Bino!"

Hotel Kunze, onde nos hospedamos
Hotel Kunza, onde nos hospedamos

O Salar do Atacama, horizonte de tirar o fôlego
O Salar do Atacama, horizonte de tirar o fôlego

Bem-vindo ao Atacama
Adiós, Atacama! Ao fundo, o poderoso vulcão Licancabur

publicado em 27 de Agosto de 2013, 22:51
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: