Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Atleta de fim de semana: cuidados para evitar uma lesão

Não existe nada mais desanimador para alguém que pratica alguma atividade física do que sofrer uma lesão. Não importa se você é atleta profissional ou joga aquela pelada no final de semana, uma lesão vai atrapalhar seus treinos, sua diversão e sua vida pessoal.

A primeira coisa que precisamos ficar atentos quando falamos sobre lesões por atividades físicas é o tamanho do intervalo entre as práticas. Se a única atividade que você faz é jogar uma bola no domingo, você está mais propenso a se lesionar do que alguém que se exercita periodicamente, várias vezes na semana.

Isso nos leva a primeira dica para evitar lesões:

1. Construa sua armadura

Calma, garoto. Não faça isso da maneira errada

Seus músculos são como uma armadura para seus ligamentos e articulações. Eles absorvem consideravelmente a tensão que seria direcionada para as partes mais sensíveis do seu corpo. Construir uma musculatura de qualidade vai diminuir consideravelmente a probabilidade de se lesionar.

Mesmo que não pretenda se tornar um atleta profissional, é importante considerar exercícios de fortalecimento durante a semana. Seja subir alguns lances de escada por 30 minutos, uma corridinha de 20 minutos no parque e algumas flexões de braço. Preparar o corpo para o esforço que vai receber é como montar a armadura do guerreiro que vai pra guerra.

Estiramentos musculares são bastante frequentes em quem não se exercita com frequência, por isso, alongamentos diários vão estimular sua flexibilidade e prevenir alguns problemas que podem ser bem sérios.

2. Postura e técnica, depois potência

Se você acha que um chute de Bruce Lee pode sair da noite pro dia, o tombo pode ser grande, bem grande

No Parkour temos um pequeno lema para entender essa relação entre o corpo e a técnica. Costumamos dizer que:

“Primeiro faça, depois faça bem, só então faça bem e rápido”.

Em outras palavras, quando estamos desenvolvendo uma habilidade nova, seja correr, escalar, chutar, fazer flexões, subir escadas, ou caminhar, devemos primeiro aprender como fazer aquilo corretamente. Depois corrigir toda a forma e postura, refinando a técnica. Só então vamos adicionar potência no que estamos fazendo.

Lapidar a postura exata para executar uma técnica vai fazer toda diferença, inclusive aplicando isso para o cotidiano. Corrigir a forma que caminhamos, abaixamos para pegar uma caneta caída, levantamos da cama. Todas essas atividades podem causar lesões graves se feitas com desleixo. Agora imagine correr atrás de uma bola a toda potência?

3. Comer para prevenir

Come direito, moleque. Quer ser um atleta ou governador com sotaque?

Para manter a forma, costumamos restringir as calorias que ingerimos. Quando entram menos calorias do que o corpo precisa para se manter, ele entra em um estado catabólico, ou seja, o corpo se alimenta dos músculos.

Assim como comer demais e estar acima do peso são fortes indicadores de que uma lesão está a caminho, ingerir menos calorias do que o necessário também pode ocasionar contusões, seja pelo processo de catabolismo ou por pura falta de nutrientes responsáveis pela recuperação dos músculos, ligamentos e ossos.

A alimentação é um dos pilares mais importantes em qualquer tipo de treinamento. Uma boa rotina alimentar vai manter você livre de gripes e resfriados, amplificar a capacidade de recuperação muscular, e permitir treinar mais vezes e com menos risco.

4. Dor não é normal

No caso dela, a dor deve ser até esperada. Mas não é disso que estamos falando

Embora eu já tenha gritado muito durante meus treinos “A dor me alimenta, a dor é minha amiga”, esta não é bem uma linha de pensamento boa para se carregar por aí. As dores musculares como sinal de um treino bem sucedido, e esse tipo de dor é sempre bem vinda.

Se você se força o músculo, ele sofre pequenas lesões que, ao se recuperarem, vão deixá-lo mais forte.

Mas cuidado com dores que não são musculares. Procure observar qualquer relação entre dores mais agudas e relacionadas com os movimentos das articulações. Se alguma dor impedir você de se movimentar da forma normalmente costuma, é um grande sinal de que é hora de visitar um médico.

Entre pessoas que se exercitam casualmente, os pontos de maior atenção devem ser os joelhos, ombros e lombar. O que nos remete ao primeiro ponto do texto.

5. Descanso é treino

"Tô na relax, na tranquila, na boa"

Esse último é um lembrete para mim, um recado para meu traiçoeiro subconsciente.

O tripé do treinamento deve ser equilibrado: se um lado falhar, de nada adiantou todos os outros A estrutura inevitavelmente vai ruir.

Treinamento, alimentação e descanso devem andar juntos. Com muita frequência, na busca por resultados mais rápidos, negligenciamos a base mais óbvia. Quando nos empolgamos com alguma atividade nova, queremos fazer aquilo o máximo de vezes possível.

Passamos o dia todo esperando a próxima oportunidade de lutar, correr, fazer um gol. Quando rolou o futebol, sentiu o resultado daquela corrida que começou a fazer durante a semana e, agora, quer triplicar o tempo que corre, quer mais e mais resultado. Vamos aumentando a carga até sobrecarregarmos a máquina e, com isso, ela falha. Perdermos grande parte do trabalho por falta de equilíbrio.

Demorou muito tempo para entender que ficamos não fortes fazendo os exercícios, mas descansando deles.

Equilibrando todas essas dicas da melhor maneira possível, todo o retrocesso físico pode ser diminuído e, com sorte, até eliminado. Basta manter a cabeça no lugar para o corpo não perecer por causa de besteira. Essa é uma dica preciosa pra todo mundo que faz um mínimo de exercício físico, atleta frequente ou entusiasta de final de semana.


publicado em 10 de Maio de 2012, 07:15
12596172 10153389055960906 1551523976 n

Alberto Brandão

É analista de sistemas, estudante de física e escritor colunista do Papo de Homem. Escreve sobre tudo o que acha interessante no Mnenyie, e também produz uma newsletter semanal, a Caos (Con)textual, com textos exclusivos e curadoria de conteúdo. Ficaria honrado em ser seu amigo no Facebook e conversar com você por email.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura