Bacha e Shisha com o Ahmed

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Há algum tempo o Ivan, outro brasileiro aqui no meio da arabianada, tava me incitando a comer a tal da Bacha, ele fala que a gente tem que conhecer bem a cultura local, se “aprofundar”.

Queria eu que a Bacha fosse o que vocês estão pensando, mas infelizmente não é.

Bacha é uma especiaria árabe bastante tradicional nos países do Golfo, basicamente é comer cérebro, língua e bochechas de carneiro numa espelunca pós-apocalíptca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Aconchegante, um tanto rústico, mas ajuda a dar aquele clima de comida caseira, feita com carinho

O lugar onde o Ivan trabalha tem tantos árabes como onde eu trabalhava tinha indianos e depois de tanto ele insistir finalmente marcou com o Ahmed, redator da agência dele, mulçumano desde que deu o primeiro suspiro no mundo, o que provavelmente deve ter sido Alá, pra irmos comer a tal da Bacha.

Marcamos de encontrá-lo em um shopping em Citra, uma outra cidade. No caminho o Ivan foi logo preparando o espírito da gente:

“Rafael, nem vem com tuas putarias que o cara é muito islâmico”.

Beleza. Chegamos lá, encontramos o cara, apresentações, tapinhas nas costas, aquele clima amistoso e fomos com ele pra outra cidade, Riffa (se pronuncia Rafa), num bairro que estou esquecido do nome, mas que é bem tradicional. É lá que que fica o estabelecimento bachístico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Esse com camisa florida foi figurante no Rambo II e III.

O restaurante

O "restaurante" era totalmente detonado, só tinha uma mesa grande azul calcinha de fórmica onde todos comiam juntos, ventiladores de teto (dois e meio) e uma janelinha da qual você podia assistir de camarote o espetáculo que é ver aqueles cozinheiros de filme do Rambo extraindo os cérebros das cabeças sem vida e devidamente refogadas dos carneiros.

Pratos na mesa, vamos lá, pra ser mais roots ainda comemos com as mãos, não consegui passar do “dar só uma provada de cada coisa pra dizer que comi”. Impressionante como o Ahmed comia aquilo com gosto, tinha hora que todos os dedos da mão dele desapareciam dentro da boca, aquilo sim é um malabarismo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Pelo menos tinha Pepsi. Ou algo parecido com Pepsi.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tá vendo aquela gosminha ali? É um pedaço de cérebro misturado com língua.

O Ahmed, mostrando que era um bom anfitrião, pagou a conta. Saindo de lá fomos pra uma casa de Shisha, pra quem não sabe, Shisha é aquela traquitana com mangueira que as pessoas usam pra fumar, aí no Brasil também é conhecida como Narguilê (os libaneses levaram pra o Brasil com esse nome, é como eles chamam lá). Tem vários sabores, menta, pêssego, maçã, etc.

Pedi um de menta. Conversa vai, conversa vem, não resisti, vi que o Ahmed estava mais solto e quis descambar pro lado libertinoso da conversa. Estávamos falando de viagens e tal, ele disse que queria conhecer a Espanha, pronto, deixou a bola quicando:

“Imagina Ahmed, aquelas praias lindas, Ibiza, com aquelas mulheres maravilhosas fazendo topless…”

Ele me cortou:

“Eu quando viajo é pra conhecer os lugares e a cultura.”

Bem feito, Rafael. No mais foi tudo tranqulio, tirando a vontade de vomitar na volta. Dessa vez, mostrando que também somos bons convidados, pagamos a conta.

Seguem no artigo as fotos da presepada. A Bacha - não vomitei em cima, eu juro - os cozinheiros, a espelunca e eu tentando comer.


publicado em 16 de Janeiro de 2008, 11:26
07332f7878f50af93cdd556d0bffab64?s=130

Rafael Rizuto

Diretor de Arte, 30 anos, morando pelas bandas do Oriente Médio há 4 anos, mais precisamente em Dubai. Curioso e observador do comportamento humano. Adora surpresa de uva. Seus trabalhos estão reunidos em www.rafaelrizuto.com.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: