A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Balan, o que faz zarabatanas

Balan faz parte da tribo Pena, em Bornéu, uma ilha da Malásia. Ele é a única pessoa com conhecimentos para fazer a zarabatana, instrumento de caça em que se assopra para lançar um dardo envenenado na presa. Apenas ele e mais alguns anciões da ilha sabem manufaturar o artefato e viver da sua prática.

Esse é um vídeo lindo que mostra todo o trabalho de Balan.

Link Vimeo | Por favor, assista em tela cheia, na melhor qualidade e com o melhor fone de ouvidos que tiver por perto

Repare.

O som da floresta, cortado apenas pelo repetitivo bater da ferramenta que vai, pouco a pouco, deixando a madeira oca. Preste atenção em como o tempo por lá tem outro ritmo, escute os sons.

Preste atencão no tom de voz de Balan, na velocidade de sua fala juntamente com o vai e vem tranquilo do olhar dele. Sua risada, a água passando, os detalhes.

Ele diz que não se pode fazer a zarabatana com qualquer madeira. Precisa ser do lugar exato, a madeira exata. De todos os tipos de árvores, há uma específica que dará a madeira certinha para fazer a melhor arma.

"Você faz um buraco na madeira e aí começa a perfurar e perfurar e perfurar. É um trabalho árduo"

Ele escolhe, talha, raspa, alisa, cuida, se mistura.

O barulho da folha ao mostrar o veneno. O som da palavra veneno, "tajem".

"Não dói", segundo Balan. A vida simplesmente desaparece.

Ele assopra... e o dardo vai.

Balan sorri.

* * *

Nota dos editores: esse é um post despretensioso, um formato rápido com o qual pretendemos experimentar para compartilhar com vocês ideias e recomendações que valem sua atenção.


publicado em 29 de Junho de 2014, 05:11
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura