Biquínis brasileiros para gringas gostosas

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

O verão chegou. Pelo menos pra nós, no Brasil, porque na República Tcheca o invernão tá comendo solto. Agora, isso não parece ser problema nosso. E nem da já famosa dupla de amigas tchecas que anda divulgando sua visita ao Brasil, pedindo todo tipo de sugestões e dicas que podem ser úteis pra elas aproveitarem a temporada devidamente: festas, lugares pra conhecer, drinks, praias e... biquínis.

Vejam o vídeo que elas subiram hoje. Alguma surpresa quanto ao corpo das gurias?

Link YouTube

Qual biquíni você prefere? "O roxas"?

Bom, por que não nos deixamos contagiar pelo espírito fraternal natalino e oferecemos nossa ajuda pra elas, de bom coração? Por que não dar pra elas algumas dicas sobre os biquínis brasileiros?

Tudo bem que pode parecer estranho homens falando sobre biquínis pra mulheres, mas se considerarmos que a praia mais próxima delas está a um ou dois países de distância e que o Brasil é servido com mais de 7.000 km de litoral, acho que isso nos dá alguma propriedade. Até porque nenhum estilista homossexual supera as horas de contemplação e análise centrada que qualquer homem já fez de corpos femininos na praia.

Então aí vai mais uma parte do “Guia PdH para gringas gostosas no Brasil”.

"Uma mulher de biquíni é como ter uma pistola carregada sobre a mesa da sala: não tem nada de errado com ela, mas é difícil parar de pensar nisso." –Garrison Keillor

As origens

Muita coisa aconteceu desde a Segunda Guerra, quando o francês Louis Réard presenteou o mundo com o lançamento da menor peça de vestuário feminino. Nada mais apropriado, claro, do que dar pra sua criação o nome do atol no pacífico onde os americanos faziam testes com bombas nucleares.

"Olha aqui, estou definindo o futuro do comportamento feminino."

Nós não temos como sequer imaginar, hoje, em tempos de BBB e globeleza nua e pintada na TV em qualquer horário, o tamanho do escândalo e da ousadia que foi o lançamento, na sua época. Pra terem ideia, a única “modelo” que topou ser fotografada com a nova invenção foi uma stripper, a corajosa Micheline Bernardini.

Micheline Bernardini posando com um dos primeiros biquínis (até que não eram tão grandes, né?).

O biquíni chegou no Brasil um pouco mais de uma década depois, no final dos anos 50, e fez sua estreia na praia de Copacabana onde pequenas multidões se juntavam pra tietar a as vedetes mais ousadas. De lá pra cá surgiu uma verdadeira infinidade de opções, tipos, tecidos, materiais, modelos, detalhes e cores, pra todos os estilos e tipos de mulheres.

Brazilian beach fashion tips

Se é que podemos falar em tendência de moda na praia, o que se viu no São Paulo Fashion Week e no Fashion Rio 2010 foi uma panelada de informações que torna difícil apontar qualquer direção como sendo a melhor. Tem muita coisa valendo.

Maiôs, triquínis e engana-mamães (homens, é uma peça que na frente parece maiô e atrás parece um biquíni) com vários tipos de recortes. Hot pants ou calcinhas de cintura alta são opções mais pontuais, algo dessa estação, mas os vários tipos de biquínis cortininha continuam sendo ótima alternativa. Tops trabalhados de muitas formas, com bordados e decorações, ou transpassados e assimétricos, e muitos tomara-que-caia.

Algo que vai ser bem característico e marcante da moda praia brasileira, pra esse verão, são as cores. Muitas delas. Imagine essas opções acima com recortes, bases e estampas de vários tons e contrastes, inclusive néons e efeitos metalizados.

Marquinha de biquíni é "tendência fortíssima" para a estação. Se bem que homem sempre tende pra mesma coisa...

Com tantas informações em vista, o segredo é usar as peças de uma forma que valorize adequadamente cada detalhe do corpo.

Pra quem tem seios pequenos, cai muito bem usar tops com mais detalhes, bordados ou brocados. Usar sutiãs com bojo ajuda a dar mais volume para o busto também.

Xaveco #312: finja-se de estilista gay. Em vez de dizer "Que peituda você!", diga "Impressionante como os detalhes no top valorizam o busto".

Mas esse não parece ser o caso das moçoilas tchecas. Seios volumosos combinam com tops tipo faixa com alças ou frente-única, que dão boa sustentação. Mas, como no Brasil se tem uma grande predileção pelas marcas de bronzeado, os cortininhas podem cair muito bem também.

Pra quadris mais estreitos, as calcinhas com laços, de um ou dois lados, são ótimas. Outros detalhes nas laterais também ajudam a “ampliar” o volume da região: aplicações, bordados, pedras etc. Para quadris mais largos, é bom ter o cuidado de não usar peças muito apertadas, que marquem o corpo. Modelos com faixas laterais mais largas são bem indicados, além de confortáveis.

"O pessoal da moda diz que lacinhos nas laterais valorizam o quadril, mas eu digo que vou valorizar mesmo se você desamarrá-los."

Ao que tudo indica, as tchecas são dotadas de quadris e ombros com medida parecida, seios bem delineados e cintura estreita. Então a verdade é que são bem sortudas, digamos, e ficarão bem com qualquer combinação. Para comprovar, enviamos alguns biquínis brasileiros para elas e pedimos que gravassem um vídeo de agradecimento. Vamos ver se rola.

Leitoras PdH, por que não mostram boa hospitalidade somando as suas próprias dicas ao post? Se enviar com fotos suas na praia, fica melhor ainda.

Twitcam com Michaela e Dominika: hoje, às 16h.

Elas nos avisaram que aparecerão online no Twitcam hoje, às 16h (horário de Brasília). Elas devem passar o link pelo Twitter @weluvbrazil.

Se estiver de bobeira aí, acho que será divertido.


publicado em 21 de Dezembro de 2010, 10:25
93facd7c099dffcde6ae28211fa17fb8?s=130

Equipe PapodeHomem

Identidade coletiva do PdH.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: