Bom dia, Alysha Nett

A humanidade caminha sobre uma pilha de equívocos! Achamos que todos os israelenses odeiam todos os iranianos, achamos que sabemos tudo sobre a Ásia, que podemos prever, só de olhar pra cara um homem, se ele é uma pessoa boa ou não. Malentendidos estão por aí, em toda parte.

Olhar a pequena Alysha Nett e imaginar rebeldia, problemas com os pais, independência, rispidez, molecagem, falta de feminilidade, é ver uma pequenina parte do que ela pode ser.

Link Vimeo

O corpo da nossa Alysha é tomado de uma delicadeza que assusta, mais do que poderia afugentar as tatuagens que ela tem espalhada pelas coxas, braços, pés, pélvis. Ela curva o quadril, dobra as pernocas, levanta o pescocinho e se transforma num poço de candura, linda e faceira, mesmo debaixo da franja platinada e raízes propositadamente largadas ao deus dará.

"Essa menina aí, se parar pra ver, é tipo crocante por fora, mas bem docinha por dentro".

A maquiagem é atual, as marcas na pele também, assim como a (pouca ou nenhuma) roupa e o cabelo e o cenário e todo o resto. Mas se separarmos tudo isso e deixarmos apenas o sorriso, a feição da garota, conseguiremos ver a beleza clássica da pequena Alysha, aquela beleza que os produtores procuravam (e ainda procuram) para as divas de Hollywood. O nariz afinado, quase longo, a boquinha pequena e saliente, maquilar longo e queixo afinadinho, desenhadinho.

Link Vimeo

O sorriso ilumina qualquer cômodo. O olhar dela não deixa a desejar, desculpem-me os mais puristas, a nenhum daqueles que as mulheres de Hollywood possuem, ostentam. Audrey, Grace, Tea, Anne. Alysha poderia ser qualquer uma delas.

Vai lá. Dá oi pra ela.

 


publicado em 01 de Outubro de 2012, 07:10
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura