Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Bom dia, Levy Tran

Tem uma coisa na mistura que me fascina. Todo mundo tem encrustado na cabeça uma série de intenções que visa estereotipar. Dizem que o alemão bebe pra cacete, que o japonês é tímido (e louco), que americanos são gordos e apaixonados por armas...

... o irlandês é ruivo, o russo bebe vodka, os africanos são todos negros (como não poderiam ser!), loiras são de um jeito, morenas agem de tal forma, as européias são assim e as latinas, assadas. Uma segregação mundial na ponta da língua de cada um que gosta de der metido a entendedor.

E aí a gente vem e bagunça tudo do melhor jeito. Pega um pouco de cá, toma um pouco do lado de lá e, nessa putaria deliciosa, desvairada e desmedida, misturamos tudo. Não tem raça, cor ou antecedente étnico que segure. A miscigenação foi o melhor pecado cometido pelo ser humano.

Dessa deliciosa transgressão da humanidade, as mestiças chegaram aos mais longínquos espaçozinhos do planeta. Elas estão em todos os lugares e em suas mais maravilhosas formas e conteúdos. É o caso da nossa pequena Levy Tran.

Ela tem todos os traços de uma delicada oriental, daquelas que poderiam muito bem servir de perfeito modelo para as personagens submissas e silenciosas do O País das Neves, do escritor japonês Yasunari Kawabata. Isso se não fossem os riscacos pelo corpo, o sorriso completamente tomado de confiança e malícia. Essa troca, esse híbrido teimoso, arrogante e por demais encantador prende a atenção de qualquer um que tenha um tico de vontades.

Link Vimeo

Vai lá. Dá um oi pra ela.

Boa semana a todos.

 


publicado em 28 de Janeiro de 2013, 12:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura