Bom dia, Matilda Price

Foi revolucionário.

No meio dos anos 80, uma marca de calça jeans colocou na televisão (lembrem-se que não havia internet e a TV era um meio de comunicação ainda mais potente do que hoje) um comercial em que um cara jovem entra na lavanderia para lavar suas roupas e fica só de cuecas.

Ele é boa pinta, ele é livre, está no embalo do sonho americano. Ele só tem um par de jeans para usar. É o jeans clássico, parrudo, viril. E lá estava o cara, de samba-canção, deixando meninas com calor e tiozões em estado de desconforto. Era demais.

As vendas das calças subiram vertiginosamente. Foi algo absurdo.

Hoje, mesmo que não com o mesmo impacto cultural (não é um vídeo de massa como um comercial televisivo dos anos 80), mas um gosto ainda maior.

A revista Monster Children (que é distribuída nos Estados Unidos e Austrália) fez um vídeo com a Matilda Price para a sua edição 40.

O vídeo? Uma mulher que chega na lavanderia, coloca suas peças de roupas no lavador de roupas e, também, a camiseta que está usando.

Link Vimeo

Uma diferença crucial ainda me entristece: a loja está vazia.

Por que diabos uma mulher não poderia fazer o mesmo? Descolada, linda, livre e vivendo um anacrônico sonho americano?

Ainda assim, um belo e rápido vídeo. Toda a liberdade desse mundo pra Matilde. Que ela ainda possa lavar sua camiseta recém saída do corpo em muitas lavanderias ao redor do mundo.

matilda
©sh-04263
tumblr_me8acjV5so1qdsgoyo1_500
matilda-price-534706
DamienNikora6

Boa semana a todos.


publicado em 04 de Novembro de 2013, 08:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura