Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Caricatura foda de Ken Wilber

Há alguns dias, publicamos um artigo apresentando Ken Wilber. Na sequência, Felipe Cherubin completou com a primeira entrevista dele no Brasil.

Primeiro, preciso salientar que foi um grande privilégio ter o Cherubin logo em sua estréia aqui no PdH compartilhando conosco conhecimento sobre a trajetória de Wilber. Não me faço de culto, sou um dentre a grande maioria de leitores que nunca sequer havia ouvido falar no modelo integral. Devorei os textos.

Ambos foram muito bem recebidos, disseminados e comentados por vocês. Uma feliz surpresa.

No entanto, a cereja do bolo veio ontem. Eis que recebo inusitado um email do Felipe Cherubin:

Um amigo meu gostou tanto da matéria que fez uma caricatura do Wilber , ficou um barato. Na hora que recebi  perguntei para ele, de supetão , se poderia passar para vocês e ele topou.
O nome dele é Cido Gonçalves e ele é um caricaturista prestiado na grande mídia.
Se tiver interesse o Cido só me pediu que dessem os créditos da autoria acima em negrito e ,de resto, ele fez por paixão.
Um grande abraço,
Felipe Cherubin

Puta presente. Nesses momentos me lembro do quão do caralho é trabalhar com paixão, como fazemos por aqui. Isso move outras pessoas, da melhor maneira possível.

Sem mais delongas, a caricatura.

Freud? Buda? Conheça Wilber.
Crédito: Cido Gonçalves, caricaturista, ilustrador e infografista. Iniciou a carreira no jornal Folha de S. Paulo no inicio da década dos anos 90, passando depois pelas redações do jornal O Estado de S. Paulo e revista Veja.

Blog do Cido: ciddogonn.blog.uol.com.br

--

E agora, é sua obrigação ler os dois artigo abaixo:


publicado em 02 de Setembro de 2010, 09:22
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura