Carta aberta à pessoa que pegou meu Kindle

Perdi meu Kindle no ônibus e alguém pegou.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

Olá, pessoa que pegou meu Kindle, tudo bem? Por motivos de facilidade de entendimento, vou te chamar de Michel. Acho que é um nome que combina, já que você hoje possui uma coisa que não é, de direito, sua.

Nós já nos esbarramos por aí. Porque, provavelmente, moramos no mesmo bairro e pegamos o mesmo ônibus. Deduzo isso de forma simples já que foi neste veículo que eu perdi o meu Kindle. E como eu o perdi assim que desci no meu ponto, presumo que você ou estava na mesma viagem que eu, ou pegou a próxima.

Acho que você estava lá. Uma vez que costumo pegar a última ou a penúltima viagem. Porém, estou apenas supondo. Gosto de pensar que você é "grifter" de ocasião. E que, assim que fui embora, você já tinha se decidido. Por motivos de uma história bem construída com motivações pertinentes, você não poderia ser uma pessoa que sentou no lugar em que estive, se deparou com um Kindle perdido e resolveu guardar para si.

Enfim. Estou entrando na especulação aqui, mas acho que você me viu lendo. E talvez tenha reparado que, ao invés de guardar o aparelho na mochila, ou deixei-o cair – sem perceber, ou simplesmente coloquei-o na poltrona ao lado. Ao me ver partindo, deixando para trás o leitor de livros virtuais desejado, decidiu que ficaria com ele.

Vou te falar que você está certíssimo. Eu também pegaria o meu Kindle.

Este aparelho é, digo, foi, a melhor compra que fiz na vida. Eu levava toda minha biblioteca na mochila. Meus livros preferidos. Minhas próximas leituras. Naquele dia em particular, caso queira saber, Michel, eu estava lendo O Conto da Aia. Era o livro da vez no Clube do Livro que faço parte. Além deste, havia acabado de ler seis livros de um escritor polonês, contando as histórias do Bruxo Geralt. Recomendo muito.

Aliás, escrevo esse texto não para julgar seu ato.

Você tem uma coleção de livros fantástica na mão. Se não me engano, uns 126 títulos. Tomara que você tenha um gosto para literatura parecida com o meu. Se for isso mesmo, jackpot meu amigo.

Tem a obra do Tolkien, quase tudo do Stephen King, uma ótima seleção de cronistas brasileiros. Além de coletâneas de contos do Machado de Assis, Lovecraft, e um compilado bem montado de livros sobre futebol. Além, é claro, de vários livros de ficção científica. Muita coisa de clássicos como Arthur C. Clarke, Asimov, Philip K. Dick e autores nem tão conhecidos, mas tão bons quanto.

Uma coisa legal também, é que eu tenho na minha biblioteca digital o meu próprio livro. Talvez você leia algo que goste lá. É uma seleção das melhores crônicas e textos que já escrevi. Não sei se indico tanto quanto os citados acima, mas provavelmente vai te divertir.

Espero que aproveite essa vasta variedade de livros. Até porque você não vai poder mudar isso com tanta liberdade. Por motivos de você poder usar meu dinheiro sem que eu permita, caro Michel, eu liguei para a Amazon e bloqueei o aparelho. Acessar a internet será impossível, assim como associar sua conta ao aparelho.

Mas assim, tem muito livro bom.

Eu não vou comprar outro Kindle tão cedo. Infelizmente, tenho outras prioridades no momento.

O triste de verdade para mim não é ter perdido esse aparelhinho fantástico, mas sim o fato de a minha cabeça estar tão cheia e eu tão ansioso/estressado/preocupado que eu simplesmente não me liguei que não havia guardado o Kindle na mochila. Detalhe: eu leio, digo, lia, todos os dias no ônibus e repetia os mesmos movimentos sempre.

Enfim.

Faça bom proveito. Ele foi um ótimo companheiro e eu espero que ele te faça tão feliz quanto me fez.

Um abraço,

Pedro Turambar.

Ps.: Se curtir, faça um review do meu livro na Amazon, ajuda muito.

* * *

Obs: este artigo foi originalmente publicado no Medium do autor em outubro de 2017. Ele ainda não recuperou seu Kindle e não comprou outro aparelho.


publicado em 18 de Janeiro de 2018, 00:00
28d2dc073d6cdf08302c0ed5fa15db8a?s=130

Pedro Turambar

Pedro tinha 25 anos e já foi publicitário. Ganha a vida fazendo layouts, sonha em poder continuar escrevendo e, quem sabe, ganhar algum dinheiro com isso. Fundou o blog O Crepúsculo e tem que aguentar as piadinhas até hoje. No Twitter, atende por @pedroturambar.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: