[+18] Charles Bronson, mulher com iniciativa e paternidade: setembro foi intenso

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg
  • Asm selo png

O mês de setembro foi daqueles que nos presentea com um breve momento de calmaria antes da tempestade.

Tivemos o feriadão de 7 de setembro estrategicamente posicionado numa sexta-feira. Muitos comemoraram o momento patriótico cantando o hino nacional e acompanhando as paradas militares. Outros, preferiram pegar a estrada e explorar territórios distantes das fronteiras psicológicas de casa.

Depois desse momento de relaxamento, nós começamos o mês nos sentindo renovados e acelarando o processo de organização do 5º Encontro Nacional da Cabana. Escrevemos um post e, pela primeira vez, abrimos o que tanto fazemos reunidos com caras de várias partes do Brasil. A programação desta edição foi uma das mais intensas, tivemos uma manhã de meditação, workshop de música, uma Jam gigantesca com todos os participantes, papo sobre dinheiro, palestra sobre feminismo, aula de forró e uma festa para descontrair.

Convidamos mais uma banda para gravar um PdH Sessions, que já captamos e está em fase de edição. Em breve estará pipocando por aqui.

Quanto aos textos, tivemos um relato muito emotivo da Paula Abreu, abrindo seu caso de estupro, um ótimo debate sobre a moda para crianças, outro sobre o medo masculino de mulheres com iniciativa, uma série de relatos sob o ponto de vista do Alex Castro do que seria o papel do homem enquanto pai, entre outros.

Setembro foi um mês movimentado.

E vocês, o que acharam do PapodeHomem nos últimos 30 dias?

1. Fui estuprada, por Paula Abreu (88,599)

Há quase dez anos fui estuprada. Não fui estuprada por um estranho. Sei o nome e sobrenome do meu estuprador, e há dez anos sabia também o seu endereço, onde trabalhava, o que fazia, onde tinha estudado, quem eram seus amigos.

Fui estuprada por um amigo, num encontro.

2. Por um ano, ela não se viu no espelho, por Fabio Bracht (34,509)

Enquanto adolescente, Kjerstin (como a maioria das adolescentes) era extremamente insegura com sua aparência. A ponto de (como poucas, felizmente) desenvolver anorexia. Após muito tempo de terapia e uma ferrenha luta psicológica contra essa condição, ela finalmente se viu livre da crença de que precisava ter o corpo perfeito. Seguiu a vida, estudou sociologia, trabalhou com moda, noivou e foi escolher o vestido – momento no qual a coisa começou a incomodar de novo.

Então decidiu não se ver mais no espelho.

3. Charles Bronson/Michael Gordon Peterson | Homens que você deveria conhecer #35, por Jader Pires (33,808)

Michael Gordon Peterson nasceu para ser violento. Aos quatro anos, sua família se mudou de Luton, Bedfordshire (há aproximadamente 50km de Londres) para a cidade de Ellesmere Port, Cheshire, um território industrial e portuário. Lá, aos 13 anos, já havia se tornado um pequeno criminoso, fazendo parte de um grupo de jovens ladrõezinhos. De temperamento difícil, sempre arranjava encrencas e se metia em brigas, além de cabular as aulas da escola. Basicamente, o pequeno Peterson vivia para as coisas erradas.

4. Convocação para o “Bom dia”, por Jader Pires (28,318)

Simplicidade na explicação, pra gente ficar com o deleite: estamos buscando novas garotas para estrelarem os futuros “Bom dia”, que serão filmados entre o final de setembro e começo de outubro, com publicação em novembro e dezembro. A produção vai ficar, novamente, a cargo dos gênios da Monstro Filmes, logo, vai ficar foda pra cacete.

5. É isso que estão querendo fazer as crianças vestirem hoje em dia?, por Fabio Bracht (27,264)

Eu nunca navego no Pinterest, juro. Não faço ideia de como fui parar lá esses dias — e tudo bem, porque isso não é importante –, mas o fato é que acabei vendo algo que me subtraiu de todos os butiás que carregava comigo nos compartimentos costurados às minhas roupas: fotos assustadoras de moda infantil.

6. Mulher com iniciativa brocha homem mentiroso, por Francesinha (26,701)

Ela ainda quer. Agora

Eles reclamam que estão cansados de ter que quase sempre tomar a iniciativa no jogo da sedução. Mesmo depois da revolução feminina, muitas rebeladas permanecem passivamente à espera do macho caçador. Nas mesas de bar, os homens sonham com uma mulher que queira apenas sexo e que não seja mais uma donzela em busca do príncipe encantado. Também divagam sobre uma espécie rara que dispensa a conversinha fiada, os jantares, as saidinhas preliminares e afins, e vai direto ao ponto, ou seja, que está a fim de uma boa trepada sem delongas, compromisso e os manjados e subterfúgios românticos falsos para chegar até a esse ponto.

Mas quando essa mulher, finalmente, toma as rédeas da conquista, o discurso muitas vezes cai por terra. E, infelizmente, o pau também.

7. Pernas, meias sete oitavos e cinta liga, por Everton Maciel (18,162)

Como o equivalente masculino às meias com cinta-liga é a cueca boxer com suspensório, melhor falar de coisas mais agradáveis. Decidi fazer uma pequena genealogia de um conjunto de artefatos que deixam qualquer homem louco: pernas, meias sete oitavos e cinta-liga.

Para as mulheres leitoras do PdH, explico dizendo que se trata do mesmo prazer sensitivo proporcionado por um sorvete de pistache. Assim, a leitura das mulheres já pode parar por aqui. E as próximas linhas são exclusivas para homens. Ponto. Nova linha.

8. [+18] Bom dia, Rosie Jones, por Jader Pires (17,517)

Rosie Jones é amiguinha da India Raynolds, a pequena deliciosa que foi estrela de um dos “Bom Dia” mais gostosos. Ela também é inglesa, também queridinha da Front Magazine, tem seios tão lindos quanto os da India, mas com um sorrisinho ainda mais sapeca.

Link Vídeo

9. A fácil paternidade, por Alex Castro (16,601)

De vez em quando, o assunto passa pelos filhos. Me dão umas cutucadas, dizem que homem tem que ter filho para ser pleno, trocam histórias orgulhosas de seus pimpolhos, essas coisas.

E eu, que sei que tem coisas que não se falam porque ferem fundo; eu que não quero atacar a própria imagem que meus amigos têm de si mesmos; eu que sou amigo de muitas mulheres que criam sozinhas filhos de pais que moram longe; eu que sei que tirar remela, botar roupinha, levar pra escola, contar história é mais difícil e cansativo que assinar um cheque todo dia cinco; eu fico cuidadosamente calado, ou então digo apenas:

“Vocês é que têm sorte. Eu nunca vou provar das delícias de ser pai.”

10. Músicas e clipes que (me) provocam tanto quanto uma preliminar, por Maria Eugenia Ciconello (15,573)

Escrevo esse artigo ao som de músicas que ouvi pela primeira vez antes de completar o primário. Músicas que sempre me contagiaram e que mesmo quando eu não tinha noção nenhuma do verbo “to be”, cantarolava por aí. Letras sexuais? Não, considero apenas sensuais.

A maioria delas é dos anos 80 e 90, época onde o sexy era muito mais excitante, em vez de jogar tudo na cara, sem sutileza alguma, os videoclipes mostravam corpos nus de gente bonita em preto e branco, com poses muito mais sensuais do que a apelação para roupas curtas.

Quer saber quais músicas e clipes me deixam no ponto?

publicado em 03 de Outubro de 2012, 16:13
Avatar01

Luciano Ribeiro

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: