Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Charlie e os Marretas | Eu ouvi pra você #6

Charlie e os Marretas coloca a brasilidade e o sangue latino pra trabalhar nas plataformas do funk de James Brown e Tim Maia. Amigo, você vai se mexer.

download

Teve uma época que o funk fez seu caminho no Brasil e tocava em todo lugar, em especial, nos bailes, rádios e churrascos de domingo. Minha impressão é que é de assustar termos tão pouca gente fazendo esse som e colocando as pessoas pra dançar – aliás, se tiverem mais sugestões dentro do estilo, estou em busca.

O Charlie e os Marretas tem essa qualidade: não dá pra ouvir sem querer se movimentar. E, pra quem fez seu caminho ouvindo Tim Maia, por exemplo, garanto: você não vai se decepcionar. E espero que esteja com as baterias em dia, por que a animação é alta do início ao fim.

Charlie e os Marretas (2014)

Vídeos

Link Youtube

Link Youtube

Link Youtube

Link Youtube

Onde achar os caras

Quer compartilhar um som?

Uma das coisas mais legais e íntimas, pra mim, é compartilhar o que estou ouvindo. E acho o máximo quando alguém faz o mesmo comigo.

Nesse espírito de brodagem, sem compromisso, mas com amor no coração, achei que talvez fosse legal transformar esse impulso em uma coluna no PapodeHomem. Assim, aqui estou eu, compartilhando com vocês desse novo espaço: o Eu Ouvi Pra Você.

A ideia é trazer quinzenalmente uma nova sugestão musical para se ouvir durante o dia, com todos os links que você precisa para conhecer e acompanhar de perto do trabalho do artista/músico. 

Se você tiver alguma sugestão ou tem uma banda e gostaria de figurar por aqui, é só mandar um e-mail no euouvipravoce@papodehomem.com.br com tudo o que tem para mostrar.


publicado em 05 de Novembro de 2014, 16:30
Avatar01

Luciano Andolini

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Facebook e Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura