Charlie Harper e o poker

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Salve, leitores PdH! Nosso segundo texto no PapodeHomem nasceu de uma discussão no escritório da revista Bluff em Belo Horizonte. Depois de um longo dia de correções, diagramações e discussões, começamos a ponderar: se o personagem de Charlie Sheen em Two and a Half Men jogasse poker na vida real, ele seria um grande vencedor ou perdedor?

Em uma das cenas do seriado ele aparece perdendo uma nota para seu sobrinho Jake, mas definitivamente o garanhão californiano tem mais características de um jogador vencedor do que de um derrotado nas mesas.

Vamos avaliar as características que tornam o nosso herói um cara apropriado (ou não) para o jogo.

Desapego ao dinheiro

Esta é uma característica comum a todos os grandes jogadores de poker. Não adianta fazer a leitura perfeita do adversário, entender que está na hora de fazer um move monstruoso e não ter coragem para agir.

Ele é desapegado de dinheiro. Suas companhias nem sempre.

Se o jogador sentir o peso do dinheiro que vai colocar em um blefe num cash game ou na reta final de um torneio, ele nunca vai ser um grande vencedor no jogo. Ao mesmo tempo em que um jogador deve saber cuidar de seu bankroll (glossário no fim do post), ele deve ter desapego pelo valor financeiro das fichas e ter consciência de que o dinheiro no pote não lhe pertence mais.

Nunca se deve jogar dinheiro bom sobre dinheiro ruim, ou seja, se você não tem chance de ganhar o pote, não importa quanto tenha investido nele, deixe-o ir para outro jogador, levante a cabeça e vá para a próxima mão como se nada tivesse acontecido.

Simpatia e carisma

Ser agradável à mesa é sempre uma atitude lucrativa. O vencedor no poker ao vivo tem consciência de que suas contas são pagas pelos perdedores. Ele sabe que, ao contrário dele, a maioria dos jogadores estão ali por puro e simples entretenimento, e que o dinheiro que perdem é o que eles consideram o custo de sua diversão. Portanto, ele nunca maltrata o perdedor.

Pelo contrário, trata o adversário como cliente. Elogia quando o perdedor acerta um milagre no river porque sabe que se ele continuar perseguindo milagres a longo prazo, vai pagar caro por isto. Mesmo quando tem que cheirar a fumaça do cigarro de sua clientela.

Não se deixar abater

Todos lembramos do antológico episódio em que Charlie toma um soco de um marido nervoso, outro de um namorado traído, perde uma de suas bolas (!?) e ainda acaba sendo preso num bar ao cantar uma policial disfarçada (mesmo sabendo que teria pouquíssimas chances de fazer bonito na cama caso a cantada fosse bem-sucedida).

Assim é o jogador de poker. Ele vê a mão passada como lição para o futuro, mas jamais se deixa abater por resultados negativos, bad beats e afins.

Saber dar "falinhas"

O significado da palavra "falinha" em “pokerês” é conversa mole para convencer, intimidar ou mexer com o orgulho do adversário para que ele tome a atitude que você deseja. O poker é um jogo de pessoas mais do que de cartas. Conseguir entrar na mente do adversário é uma característica comum em profissionais dos high stakes. Cá entre nós, para levar a Mia (Emmanuelle Vaugier) para a cama é necessário ser um mestre no assunto.

Mia, a grande frustração de Charlie.

Hábitos noturnos

Não importa se você joga ao vivo ou online. Assim como o artista tem que ir aonde o povo está, o jogador tem que estar onde está o melhor jogo, e o melhor jogo geralmente acontece à noite. Os torneios, por exemplo, têm hora marcada para começar, mas só acabam quando um jogador elimina seu último adversário. Eu mesmo cansei de ver retas finais de grandes torneios acontecerem pela manhã, quando eu já havia chegado ao meu escritório.

No caso dos cash games, o jogo geralmente fica melhor no fim da madrugada, quando os adversários já estão cansados ou bêbados e com muitas fichas à frente, o que os permite cometer erros colossais.

Solteirice

Lendo o tópico acima eu me lembrei da seguinte frase do jogador e executivo de cassino Bobby Baldwin:

"It takes a special kind of woman to be married to a gambler."
[É preciso ser uma mulher especial para se casar com um jogador]

Fato. Ser casada com um jogador não é tarefa fácil para nenhuma mulher, especialmente por causa de horários, viagens, tilt e coisas do gênero. Como o Charlie é um solteiro inveterado, ele não tem com que se preocupar.

"Sim, flor, ele tá louquinho pra fazer um ménage, mas não, ok? Não. Deixa que hoje ele resolve isso mais à noite. Sonhando."

Álcool

Se há uma característica que torna o personagem um forte candidato a ser perdedor em poker é sua obsessão por bebidas alcoólicas. O álcool afeta a capacidade de concentração do jogador e dificulta a leitura dos outros jogadores e a tomada de decisões.

No poker os jogadores jogam uns contra os outros, mas em jogos de cassino em que o jogador joga contra a banca é normal a casa oferecer bebidas alcoólicas gratuitamente – e isso não é feito por gentileza.

Seleção de mãos

Saber quais mãos jogar em quais posições – e saber como abordá-las – é uma condição essencial para quem quer ser vencedor. Ser criterioso quanto à escolha de mãos torna o jogo mais tedioso e o jogador recreativo gosta de ver todos os flops por qualquer preço. Sendo assim, quando você joga com cartas melhores que a média, suas decisões se tornam mais fáceis e lucrativas, apesar do fato de que o jogo se torna muito menos divertido para você.

Se o Charlie escolher suas mãos da mesma forma que escolhe mulheres, ele sempre vai ser um perdedor no jogo. Quem joga o range inteiro está fadado ao fracasso.

Gestão financeira

Outra característica que pode ser extremamente prejudicial ao personagem e que é muito comum em jogadores de poker é a falta de controle de bankroll. O autocontrole e a separação do “dinheiro de poker” do “dinheiro da vida” são essenciais para que o jogador se mantenha sempre em condições de trabalhar.

O personagem Charlie Harper é um action junkie: aposta em diversas modalidades em que as chances estão contra o jogador, como roleta, Blackjack, cavalos e apostas esportivas. Não adianta passar a noite na mesa ganhando o dinheiro alheio e depois entregá-lo ao cassino no caminho para o caixa...

Link YouTube | Se não ficou claro, isso é uma falinha!

Espero que o leitor do PdH tenha entendido o que torna um jogador vencedor e esteja consciente de que basta uma má característica para impedir uma carreira de sucesso.

Um abraço e até a próxima!

Agradeço a colaboração de Andrei “Porcoespinho” Mosman (coordenador do projeto Sit and Go Team Pro, jogador patrocinado pelo site Copacabana Poker, moderador do fórum 4 Bet e coach de poker através em seu site) e Felipe de Paulo – FelipePhil, diretor do estúdio de comunicação heads.up! e responsável pela tradução e revisão da revista Bluff Brasil.

Mini glossário


  • Action Junkie: Pessoa viciada em apostas que geralmente ignora estatísticas e probabilidades.

  • Bad Beat: Jogada em que um jogador que tinha chances estatísticas mínimas acerta sua mão e ganha o pote.

  • Bankroll: Dinheiro disponível para o jogador, que deve ser tratado como ferramenta de trabalho, pois sem ele é impossível trabalhar.

  • Flop: Três primeiras cartas comunitárias que são abertas na mesa.

  • Move: Jogada de poker baseada na leitura do adversário, que pode ser feita com mãos marginais.

  • Range: Gama de mãos iniciais de um jogador.

  • River: Última carta comunitária que é aberta na mesa.

  • Tilt: Estado de confusão mental ou frustração que leva o jogador a perder o controle.


publicado em 16 de Março de 2011, 14:57
A1101bf7d5b8382363b0cb45b3d40d56?s=130

Guilherme Kalil

É narrador do programa Poker Show na rede BhNews e continua viciado em Coca Zero.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: