Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Chute na oreia

Inspirado pelo post sobre as Summer Tapes, resolvi dar continuidade e falar um pouco das fitas de thrash que eu gravava. Na verdade, em Rio Claro, o thrash metal não chegava em larga escala. Nem em boa escala. Por isso, na época eu ouvia poucas bandas e nem sempre seus melhores discos.

Aproveitando a amplitude e as possibilidades da internet, vou soltar uma lista com algumas músicas matadoras. Verdadeiros clássicos estabelecidos do "pesado" e algumas saborosas surpresas. Não vou me restringir a um estilo, mas pode-se identificar um fio condutor entre os sons. Vamos lá.

Uma das poucas capas que fazem jus ao som

Metallica | "Battery"

Não dá para não abrir a lista com outra música senão essa. Metallica praticamente inventou o thrash metal e Master of Puppets é a sua bíblia. "Battery" abre o disco. Mesmo passados tantos anos, não há como se arrepiar. Imagina em 1986!

Link YouTube

Pantera | "I'm Broken"

Foi muito difícil escolher alguma música desses caras. O Pantera fazia um peso literal e cru. Intragável como tomar uma sapatada na cara logo pela manhã. Dimebag Darrel é uma das guitarras mais criativas da música. Escolhi "I'm Broken" por resumir bem a banda: energia e peso.

Link YouTube

Slayer | "Angel of Death"

Para completar a tríade sagrada do peso, chega a vez do Slayer. Seu líder, Tom Araya anda mal de saúde e desenvolveu uma contusão crônica no pescoço. Não é de se estranhar, já que é quase impossível não bater cabeça com "Angel of Death".

Link YouTube

Sepultura | "Arise"

Esse grupo mineiro é transcendental. Conseguiu sucesso e respeito em um campo dominado por gringos, em uma era distante da internet. É realmente uma pena que os irmãos Cavalera se separaram do Paulo e do Andreas. Sem palavras. Épico.

Link YouTube

Claustrofobia | "War Stomp"

Continuando pelo Brasil, honrando a herança deixada pelo Sepultura, temos o Claustrofobia. Em 2009, os rapazes da Zona Norte de São Paulo lançaram I See Red, segundo álbum do quarteto. Os irmãos D'Angelos são graduados e mestrados em Música. Literalmente.

Link YouTube

Dorsal Atlântica | "Guerrilha"

O Dorsal é uma das bandas mais dignas e genuínas do país entre todos os estilos. Lutadores, sobreviveram no underground durante os anos 1980, fazendo thrash em português. No Phillips Monsters of Rock de 1998, um abaixo-assinado de 40 mil assinaturas garantiu o trio no festival. Muito honesto. Muito foda.

Link YouTube

Mantic Ritual | "One by One"

Molecada firmeza que leva um thrash revigorante. O Mantic Ritual faz parte da nova onda de revitalização do estilo. Uma surpresa bem agradável que remete a baía de São Francisco no começo dos anos 80. Mostrando que rock pauleira também pode ser divertido.

Link YouTube

Slipknot | "Left Behind"

Tudo bem, eles estão na moda. No entanto, fiquei curioso quando em entrevista um de seus integrantes disse que só gravavam a música se ela os fizesse vomitar. Marketing ou não, os rapazes de Iowa fazem um som pesado e melódico. Uma fina arte esquecida pelo rock em geral.

Link YouTube

Infectous Groove | "Therapy"

Aqui está uma banda que vale muito a pena ouvir. Misturar funk (mesmo) com metal é bem dificíl. Só um bem bolado de Suicidal Tendencies, Jane's Addiction e Ozzy Osbourne para conseguir um bom resultado. O Infectous Groove merecia mais holofotes.

Link YouTube

Megadeth | "Train of Consequences"

Dave Mustaine é um bicho esquisito. Meio magoado com o Metallica e dono de sua própria blend de café, o frontman conseguiu montar uma carreira respeitável com boas canções. Pepeu Gomes foi convidado para integrar o Megadeth, mas "Train of Consequences" vai ficar sem o swing do baiano.

Link YouTube

Por enquanto é isso. Na próxima, volto com um pouco mais sobre três acordes, cabelos espetados (ou não), rebeldia e moda.


publicado em 25 de Março de 2011, 04:41
378a6d83dad728530ba98c300a775df3?s=130

Flaco Marques

Rapaz do interior de SP que vive suas desventuras na cidade grande. Poliglota valente, busca equilibrar o jeito cosmopolita de ser com a simplicidade caipira de viver.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura